Abrir menu principal

Alterações

7 bytes adicionados, 01h07min de 8 de março de 2018
sem resumo de edição
No nosso país, a maioria das empresas ainda não desenvolveu uma cultura de formação contínua, particularmente as PME. O financiamento de formação profissional através de meios públicos é também já uma tradição em Portugal este mecanismo pode ter tido um efeito contrário ao de espoletar uma cultura de formação nas empresas que subsista para além dos financiamentos.
 
São estes tempos de mudança e de oportunidades que nos levam a retratar os modelos atuais da formação profissional nas empresas portuguesas e analisar o valor que esta representa, as suas virtudes e os seus constrangimentos, por forma a contribuir para uma reflexão mais alargada que nos permita introduzir os drivers adequados às oportunidades que se avizinham, quer do ponto de vista dos modelos de organização da formação nas empresas quer do ponto de vista da conceçãoconcessão dos Projetos de formação por parte dos prestadores de serviço ou mesmo das Autoridades que tutelam esta área, nomeadamente o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).
 
== Brasil ==
Entretanto, de acordo com os dados do PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios),<ref name="MACAMBIRA">MACAMBIRA, Junior; ANDRADE, Francisca Rejane Bezerra (Org.). "TRABALHO E FORMA PROFISSIONAL: Juventudes em transação. Fortaleza: Idt, Uece, Bnb/2013. 332 p.</ref> nos anos de 1990 mais da metade da população tinham apenas o ensino básico. Neste período fez-se necessária a participação das Organizações privadas no desenvolvimento dos trabalhadores e no auxílio na oferta de novos postos de trabalho. Desse modo foram exigidas novas posturas dos trabalhadores, os quais deveriam dispor de habilidades interpessoais, competências técnicas e buscando melhoria contínua por meio da da graduação, cursos de especialização, pós graduação, dentre outros.
 
O crescimento econômico no Brasil nos anos 2000 expandiu as oportunidades no mercado de trabalho, onde surgiram empresas intermediadoras na contratação de funcionários (agências de emprego), que recrutavam e selecionavam determinado perfil para as empresas, que ofertavam diversas vagas, porém foi neste período que as empresas passaram a enfrentar um grande dilema:<ref>{{Citar web | url=http://www.correiodeuberlandia.com.br/cidade-e-regiao/crise-coloca-qualificacao-na-mira-dos-trabalhadores-em-uberlandia |título= crise coloca qualificacaoqualificação na mira dos trabalhadores em uberlandia}}</ref> A ESCASSEZ DE PESSOAS QUALIFICADAS, mesmo quando os jovens já haviam elevado seu nível de escolaridade. Para aumentarem o nível de conhecimento, as pessoas tiveram que procurar, cursos, de especialização, mestrado, doutorado e o aprendizado de outros idiomas, para atuarem principalmente na área de serviços e tecnologia que estavam em crescimento e que demandavam grande quantidade de mão de obra qualificada.
 
Por outro lado, com o intuito de auxiliar na formação educacional, foram necessárias intervenções políticas, em que foram formulados programas e investimentos do Governo em escolas profissionalizantes com o projeto de Lei no Plano Nacional de Educação (PNE) em 2010,<ref>{{Citar web|url=http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf | autor=mec | obra= | título= O PNE 2011-2020: Metas e Estratégias| publicado=mec.gov.br| acessodata=26 de maio de 2016}}</ref> que estipulou para os próximos dez anos objetivos que visam integrar a educação escolar com a educação profissional, pretendendo matricular no mínimo 25% dos alunos que estiverem concluindo o ensino fundamental e médio. Além disso, o Governo criou em 2011 programas como o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) cujo objetivo era aumentar em 50% o número de matrículas na educação profissional técnica de nível médio. Nos últimos anos muitas pessoas também têm optado por fazer cursos técnicos,<ref>{{Citar web | url=http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2016/06/curso-tecnico-e-opcao-para-entrar-no-mercado-de-trabalho-mais-rapido.html |título= curso tecnicotécnico eé opcaoopção para entrar no mercado de trabalho mais rapidorápido}}</ref> no qual teve um aumento de 40% de 2014 para 2015, pois mencionam que o período de duração é menor que o ensino superior e em muitas dessas áreas faltam profissionais qualificados. 
 
== Ver também ==
79

edições