Diferenças entre edições de "Antíoco VI Teos Epifânio"

3 bytes adicionados ,  09h17min de 2 de dezembro de 2017
sem resumo de edição
O jovem monarca foi coroado ainda em tenra idade, e a ele se uniram as tropas que tinham sido licenciadas por Demétrio II, pois Trífon aproveitou o ódio que eles sentiam dele e os recrutou. Vindo da Arábia para a [[Síria]] eles conseguiram derrotar o rei que foi obrigado a fugir para a [[Cilícia]], enquanto isso, Trífon capturou os elefantes e apoderou-se de Antioquia.
 
Os judeus no princípio ficaram com Demétrio II, seu rival ao trono; mas com uma nova visão do traiçoeiro caráter dele, eles julgaram aconselhável se submeterem a Antíoco VI. Como seu pai ele foi favorável aos judeus. Enviou a Jônatas Macabeu uma carta onde lhe confirmava o sumo sacerdócio, entregava aos judeus os quatro distritos: Samaria, GaliléiaGalileia, Galaade[[Gileade]] e Acrabata, e o colocava entre os "amigos do rei". Mandou-lhe vasos de ouro e assessórios de mesa de ouro, e mandou que se vestisse de púrpura e usasse a fivela de ouro. Ele também nomeou Jônatas como estratego da Celessíria e seu irmão Simão como estratego da faixa marítima que se estendia de Tiro até a fronteira com o [[Egito]]. Todos os favores dos reis selêucidas demonstram que os asmoneus eram uma potência considerável. A confiança de Antíoco nestes irmãos não foi em vão; Jônatas derrotou o chefe militar de Demétrio na planície de Ḥazor, enquanto Simão capturou a fortaleza de Betsur, que tinha se declarado por Demétrio.
 
==Morte==