Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  18h47min de 11 de dezembro de 2017
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 176.78.176.128, com Reversão e avisos
Índios do [[Brasil]] e [[Colômbia]] da região do rio Uaupés diziam que antes eram [[vegetariano]]s e nunca adoeciam. Os problemas de [[saúde]] apareceram quando começaram a comer [[caça]] e [[peixe]]. Quando algum índio contraía determinada [[doença]], o Pagé privava-o da ingestão de carne de alguns animais.<ref name="silva"> SILVA, Alcionilio Bruzzi Alves da (1901-1987). '''A civilização indígena dos Uaupés'''. São Paulo, Linográfica Editora. 1962, 496 p.</ref>
 
===ploerdadePuberdade e menstruação===
[[Imagem:Ritual de passagem.pdf|thumb|Ritual de passagem]]
Quando o índio ou índia entrava na [[puberdade]] havia um ritual chamado Kariamã entre os povos do baixo Rio Içana da [[Colômbia]] e [[Brasil]]. Nele a pessoa ficava cerca de quinze dias em reclusão, findo os quais era trazida para a casa do pai e colocada ao lado de um recipiente com [[beiju]]s, outro com ''quinhampira'', outro com dois tipos de [[peixe]] cozido, uma [[cabeça]] de [[peixe]] cru e uma [[minhoca]]. Alguém da [[família]] fazia um longo [[discurso]] permeado de conselhos, no fim do qual fazia o(a) iniciado(a) tocar com os [[dedo]]s e depois com os [[lábio]]s a [[cabeça]] de [[peixe]] e depois a [[minhoca]]. A pessoa podia então provar os alimentos dos recipientes, que lhe eram dados por quem fez o discurso. Outra pessoa adulta fazia novo discurso e nova prova dos alimentos. Por fim o [[pai]] servia um pouco do alimento à pessoa e depois a açoitava. Quando a iniciada era [[moça]], podia, a partir deste dia, preparar e se alimentar de [[peixe]] e [[caça]] (embiara) sem sofrer nenhum mal. Os [[Kamaiurá]] do [[Mato Grosso]] ofereciam aos jovens na [[puberdade]], que ficavam reclusos por dois ou três meses, apenas [[água]], [[cauim]] (sem fermentar) e [[peixe]]s não ofensivos.<ref name="galvão"> GALVÃO, Eduardo (1921-1976). '''Encontro de sociedades: Índios e brancos do Brasil'''. Prefácio de Darci Ribeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1979, 300 p.</ref>