Diferenças entre edições de "Partido dos Trabalhadores do Curdistão"

231 bytes adicionados ,  16h36min de 7 de fevereiro de 2018
sem resumo de edição
[[Imagem:Pkk supporters london april 2003.jpg|thumb|300px|esquerda|Protesto anti-guerra de colaboradores do PKK, em 15 de fevereiro de 2003 em [[Londres]].]]
 
No início de 1970, o grupo central da organização era composto em grande parte, de estudantes liderados por [[Abdullah Öcalan]] ("Apo"), em [[Ankara]]. O grupo logo mudou seu foco para a grande população curda no [[Região do Sudeste da Anatólia|Sudeste da Turquia]]. Em 27 de novembro de 1978, o grupo adotou o nome de "Partido dos Trabalhadores do Curdistão". Defendendo uma ideologia de [[Extrema-esquerda|extrema esquerda]] radical [[Marxismo|marxista]], o grupo tomou parte em conflitos violentos com entidades de direita, como uma parte do caos político da Turquia na época. Em 1979, como uma propaganda da ação, o grupo tentou assassinar o líder tribal curdo Mehmet Celal Bucak, que eles alegavam explorar os camponeses, e colaborar com a [[Turquia]]. Isto marcou um período de intensa [[guerra urbana]] entre outros elementos políticos radicais. O [[golpe de estado]] turco de 1980 levou a organização a um outro estágio, com os membros cumprindo pena de prisão, estando sujeitos à [[pena capital]], ou fugindo para a [[Síria]]. Em 10 de novembro de 1980, o consulado turco em [[Estrasburgo]] na [[França]], foi bombardeado em uma operação conjunta com o grupo radical [[Armênios|armênio]] ASALA, que eles alegaram como o início de uma "colaboração frutuosa".<ref name="miptpkkasala">{{Citar web|url=http://www.tkb.org/Incident.jsp?incID=2735|autor=MIPT Terrorism Knowledge Base|título=Incident Profile: Armenian Secret Army for the Liberation of Armenia (ASALA) and Kurdistan Workers' Party (PKK) attacked Diplomatic target (November 10, 1980, France)|acessodata=17-5-2007|arquivourl=http://web.archive.org/web/20070930033518/http://www.tkb.org/Incident.jsp?incID=2735|arquivodata=30-9-2007}}</ref> O grupo tem crescido na década de 10 do século XXI por causa do caos causado pela [[Guerra do Iraque]] e da [[Primavera Árabe]].<ref>Yaroslav Trofimov, “The State of the Kurds,” The Wall Street Journal, June 19, 2015.</ref>
 
{{referências}}