Diferenças entre edições de "Aleijadinho"

Sem alteração do tamanho ,  12h20min de 2 de novembro de 2017
m
(→‎Escultura: Quem? O livro não cita isso. Não há citação alguma no livro sobre tal pesquisadora, nem evidência de sua notoriedade.)
:: "O que o Aleijadinho efetivamente deixou representado nesta obra foi uma dinâmica postural de oposições e correspondências. Cada estátua representa um personagem específico, com sua própria fala gestual. Mas apesar dessa independência no espaço representativo e até mesmo no espaço físico, elas mantêm um diálogo corporal, formando uma unidade integrada na dança profética da anunciação da vida, morte e renascimento".<ref name="Silva, p. 91"/>
 
[[Martin Dreher]], em seu livro ''A Igreja Latino-Americana no contextoContexto mundialMundial'', afirma que na obra de Aleijadinho, "está vivo o sentimento de revolta contra os opressores".<ref>[http://books.google.com/books?id=bp_RiGnNVwwC&pg=PA114&dq=aleijadinho&lr=&as_drrb_is=q&as_minm_is=0&as_miny_is=&as_maxm_is=0&as_maxy_is=&as_brr=3&hl=pt-BR#v=onepage&q=aleijadinho&f=false Dreher, p. 114]</ref> Marilei Vasconcelos distinguiu nos profetas uma série de símbolos [[maçonaria|maçônicos]]. De qualquer forma, a concepção do conjunto é típica do Barroco religioso internacional: dramático, coreográfico e eloquente.<ref name="Silva, p. 91"/> [[Giuseppe Ungaretti]], espantado com a intensidade mística das figuras, disse que ''"os profetas do Aleijadinho não são barrocos, são bíblicos"''.<ref name="BOSI"/> Gabriel Frade pensa que o conjunto integrado pela igreja, o amplo adro e os profetas se tornou um dos mais notórios da arquitetura sagrada no Brasil, sendo um perfeito exemplo de como elementos interdependentes de complementam coroando de harmonia a totalidade da obra.<ref name="FRADE">Frade, Gabriel. [http://books.google.com/books?id=PM_zVH5mD68C&pg=PA69&dq=aleijadinho&lr=&as_drrb_is=q&as_minm_is=0&as_miny_is=&as_maxm_is=0&as_maxy_is=&as_brr=3&hl=pt-BR#v=onepage&q=aleijadinho&f=false ''Arquitetura sagrada no Brasil: sua evolução até as vésperas do Concílio Vaticano II'']. Edições Loyola, 2007</ref> Para John Bury,
 
:: "Os Profetas do Aleijadinho são obras-primas, e isso em três aspectos distintos: arquitetonicamente, enquanto grupo; individualmente, como obras escultóricas, e psicologicamente, como estudo de personagens que representa. Desde este último ponto de vista, elas são … as esculturas mais satisfatórias de personagens do Antigo Testamento que jamais foram executadas, com exceção do Moisés de Michelangelo".<ref>[http://books.google.com/books?id=g0VEcW1P-BsC&pg=PA55&dq=Bretas+diretor+aleijadinho&hl=pt-BR&ei=2v4zTKbiK8yMuAf9meHnAg&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5&ved=0CDsQ6AEwBA#v=onepage&q&f=false IN Silva, p. 59]</ref>