Abrir menu principal

Alterações

3 bytes adicionados, 19h57min de 23 de dezembro de 2017
m
ajustes
|imagem = Vincent van Gogh - Self-Portrait - Google Art Project (454045).jpg
|imagem_tamanho = 250px
|imagem_legenda = Autorretrato, 1887
|nome_completo = Vincent Willem van Gogh
|nascimento_data = {{dni|30|3|1853|si}}
Seu tio Cent conseguiu em julho de 1869 um trabalho para Van Gogh na comerciadora de arte [[Goupil & Cia.]] em [[Haia]].<ref> {{harvnb|Walther|Metzger|1994|p=20}} </ref> Ele completou seu treinamento em 1873 e foi transferido para a filial da empresa em [[Londres]], passando a morar no [[87 Hackford Road|nº 87 da Rua Hackford]] em [[Stockwell]].<ref> {{harvnb|Van Gogh|2009}}, {{citar web|url=http://vangoghletters.org/vg/letters/let007/letter.html|título=007: To Theo van Gogh. The Hague, Monday, 5 May 1873.|acessodata=7 de março de 2017 }} </ref> Este foi um período feliz para Van Gogh: estava tendo sucesso no trabalho e aos vinte anos de idade ganhava mais que seu pai. [[Johanna van Gogh-Bonger]], a esposa de Theo, posteriormente afirmou que este foi o melhor período da vida de seu cunhado. Ele se apaixonou por Eugénie Loyer, a filha de sua senhoria, porém foi rejeitado depois de confessar seus sentimentos; Loyer estava secretamente noiva de um ex-inquilino. Van Gogh acabou ficando cada vez mais isolado e fervoroso religiosamente. Seu pai e tio conseguiram fazer em 1875 com que fosse transferido para Paris, onde ficou ressentido por questões como o grau em que a firma mercantilizava arte, sendo demitido um ano depois.<ref> {{harvnb|Tralbaut|1981|pp=35–47}} </ref>
 
[[FileImagem:Cuesmes JPG001.jpg|thumb|left|A casa de Van Gogh em Cuemes, onde Vincent decidiu tornar-se artista.]]
Van Gogh voltou para o [[Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda|Reino Unido]] em abril de 1876 a fim de assumir um trabalho não remunerado como professor substituto em um internato de [[Ramsgate]]. O proprietário pouco depois mudou-se para [[Isleworth]] perto de Londres e Van Gogh foi junto.<ref> {{harvnb|Pomerans|1997|p=xxvii}}; {{harvnb|Van Gogh|2009}}, {{citar web|url=http://vangoghletters.org/vg/letters/let088/letter.html|título=088: To Theo van Gogh. Isleworth, Friday, 18 August 1876.|acessodata=7 de março de 2017 }} </ref> Este arranjo não funcionou e ele foi embora para se tornar o assiste de um pastor [[Igreja Metodista|metodista]].<ref> {{harvnb|Tralbaut|1981|pp=47–56}} </ref> Enquanto isso seus pais mudaram-se para [[Etten-Leur|Etten]];<ref> {{harvnb|Naifeh|Smith|2011|p=113}} </ref> Van Gogh voltou para casa no natal daquele ano e permaneceu por lá durante seis meses, trabalhando em uma livraria de [[Dordrecht]]. Ele foi infeliz no cargo e passava seu tempo rabiscando ou traduzindo passagens da [[Bíblia]] para [[Língua inglesa|inglês]], [[Língua francesa|francês]] e [[Língua alemã|alemão]].<ref> {{harvnb|Callow|1990|p=54}} </ref> Van Gogh mergulhou-se na religião e tornou-se cada vez mais devoto e monástico.<ref> {{harvnb|Naifeh|Smith|2011|pp=146–147}} </ref> De acordo com Paulus van Görlitz, seu colega de quarto na época, ele comia frugalmente e evitava ingerir carne.<ref> {{harvnb|Sweetman|1990|p=175}} </ref>
 
Van Gogh procurou ser um pintor da natureza e da vida rural,<ref> {{harvnb|van Uitert|1981|p=232}} </ref> usando sua nova paleta durante seu primeiro verão em Arles a fim de pintar paisagens e a vida rural tradicional.<ref> {{harvnb|van Uitert|van Tilborgh|van Heugten|1990|p=20}} </ref> Sua crença na existência de um poder por trás do natural o levou a tentar capturar uma sensação desse poder ou a essência da natureza, algumas vezes por meio do uso de símbolos.<ref name=hughes89 > {{harvnb|Hughes|2002|pp=8–9}} </ref> Suas representações do semeador, inicialmente copiadas de [[Jean-François Millet]], refletem as crenças religiosas de Van Gogh: o semeador é Cristo semeando a vida sob o sol escaldante.<ref> {{harvnb|Sund|1988|p=668}} </ref> Estes eram temas e motivos condutores que ele frequentemente revisitou e retrabalhou.<ref> {{harvnb|van Uitert|1981|p=236}} </ref> Suas pinturas de flores eram repletas de simbolismos, porém criou uma própria [[iconografia]] em vez de empregar a cristã, onde a vida é vivida sob o sol e o trabalho é uma alegoria da vida.<ref> {{harvnb|Hughes|2002|p=12}} </ref> Ele ganhou confiança em Arles após pintar as flores da primavera e aprender a representar a luz do sol, estando pronto para pintar ''[[:Ficheiro:Vincent Willem van Gogh 025.jpg|O Semeador]]''.<ref name=sund666 />
 
[[FileImagem:Vincent Willem van Gogh 098.jpg|thumb|250px|''Memória do Jardim em Etten (Senhoras de Arles)'', 1888]]
Van Gogh permaneceu dentro do que chamava de "disfarce da realidade",<ref name=vaniutert223 > {{harvnb|van Uitert|1981|p=223}} </ref> sendo um crítico de trabalhos excessivamente estilizados. Ele escreveu posteriormente que a abstração de ''[[A Noite Estrelada]]'' tinha passado do limite e que a realidade tinha "ficado muito ao fundo".<ref name=vanuitert21 > {{harvnb|van Uitert|van Tilborgh|van Heugten|1990|p=21}} </ref> Hughes descreve essa obra como um momento de extremo êxtase visionário: as estrelas em um grande turbilhão lembram ''[[A Grande Onda de Kanagawa|A Grande Onda]]'' de [[Hokusai]], enquanto o movimento no céu é refletido pelo movimento do cipreste e a visão do pintor é "traduzida em um consistente e enfático plasma de pintura".<ref> {{harvnb|Hughes|2002|p=8}} </ref>
 
39 170

edições