Abrir menu principal

Alterações

2 bytes removidos ,  08h26min de 28 de dezembro de 2017
sem resumo de edição
Em '''''The Constitution of Liberty''' (1960),''<ref>{{Citar livro|url=http://press.uchicago.edu/ucp/books/book/chicago/C/bo9253956.html|titulo=The Constitution of Liberty|ultimo=|primeiro=|editora=|ano=|local=|paginas=|acessodata=20 de julho de 2016}}</ref> Hayek procura escrever um tratado que reintroduza as ideias liberais para o seu tempo.<ref>{{citar livro|url=http://www.libertarianismo.org/livros/lllfh.pdf|titulo=Law, Legislation and Liberty|ultimo=|primeiro=|editora=Routledge|ano=|local=|paginas=xix|acessodata=20 de julho de 2016}}</ref> Quando escrevendo-o, Hayek procurou que fosse sua obra mais ambiciosa. Na primeira seção, ele define [[liberdade]], mostra suas vantagens e discute sua relação com conceitos como "responsabilidade" e "decisão da maioria". Na segunda seção, ele escreve a história do liberalismo e do conceito de Estado de Direito, ou império da lei, mostrando a relação entre as duas ideias, que muitas vezes se confundiam. Ele ainda faz críticas ao [[positivismo jurídico]]. Na terceira seção, ele busca traçar os limites da atividade estatal na economia com base nos princípios do liberalismo clássico discutidos nas duas outras seções, princípios esses que não geram como conclusão, necessariamente, a fórmula do [[laissez-faire]].<ref>{{citar livro|url=http://jim.com/hayek.htm|titulo=The Road to Serfdom|ultimo=Hayek|primeiro=Friedrich|editora=|ano=|local=|paginas=|citacao=It is important not to confuse opposition against the latter kind of planning with a dogmatic laissez faire attitude. The liberal argument does not advocate leaving things just as they are; it favours making the best possible use of the forces of competition as a means of coordinating human efforts. It is based on the conviction that, where effective competition can be created, it is a better way of guiding individual efforts than any other. It emphasizes that in order to make competition work beneficially a carefully thought-out legal framework is required, and that neither the past nor the existing legal rules are free from grave defects.|acessodata=31 de julho de 2016}}</ref><ref>{{citar livro|url=http://www.libertarianismo.org/livros/fahofdl.pdf|titulo=Os Fundamentos da Liberdade|ultimo=Hayek|primeiro=Friedrich|editora=VISÃO|ano=1983|local=São Paulo|paginas=63 - 64|citacao=Locke, Hume, Smith ou Burke jamais poderiam afirmar, como Bentham, que "toda lei é um mal, pois toda lei constitui limitação da liberdade". Nunca defenderam a idéia do laissez-faire total, a qual, como mostra a expressão em si, também faz parte da tradição racionalista francesa, e, em seu sentido literal, nunca foi defendida por nenhum dos economistas clássicos ingleses. (...) Na realidade, eles nunca defenderam uma posição antiestatal, ou anárquica, que é conseqüência lógica da doutrina racionalista do laissez-faire; eles admitiam tanto funções adequadas para o Estado como a instituição de limites à ação estatal.|acessodata=31 de julho de 2016}}</ref>
 
Um dos motivos de Hayek enfatizar a importância do Estado de Direito (ou Rule of Law, Império da Lei) parte de suas ideias sobre o conhecimento, de que a descentralização leva em conta uma quantidade maior de conhecimento. Um Estado cujas ações coercitivas se baseiam em leis gerais, igualmente aplicáveis a todos, que não distinguem de indivíduo para indivíduo, proporciona a melhor estrutura na qual as pessoas podem buscarusar seus próprios planosconhecimentos com base empara seus próprios fins. Um Estado centralizador e planejador, ao contrário, e que portanto não respeita o Rule of Law, dificulta o planejamento descentralizado e a utilização do conhecimento amplamente disperso na sociedade. Além disso, uma sociedade (ou indivíduo) constantemente à mercê da vontade arbitrária de alguém, em oposição ao uso da força com base apenas em regras claras e estabelecidas, não pode se dizer livre no sentido próprio do termo. A lei verdadeira é a restrição da liberdade individual irrestrita para garantir a liberdade de todos.
 
Na década posterior à publicação do livro, ele desenvolve estudos sobre a ordem espontânea, e desenvolve teses que relacionam as [[Ordem espontânea|ordens espontâneas]] da natureza e da sociedade. Muitas dessas ideias foram emprestadas do estudo da [[cibernética]].<ref>{{Citar periódico|ultimo=Oliva|primeiro=Gabriel|data=2015-10-06|titulo=The Road to Servomechanisms: The Influence of Cybernetics on Hayek from the Sensory Order to the Social Order|editora=Social Science Research Network|local=Rochester, NY|url=http://papers.ssrn.com/abstract=2670064}}</ref> Com influência das ideias de seu amigo [[Karl Popper|Popper]], ele trabalha sobre a epistemologia e o estudo de fenômenos complexos, tendo por artigo mais notável nessa área '''''The Theory of Complex Phenomena'''.'' Ele argumenta que, em fenômenos complexos, é possível apenas a previsão do padrão ou princípio de funcionamento do fenômeno, e nunca as características específicas que se apresentarão. Um exemplo notável disso é a teoria da evolução, em que não é possível a previsão de, por exemplo, qual espécie irá surgir, mas apenas o princípio de como se dará esse processo de surgimento.<ref>{{citar livro|url=https://direitasja.files.wordpress.com/2012/05/studies-in-philosophy-and-economics-friedrich-a-hayek.pdf|titulo=Studies in Philosophy, Politics and Economics|ultimo=|primeiro=|editora=|ano=|local=|paginas=22-42|acessodata=20 de julho de 2016}}</ref> Isso se aplica também à própria economia: as variáveis são tão grandes que é basicamente impossível fazer uma previsão de quais serão os preços em dada situação.<ref>{{citar livro|url=https://direitasja.files.wordpress.com/2012/05/studies-in-philosophy-and-economics-friedrich-a-hayek.pdf|titulo=Studies In Philosophy, Politics And Economics|ultimo=Hayek|primeiro=Friedrich|editora=|ano=|local=|paginas=34-36|citacao=[...] economic theory is confined to describing kinds of patterns which will appear if certain general conditions are satisfied, but can rarely if ever derive from this knowledge any predictions of specific phenomena [...] No economist has yet succeeded in making a fortune by buying or selling commodities on the basis of his scientific prediction of future prices (even though some may have done so by selling such predictions).|acessodata=}}</ref>
83

edições