Diferenças entre edições de "Aguinaldo Ribeiro"

4 006 bytes adicionados ,  19h11min de 29 de outubro de 2017
Expansão do artigo, com fontes
(Expansão do artigo, com fontes)
|website = [http://www.aguinaldoribeiro.com.br/ aguinaldoribeiro.com.br]
}}
'''Aguinaldo Velloso Borges Ribeiro''' ([[Campina Grande]], [[13 de fevereiro]] de [[1969]]) é um [[político]] [[brasil]]eiro. Filiado ao [[Partido Progressista (Brasil)|Partido Progressista]], éfoi Líderbrevemente líder do Governo Temer na [[Câmara dos Deputados do Brasil|Câmara dos Deputados]] em fevereiro de 2017.<ref>{{Citar web|url=http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/noticias/2017/02/presidente-temer-indica-novos-lideres-na-camara-dos-deputados|titulo=Presidente Temer indica novos líderes na Câmara dos Deputados|acessodata=2017-02-24|obra=Palácio do Planalto|ultimo=planalto|primeiro=portal|lingua=pt-BR}}</ref>.<ref name=cong2/>
 
Vem de uma família de políticos na Paraíba: seu pai foi presidente do PP no estado e prefeito de [[Campina Grande]] de 1977 a 1983; sua mãe foi prefeita de [[Pilar]], uma cidade da periferia de Campina Grande; e sua irmã é [[deputada estadual]].<ref name=veja2/><ref>{{citar web |url=https://noticias.uol.com.br/politica/escandalos-no-congresso/5-aguinaldo-ribeiro-pp-pb-beneficia-curral-eleitoral-da-irma-e-e-nomeado-ministro.htm |titulo=Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) beneficia curral eleitoral da irmã e é nomeado ministro |autor= |data=11/02/2012 |obra=Política - Escândalos no Congresso |publicado= UOL Notícias |acessodata=29/10/2017 }}</ref><ref name=huff>{{citar web |url=http://www.huffpostbrasil.com/2017/07/30/quem-sao-os-5-deputados-da-tropa-de-choque-de-temer_a_23049048/?utm_hp_ref=br-carlos-marun |titulo=Quem são os 5 deputados da tropa de choque de Temer |autor=Marcella Fernandes |data=31/07/2017 |obra= |publicado= HuffPost Brasil |acessodata=29/10/2017 }}</ref> [[Deputado estadual]] da [[Paraíba]] por dois mandatos consecutivos (2003 a 2011), elegeu-se [[deputado federal]] em 2010, sendo reeleito em 2014, sempre pelo [[Partido Progressista (Brasil)|Partido Progressista]] (PP).
[[Deputado estadual]] da [[Paraíba]] por dois mandatos consecutivos (2003 a 2011), elegeu-se [[deputado federal]] em 2010, sendo reeleito em 2014, sempre pelo [[Partido Progressista (Brasil)|Partido Progressista]] (PP).
 
Em 2012 foi acusado de usar parte da sua [[verba de gabinete]] para comprar reportagens favoráveis a ele produzidas por dois sites de notícias do seu Estado: pagou mensalmente mil e quinhentos reais ao site "PB Agora" e dois mil reais ao "24 Horas PB"; ambos os sites produziram dezenas de matérias elogiosas a Aguinaldo. <ref>{{citar web |url=https://noticias.uol.com.br/politica/escandalos-no-congresso/6-aguinaldo-ribeiro-pp-pb-usou-dinheiro-da-camara-para-comprar-noticias-favoraveis.htm |titulo=Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) usou dinheiro da Câmara para comprar notícias favoráveis|autor= |data=11/02/2012 |obra=Política - Escândalos no Congresso |publicado= UOL Notícias |acessodata=29/10/2017 }}</ref>
Assumiu o comando do [[Ministério das Cidades]] em substituição a [[Mário Negromonte]], do mesmo partido.<ref>{{Citar web|url=http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2012/02/07/interna_politica,289061/aguinaldo-ribeiro-toma-posse-com-troca-de-farpas-com-o-antecessor.shtml|título=Aguinaldo Ribeiro toma posse com troca de farpas com o antecessor |publicado=Correio Braziliense|data=7 de fevereiro de 2012|língua2=pt|acessodata=7 de fevereiro de 2012}}</ref> Deixou a pasta em 17 de março de 2014 em uma reforma ministerial promovida pela presidente.<ref>{{Citar web|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/03/governo-publica-no-diario-oficial-nomeacao-de-seis-novos-ministros.html|título=Governo publica no 'Diário Oficial' nomeação de seis novos ministros|publicado=[[G1]]|data=17 de março de 2014|língua3=pt|acessodata=17 de março de 2014}}</ref>
 
AssumiuNo governo Dilma, assumiu o comando do [[Ministério das Cidades]] em substituição a [[Mário Negromonte]], do mesmo partido.<ref>{{Citar web|url=http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2012/02/07/interna_politica,289061/aguinaldo-ribeiro-toma-posse-com-troca-de-farpas-com-o-antecessor.shtml|título=Aguinaldo Ribeiro toma posse com troca de farpas com o antecessor |publicado=Correio Braziliense|data=7 de fevereiro de 2012|língua2=pt|acessodata=7 de fevereiro de 2012}}</ref> Deixou a pasta em 17 de março de 2014 em uma reforma ministerial promovida pela presidente.<ref>{{Citar web|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/03/governo-publica-no-diario-oficial-nomeacao-de-seis-novos-ministros.html|título=Governo publica no 'Diário Oficial' nomeação de seis novos ministros|publicado=[[G1]]|data=17 de março de 2014|língua3=pt|acessodata=17 de março de 2014}}</ref>
Votou a favor do [[Processo de impeachment de Dilma Rousseff]].<ref name="G1 - como votou">{{citar web|url=https://g1.globo.com/politica/noticia/veja-como-deputados-votaram-no-impeachment-de-dilma-na-pec-241-na-reforma-trabalhista-e-na-denuncia-contra-temer.ghtml|titulo=Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer|data=02/08/2017|acessodata=11/10/2017|autor=G1}}</ref> Já durante o [[Governo Michel Temer]], votou a favor da [[PEC do Teto dos Gastos Públicos]].<ref name="G1 - como votou"/>
Em fevereiro de 2017, foi indicado para a função de líder do governo na [[Câmara dos Deputados do Brasil|Câmara]] pelo [[Presidente do Brasil|Presidente]] [[Michel Temer]]. Em abril de 2017 foi favorável à [[Reforma trabalhista no Brasil em 2017|Reforma Trabalhista]].<ref name="G1 - como votou"/> <Ref>{{citar web|url=https://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/reforma-trabalhista-como-votaram-os-deputados|titulo=Reforma trabalhista: como votaram os deputados|autor=Redação|data=27/04/2017|acessodata=18/09/2017}}</ref> Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente [[Michel Temer]], ajudando a arquivar a denúncia do [[Ministério Público Federal]].<ref name="G1 - como votou"/><ref>{{citar web|url=https://www.cartacapital.com.br/politica/como-votou-cada-deputado-sobre-a-denuncia-contra-temer|titulo=Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer|data=03/08/2017|acessodata=18/09/2017|autor=Carta Capital}}</ref>
 
VotouFoi areeleito favorem 2014. Na comissão especial do impeachment de Dilma Rousseff foi contra o afastamento<ref name=huff/>, porém na [[Processo de impeachment de Dilma Rousseff|votação em plenário]] votou a favor.<ref name="G1 - como votou">{{citar web|url=https://g1.globo.com/politica/noticia/veja-como-deputados-votaram-no-impeachment-de-dilma-na-pec-241-na-reforma-trabalhista-e-na-denuncia-contra-temer.ghtml|titulo=Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer|data=02/08/2017|acessodata=11/10/2017|autor=G1}}</ref> Já durante o [[Governo Michel Temer]], votou a favor da [[PEC do Teto dos Gastos Públicos]].<ref name="G1 - como votou"/>
 
Também era um dos parlamentares mais próximos do ex-presidente [[Eduardo Cunha]], sendo um dos poucos que esteve com o peemedebista na reunião que selou sua renúncia ao cargo.<ref name=veja2/> Porém na hora da votação aberta sucumbiu à pressão e votou pela [[Afastamento e cassação de Eduardo Cunha|perda do mandato de Cunha]], que não o perdoou e o chamou de "covarde e hipócrita".<ref name=veja2>{{citar web |url=http://veja.abril.com.br/brasil/novo-lider-do-governo-na-camara-e-investigado-na-lava-jato-no-stf/ |titulo=Novo líder do governo na Câmara é investigado na Lava Jato no STF |autor= |data=23/02/2017 |obra= Veja|publicado= Editora Abril |acessodata=29/10/2017 }}</ref>
{{Referências}}
 
Membro da [[Igreja Batista]]<ref name=veja2/>, faz parte da bancada evangélica, apresentou propostas para liberar recursos do [[Fundo de Garantia do Tempo de Serviço]] para financiar a construção de templos religiosos e para isentar "entidades religiosas" de pagarem a contribuição para a [[Previdência Social]] quando relacionadas a construção de templos, nenhuma das matérias foi aprovada. <ref name=huff/>
 
Em fevereiro de 2017, foi indicado para a função de líder do governo na [[Câmara dos Deputados do Brasil|Câmara]] pelo [[Presidente do Brasil|Presidente]] [[Michel Temer]]. Permaneceu pouco tempo, no mês seguinte foi substituído por [[André Moura]].Desde março de 2017 retornou à liderança do governo no congresso.<ref name=cong2>{{citar web |url= http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/temer-faz-rodizio-entre-investigados-da-lava-jato-na-lideranca-do-governo/|titulo=Temer faz rodízio entre investigados da Lava Jato na liderança do governo |autor=Sardinha, Edson |data=04/03/2017 |obra=Congresso em Foco |publicado=uol.com.br |acessodata=28/10/2017}}</ref>
 
Em fevereiro de 2017, foi indicado para a função de líder do governo na [[Câmara dos Deputados do Brasil|Câmara]] pelo [[Presidente do Brasil|Presidente]] [[Michel Temer]]. Em abril de 2017 foi favorável à [[Reforma trabalhista no Brasil em 2017|Reforma Trabalhista]].<ref name="G1 - como votou"/> <Ref>{{citar web|url=https://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/reforma-trabalhista-como-votaram-os-deputados|titulo=Reforma trabalhista: como votaram os deputados|autor=Redação|data=27/04/2017|acessodata=18/09/2017}}</ref> Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente [[Michel Temer]], ajudando a arquivar a denúncia do [[Ministério Público Federal]].<ref name="G1 - como votou"/><ref>{{citar web|url=https://www.cartacapital.com.br/politica/como-votou-cada-deputado-sobre-a-denuncia-contra-temer|titulo=Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer|data=03/08/2017|acessodata=18/09/2017|autor=Carta Capital}}</ref>
 
==Operação Lava Jato==
Nos depoimenros da [[Operação Lava Jato]], foi acusado pelo doleiro [[Alberto Youssef]] de receber pagamentos mensais para votar com o governo do PT no Congresso e citado como integrante do esquema de [[corrupção]] na [[delação da Odebrecht]]. <ref name = huff/>
 
Foi um dos nomes apontados pelo procurador-geral da República, [[Rodrigo Janot]], como supostamente parte de uma [[organização criminosa]] que atuava na [[Petrobras]].<ref name=veja2/>
 
{{Referências|col=2}}
 
==Ligações externas==
[[Categoria:Grã-Cruzes da Ordem de Rio Branco]]
[[Categoria:Naturais de Campina Grande]]
[[Categoria:Família Ribeiro]]
512

edições