Diferenças entre edições de "Fábula"

1 byte removido ,  11h51min de 21 de novembro de 2017
sem resumo de edição
O que difere a fábula dos demais gêneros metafóricos ([[apólogo]], [[alegoria]], parábola) é a presença do animal numa posição comumente associada a seres humanos. O caráter de narrativa de tradição oral é assegurado pela íntima ligação que ela possui com a sabedoria popular. Outro aspecto que fortalece essa ligação é a própria origem da palavra fábula. Ela vem do verbo ''fabulare'', que significa narrar ou falar. É deste próprio verbo que surge o atual verbo falar em português.<ref>{{citar web|url=http://files.brejodigital.webnode.com/200000056-b7398b833c/livro_salto_praticas_de_leitura_e_escrita.pdf#page=51|titulo=Fábulas Fabulosas|data=2006|acessodata=08/09/2017|publicado=Ministério da Educação|ultimo=Bagno|primeiro=Marcos}}</ref>
 
Se entende que as fábulas tiveram origem no [[Oriente]] e pertenceram aos [[assírios]] e [[babilônios]], mas foi [[Esopo]], escravo da [[Grécia]] antiga que viveu no século VIIVI a.C., que a desenvolveu. O francês [[Jean de La Fontaine]] foi um grande divulgador das fábulas de Esopo, ''Fontaine'' reescrevia as fábulas para fins educativos e caracterizava as personagens de acordo com suas aparências.<ref name="EducaçãoUol">{{citar web|url=http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/fabula-quem-foi-esopo.htm|título=Fábula: Quem foi Esopo?|acessodata=16/11/2014|autor=Carla Caruso|data=31/07/2005}}</ref><ref name="Português">{{citar web|url=http://www.portugues.com.br/literatura/a-fabula-suas-caracteristicas-discursivas-.html|título=A fábula e suas características discursivas |acessodata=16/11/2014|autor=Vânia Maria do Nascimento Duarte|data=31/07/2005}}</ref>
 
== História ==
Utilizador anónimo