Abrir menu principal

Alterações

816 bytes adicionados, 20h49min de 22 de novembro de 2017
melhorando com fontes
A colite ulcerativa possui similaridades com a [[doença de Crohn]], outra forma de DII. A colite ulcerativa é uma doença intermitente, com períodos de sintomas exacerbados e períodos relativamente livres de sintomas. Embora os sintomas da colite ulcerativa possam às vezes diminuir por conta própria, a doença geralmente necessita de tratamento para entrar em remissão.
 
A colite ulcerativa ocorre em 35-100 pessoas a cada 100.000 nos [[Estados Unidos]],<ref name=emed2336>{{eMedicine|med|2336|Ulcerative colitis}}</ref> ou menoscerca de 0,1% da população. Embora a colite ulcerativa não possua uma causa conhecida, há presumivelmente um componente [[genética|genético]] de susceptibilidade. A doença pode ser desencadeada por fatores ambientais. Embora a modificação da dieta possa reduzir o desconforto da pessoa com a doença, não se acredita que a doença seja causada por fatores alimentares.
 
Embora a colite ulcerativa seja tratada como se fosse uma [[doença auto-imune]], não há consenso sobre isso. O tratamento é realizado com drogas[[anti-inflamatório]]s, antiinflamatóriasespecialmente [[salicilato]]s como a [[mesalazina]], [[imunossupressão]] e terapiacom biológica[[inibidores direcionadado afator componentesde específicosnecrose paratumoral]], acomo respostao imune[[infliximab]]. A [[colectomia]] (remoção parcial ou total do intestino grosso através de cirurgia) às vezes é necessária, sendo possível a cura da doença.
 
== Epidemiologia ==
Afecta principalmente individuos com 15-30 anos e depois com 60-80 anos, mais as mulheres que os homens. A incidência é de 100 casos por 100.000 pessoas, sendo mais frequente nos Ocidentais que nos Orientais, onde a incidência tem crescido nos últimos anos. A incidência em algumas etnias judáicas mostra-se muito superior às outras.
 
== Etiologia ==
*[[Colangite esclerosante primária]], endurecimento e inflamação da vesícula biliar
 
Também é comum a [[comorbilidadecomorbidade]] com outras [[doenças autoimunes]].
 
=== Complicações ===
A longo prazo podem surgir problemas como:
*[[Desnutrição]],
*[[Desidratação]],
*[[Perda de peso]],
*[[Megacólon tóxico]] (devido à destruição dos nervos subjacentes à [[mucosa]]) com do[[íleo]])
*[[Peritonite]].
 
 
É importante eliminar a possibilidade de [[parasita]] intestinal ou [[gastroenterite]], além da distinção importante com a semelhante [[doença de Crohn]].
 
== Epidemiologia ==
Afecta principalmente individuosindivíduos com 15-30 a 25 anos e depois com 60-80 anos, sendo mais comum as mulheres que os homens. A [[incidência]] é de 10010 novos casos por 100.000 pessoas, sendo mais frequente nos Ocidentaisocidentais que nos Orientaisorientais, onde a incidência tem crescido nos últimos anos. A incidência em algumas etnias judáicasjudaicas, mostraespecialmente Ashkenazi, é mais de dez vezes maior que o resto da população. A prevalência mundial está entre 100-se300 muitocasos superiorpor 100.000 adultos (cerca de 0,2%).<ref>Podolsky DK (2002). "Inflammatory bowel disease". The New England Journal of Medicine. 347 (6): 417–29. doi:10.1056/NEJMra020831. àsPMID outras12167685.</ref>
 
== Tratamento ==
{{aviso médico}}
Não há cura, mas oO tratamento minimiza os problemas e evita complicações graves. São dados [[fármaco]]s [[antidiarreico]]s e outros para alivio sintomático. O uso de [[aminosalicilato]]s (antinflamatóriosanti-inflamatórios semelhantes aos [[Anti-inflamatórios não esteróides|AINEs]]) diminui as lesões inflamatórias. Para este fim também podem ser utilizados os [[corticosteróidecorticosteroide]]s, não sendo no entanto primeira escolha devido aos seus efeitos secundários.
 
Outros medicamentos usados no tratamento da colite ulcerosa são os imunossupressores e o [[infliximab]]. Em casos graves o [[cólon]] é removido cirurgicamente ([[colectomia]]), a única cura definitiva da colite.
 
Outros medicamentos usados no tratamento da colite ulcerosa são os imunossupressores e o infliximab. Em casos graves é removido cirurgicamente o [[cólon]]. Mesmo em casos moderados é necessária a vigilância anual por colonoscopia de possiveispossíveis tumores, devido ao risco de cancro colorretal muito aumentado.
 
A manutenção de dieta rigorosa, pobre em lipídeos, fibras longas e substâncias irritantes do [[cólon]] pode auxiliar na remissão.
 
Devido ao elevado risco de anemia, recomenda-se [[hemograma]]s regulares com suplementação de vitaminas B e C e ferro conforme necessário durante as crises.<ref>Mowat C, Cole A, Windsor A, Ahmad T, Arnott I, Driscoll R, Mitton S, Orchard T, Rutter M, Younge L, Lees C, Ho GT, Satsangi J, Bloom S (May 2011). "Guidelines for the management of inflammatory bowel disease in adults". Gut. 60 (5): 571–607. doi:10.1136/gut.2010.224154. PMID 21464096.</ref>
Um outro tipo de tratamento é a [[aférese]]. Este tratamento consiste na auto-transfusão de sangue que passa por uma coluna filtrante, como a [http://www.adacolumn.com/ Adacolumn] ou Cellsorba, que utilizam GCAP ou LCAP.
 
== Prognóstico ==
A colite ulcerativa geralmente é intermitente, com períodos de inatividade e reativação da doença. Pacientes com colite extensa tem menor tempo de remissão e pior prognóstico. A mortalidade é baixa (5% após 10 anos de doença) se o doente é acompanhado e tratado. Cerca de 25% sofrem ataques severos com necessidade de [[colectomia]] nos primeiros anos.
 
{{Referências}}