Abrir menu principal

Alterações

3 bytes removidos ,  18h24min de 1 de novembro de 2017
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 89.114.85.50, com Reversão e avisos
| assinatura = Assinatura Manuel de Arriaga.svg
}}
'''Manuel José de Arriaga Brum da Silveira''' '''e Peyrelongue''' ([[Horta]], [[Matriz (Horta)|Matriz]], [[8 de Julho]] de [[1840]] &mdash; [[Lisboa]], [[5 de Março]] de [[1917]]) foi um advogado, professor, escritor e político de origem açoriana. Grande orador e membro destacado da geração doutrinária do [[republicanismo]] português, foi dirigente e um dos principais ideólogos do [[Partido Republicano Português]]. A [[24 de agosto]] de [[1911]] tornou-se no primeiro presidente eleito da [[República Portuguesa]], sucedendo na chefia do Estado ao [[Governo Provisório da República Portuguesa|Governo Provisório]] presidido por [[Teófilo Braga]]. Exerceu aquelas funções até [[29 de maio]] de [[1915]],<ref>[http://dre.pt/pdfgratis/1915/05/10001.pdf Publicação ofical da tomada de demissão e substituição].</ref> data em que foi obrigado a demitir-se, sendo substituído no cargo pelo mesmo Teófilo Braga, que como substituto completou o tempo restante do mandato.<ref name="harmonias">José Luís Brandão da Luz, "Harmonias Sociais de Manuel de Arriaga : Obra de uma vida". Prefácio à reimpressão da obra ''Harmonias Sociais'' de Manuel de Arriaga, pp. 1-19. Horta : Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, 2010 (ISBN 978-972-99153-5-2).</ref>
 
== Biografia ==
=== Infância e juventude ===
[[Ficheiro:Assento de baptismo, Manuel de Arriaga (16 Dez. 1840).png|thumb|left|275px|Assento de baptismo de Manuel de Arriaga, datado de 16 de Dezembro de 1845. [[Matriz (Horta)|Matriz]], [[Horta]], [[Ilha do Faial]].]]
Manuel de Arriaga nasceu na ''casa do Arco'', na freguesia da [[Matriz (Horta)|Matriz]], cidade da [[Horta]], [[ilha do Faial]], filho de [[Sebastião José de Arriaga Brum da Silveira]] e de sua esposa Maria Cristina Pardal Ramos Caldeira. Pertencente à melhor sociedade faialense, o pai era um dos mais ricos comerciantes da cidade, último administrador do morgadio familiar e grande proprietário. A família, com pretensões aristocráticas, traçava as suas origens até ao flamengo [[Joss van Aard]], um dos povoadores iniciais da ilha. Foi neto do general [[Sebastião José de Arriaga Brum da Silveira]], que se distinguira na [[Guerra Peninsular]], e sobrinho-neto do desembargador [[Manuel José de Arriaga|Manuel José de Arriaga Brum da Silveira]], que em 1821 e 1822 fora deputado pelos Açores às [[Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa]].<ref name="biografico">Maria Filomena Mónica, ''Dicionário Biográfico Parlamentar (18134-1910)'', volume III, pp. 749-753. Lisboa: Assembleia da República, 2006 (ISBN 972-671-167-3).</ref>
 
Depois de concluídos os estudos preparatórios na cidade da Horta, em [[1860]] matriculou-se no curso de [[Direito]] da [[Universidade de Coimbra]], sendo acompanhado pelo seu irmão, [[José de Arriaga]], quatro anos mais novo. Em [[Coimbra]] cedo se revelou um aluno brilhante e um orador notável. Aderiu ao [[positivismo]] filosófico e ao [[republicanismo]] democrático, passando a ser frequentador assíduo das tertúlias filosóficas e políticas, onde se destacava pela sua verve e capacidade argumentativa.