Francisco Alvim: diferenças entre revisões

485 bytes adicionados ,  14h21min de 28 de novembro de 2017
Inserção de fontes e ajustes!
m
(Inserção de fontes e ajustes!)
{{sem-fontes|data=Março de 2008}}
{{Info/Biografia
|nome =Francisco Alvim
Chico Alvim estreou em 1968 com o livro de poemas ''Sol dos cegos'', que junto de Antonio Carlos de Brito, [[Cacaso]], marcava o aparecimento do que [[José Guilherme Merquior]] chamou de a primeira geração de poetas “pós-vanguardas”.
 
Iniciou sua carreira no exterior como secretário da representação do Brasil junto à [[Unesco]], em [[Paris]]. Entre 1969 e 1971 vive em Paris, onde escreve parte de seu livro'' Passatempo'', lançado em 1974 pela coleção Frenesi, a qual editou também os livros ''Grupo Escolar'', de [[Cacaso]], ''Corações veteranos'', de [[Roberto Schwarz]], ''Em busca do sete-estrelo'', de [[Geraldo Carneiro]], e ''Motor'', de [[João Carlos Pádua]]. A antologia ''26 poetas hoje'', organizada por [[Heloísa Buarque de Hollanda]] ajudou a dar visibilidade à poesia produzida nesse período, e ficou conhecida como [[poesia marginal]].<ref>{{Citar periódico|ultimo=Cultural|primeiro=Instituto Itaú|titulo=Francisco Alvim {{!}} Enciclopédia Itaú Cultural|url=http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa3645/francisco-alvim|jornal=Enciclopédia Itaú Cultural|lingua=pt-br}}</ref>
 
Em 1978, Francisco Alvim publica ''Dia sim dia não'', com [[Eudoro Augusto]], e, em 1981'' Festa '' e '' Lago, montanha'', que mantinham a marca da produção independente e artesanal do autor. Em 1981 a editora [[Brasiliense (editora)|Brasiliense]] reuniu seus livros em ''Passatempo e outros poemas'', com o qual ganhou o [[Prêmio Jabuti]].<ref>{{Citar web|url=http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/minas_gerais/francisco%20_alvim.html|titulo=FRANCISCO ALVIM - Minas Gerais - Francisco Alvim|acessodata=2017-11-28|obra=www.antoniomiranda.com.br}}</ref>
 
Em 1988, a coletânea ''Poesias reunidas'' lhe rendeu outro [[Prêmio Jabuti]]; em 2000, publica ''Elefante'' ([[Companhia das Letras]]), livros depois reunidos em ''Poemas (1968-2000).'' O mais recente livro de Francisco Alvim chama-se ''O metro nenhum'' (Companhia das Letras, 2011)<ref>{{Citar periódico|titulo=Em novo livro, Francisco Alvim se equilibra entre o lírico e o cotidiano|jornal=Folha de S.Paulo|url=http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2011/09/976259-em-novo-livro-francisco-alvim-se-equilibra-entre-o-lirico-e-o-cotidiano.shtml?cmpid=menupe}}</ref>.
* ''Poemas: (1968-2000)'' (2004)
* ''O metro nenhum : poemas'' (2009)
 
{{Referências}}
 
{{Portal3|Brasil|Biografias}}
 
[[Categoria:Escritores contemporâneos do Brasil]]