Diferenças entre edições de "Francisco Xavier de Mendonça Furtado"

200 bytes adicionados ,  00h12min de 14 de dezembro de 2017
sem resumo de edição
{{Sem-fontes|data=março de 2014}}
[[Ficheiro:Francisco_Xavier_de_Mendonça_Furtado.png|thumb|right|D. Francisco Xavier de Mendonça Furtado]]
'''Francisco Xavier de Mendonça Furtado''' ([[Mercês (Lisboa)]], [[9 de outubro|9 de Outubro]] de [[1701]] - [[Vila Viçosa|Vila Viçosa (Évora)]], [[15 de novembro|15 de Novembro]] de [[1769]]) foi um administrador colonial português e fundador da cidade de [[Soure (Pará)]], na [[Ilha de Marajó]] e do município [[São Domingos do Capim]] (Pará).
 
Nascido em 9 de Outubro de 1701, na Rua Formosa (actualmente Rua de O Século), Francisco Xavier era filho de [[Manuel de Carvalho e Ataíde]] e de D. Teresa Luísa de Mendonça e Melo, irmão do [[primeiro-ministro]] [[Sebastião José de Carvalho e Melo|marquês de Pombal]] e do patriarca e inquisidor-mor [[Paulo António de Carvalho e Mendonça]], foi baptizado na Capela das Mercês em 12 de Outubro de 1701, tendo como padrinho Manuel de Azevedo.
Segundo as cartas informativas que enviou para o Rei, os colonos não dispunham de recursos para a importar [[escravidão|escravos]] da [[África]]<ref>[http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3307&secao=333 A expulsão dos Jesuítas do Grão-Pará e Maranhão], acesso em 05 de outubro de 2016.</ref>.
 
Em 6 de Julho de 1752, foi informado de que fora designado como chefe plenipotenciário da missão demarcatória dos limites fronteiriços da bacia Amazônia, decorrentes do [[Tratado de Madri (1750)]]<ref>"O caso do poder jesuítico na Amazônia", de Gustavo Ferreira Glielmo, disponível na internet em 05 de outubro de 2016.</ref>. Em 1759 regressa a Portugal.
 
Faleceu com 68 anos em Vila Viçosa, encontrando-se sepultado na Igreja Matriz da dita vila.
 
{{Referências}}
794

edições