Marco Lívio Druso (cônsul em 112 a.C.): diferenças entre revisões

39 bytes adicionados ,  20h06min de 22 de novembro de 2017
m
sem resumo de edição
m (rm link para a própria página, outros ajustes usando script)
m
Em 123 a.C., o [[tribuno da plebe|tribuno]] [[Caio Graco]] estava em [[Cartago antiga|Cartago]] organizando a fundação da [[colônia romana|colônia]] de "[[Cartago Nova]]", uma aplicação de sua lei agrária reformista. Druso foi eleito tribuno no ano seguinte juntamente com Graco, que foi reeleito, no ano seguinte.
 
O [[Senado Romano]], alarmado pelo crescente apoio popular amealhado por Graco, utilizou Druso, que era nobre, bem educado, rico e eloquente, para se opor às medidas dele e minar sua influência. Druso chegou a interpor o seu veto a algumas leis de Graco sem declarar nenhuma razão.<ref>[[Apiano]], ''Guerras Civis'', 1, 23.</ref>.
 
== Tribuno da plebe ==
[[Ficheiro:Roman period tribes in Illyria and Lower Pannonia.png|thumb|direita|upright=1|Tribos da baixa [[Panônia]] e da [[Ilíria (região)|Ilíria]] na época de Druso. O território dos escordiscos (''scordisci'') está no centro, à direita. Sua capital, [[Singiduno]], corresponde à moderna [[Belgrado]], a capital da [[Sérvia]].]]
Como tribuno, Druso vetou algumas das leis propostas por Graco e voltava a apresentá-las, dando ao Senado a chance de avaliá-las positivamente e passando ao povo a imagem de que os ''[[optimates]]'' eram amigos do povo. Este sistema ficou conhecido como ''"patronus senatus"''.<ref>[[Suetônio]], ''Tibério'', 3.</ref>.
 
Seguindo o plano de seus aliados, Druso propôs a criação de doze colônias com {{fmtn|3000}} colonos cada uma para as classes mais baixas e a redução dos impostos para as propriedades distribuídas depois de 133 a.C.. Ele propôs ainda uma lei que protegia os [[sócios (Roma Antiga)|aliados]] [[latinos (tribo)|latinos]] de ataques dos romanos, inclusive durante o serviço militar, para obscurecer a oferta de [[cidadania romana]] feita por Caio Graco.
 
Em todas estas medidas, Druso sempre foi visto como isento de motivos sórdidos ou gananciosos. Ele não participou da fundação das colônias e nem reservou terras para si próprio, deixando para outros a gestão dos negócios que envolviam distribuição de dinheiro. Graco, por sua vez, se mostrava ansioso para controlar os fundos e se fez nomear um dos fundadores da colônia em Cartago. Além disso, Druso aproveitou-se habilmente de sua ausência para atacá-lo, desacreditando-o perante o povo.<ref>[[Plutarco]], ''Caio Graco'', 8-11.</ref><ref>[[Cícero]], ''Bruto'', 28; ''de Fin'' IV 24</ref>.
 
A política e as leis de Druso durante seu tribunato são muito semelhantes às de seu filho, [[Marco Lívio Druso, o Tribuno]], que foi assassinado durante seu mandato 31 anos depois. Por isso, é muito difícil determinar se as passagens nos autores clássicos estão se referindo ao pai ou ao filho e, em alguns casos, é provável que os dois tenham se confundido nas fontes antigas.
 
== Cônsul (112 a.C.) ==
Nada mais se sabe sobre Druso até 112 a.C., quando ele foi eleito cônsul juntamente com [[Lúcio Calpúrnio Pisão Cesonino (cônsul em 112 a.C.)|Lúcio Calpúrnio Pisão Cesonino]]. É bastante provável que ele tenha passado pelas demais [[magistratura romana|magistraturas]] do ''[[cursus honorum]]'' &mdash; como [[edil]] e [[pretor]] &mdash; neste ínterim. Pode ser ainda que ele seja o [[pretor urbano]] mencionado em ''"Ad Heren."'', de Cícero, e o pretor "Druso", cuja astúcia jurídica Cícero registrou em sua carta a Ático.<ref>[[Cícero]], ''Vetus illud Drusi praetoris, & c. vii 2</ref>. Em seu mandato, Druso obteve a [[Macedônia romana|Macedônia]] como província consular e imediatamente assumiu a guerra contra os [[escordiscos]]. Teve tanto êxito em suas operações que não somente conseguiu rechaçar as invasões inimigas ao território romano, como cruzou o [[Danúbio]] e invadiu o território deles.<ref>[[Floro]], ''Epítome'', 3, 4.</ref>. Em seu regresso, foi recebido com honras, principalmente por que, pouco antes, os escordiscos haviam derrotado [[Caio Pórcio Catão]].<ref>[[Dião Cássio]], ''Historia Romana'', ''Frag.'' 93.</ref>.
 
É muito provável que tenha celebrado um [[triunfo romano|triunfo]], pois [[Suetônio]]<ref>[[Suetônio]], ''Tibério'' 3.</ref> menciona três triunfos para a gente Lívia, mas somente dois deles (ambos de [[Marco Lívio Salinador]], cônsul em 217 e 209 a.C.) aparecem nos [[Fastos Triunfais]].
|ant2=[[Caio Cecílio Metelo Caprário]]
|con1=[[Lúcio Calpúrnio Pisão Cesonino (cônsul em 112 a.C.)|Lúcio Calpúrnio Pisão Cesonino]]
|con2='''[[Marco Lívio Druso''' (cônsul em 112 a.C.)|Marco Lívio Druso]]
|ano=112 a.C.
|seg1=[[Lúcio Calpúrnio Béstia]]