Diferenças entre edições de "Revisionismo (marxismo)"

360 bytes adicionados ,  02h37min de 12 de março de 2018
m
Foram revertidas as edições de 2804:431:F705:4D3F:619C:A19A:FE34:940F para a última revisão de RodrigoAndradet, de 07h02min de 23 de maio de 2015 (UTC)
Etiquetas: Editor Visual Remoção considerável de conteúdo
m (Foram revertidas as edições de 2804:431:F705:4D3F:619C:A19A:FE34:940F para a última revisão de RodrigoAndradet, de 07h02min de 23 de maio de 2015 (UTC))
Etiqueta: Reversão
* Nas décadas de 1920 e 1930, a internacional [[Oposição de Esquerda]] liderada por [[Leon Trotsky]], que tinha sido expulsa da [[Comintern|Internacional Comunista]], acusou a liderança da [[União Soviética]] de rever os princípios internacionalistas do marxismo e do [[leninismo]] em favor das aspirações da uma elite burocrática que havia chegado ao poder na União Soviética.<ref>Leon Trotsky.[http://www.marxists.org/archive/trotsky/1928/3rd/index.htm The Third International After Lenin], The Militant, 1929. Accessed 14 March 2010</ref> Os trotskistas viam a nascente [[burocracia]] [[Stalinismo|stalinista]] como um obstáculo no caminho do proletariado para a revolução socialista mundial, e para as mudanças do stalinismo propuseram a [[Teoria da revolução permanente|teoria marxista da Revolução Permanente]]. As autoridades soviéticas rotularam os trotskistas como "revisionistas" e os expulsaram do [[Partido Comunista da União Soviética]], como represália os [[Trotskismo|trotskistas]] fundaram na [[França]], em 1943, a sua [[Quarta Internacional]].<ref name="mani">{{citar web |url=http://www.marxists.org/history/etol/document/fi/1938-1949/ww/1943-ww04.htm |título=Manifesto of the Fourth International on the Dissolution of the Comintern |acessodata=28 de novembro de 2013 |autor=Quarta Internacional |data= |ano=1943 |obra=Marxists.org |língua=en }}</ref>
* Na década de 1940 e 1950 dentro do movimento [[Comunismo|comunista]] internacional, o ''revisionismo'' foi um termo usado pelos [[Stalinismo|stalinistas]] para descrever os comunistas que se concentraram na produção de [[bens de consumo]] em vez da [[indústria pesada]]; ou que aceitavam [[Nacionalismo|diferenças nacionais]] em vez de promover o proletário internacionalista, também eram denominados de "revisionistas" os que incentivavam [[Socialismo liberal |reformas liberais]] em vez de permanecer fiel a doutrina estabelecida. Revisionismo foi uma das acusações dirigidas a [[titoísmo|titoístas]] como punição por sua busca de uma forma relativamente independente da ideologia comunista,<ref>[http://www.marxists.org/archive/cliff/works/1958/07/hungary.htm Backgound to Hungary; From Socialist Review, July 1958; acessado em 28 novembro 2013]</ref> durante uma série de expurgos na [[Europa Oriental]] pela administração Soviética. Após a morte de Stalin uma forma mais participativa e mais democrática do socialismo tornou-se [[Revolução Húngara de 1956|brevemente aceitável]]<ref>{{citar web |url=http://www.nytimes.com/1989/01/29/world/hungary-in-turnabout-declares-56-rebellion-a-popular-uprising.html?src=pm/ |publicado= New Your Times |título= ''Hungary, in Turnabout, declares 56 rebellion a popular uprising''|data=29 de janeiro de 1989 |acessodata=29 de novembro 2013 |língua= en}}</ref> durante os governos de [[Imre Nagy]] na [[Hungria]] (1953-1955) e de [[Władysław Gomułka]] na [[Polônia]], que continham ideias que o resto do [[bloco soviético]], e o própria União Soviética consideravam revisionista, embora nem Nagy nem Gomułka se descreveram como revisionistas, uma vez que isso teria sido auto-depreciativo.
* Em 1956, após o [[Discurso Secreto]] que denunciou o regime de [[Stalin]], particularmente pelos [[Grande Expurgo| brutais expurgos de militares de alto escalão e de quadros superiores do Partido]]<ref name=bbc>{{citar web |url=http://news.bbc.co.uk/onthisday/hi/dates/stories/february/25/newsid_2703000/2703581.stm |publicado=BBC |título= ''1956: Khrushchev lashes out at Stalin''| acessodata=18 de agosto 2013 |língua= en}}</ref> muitos ativistas comunistas, espantados e desanimados com o que eles viam como a traição dos princípios [[Marxismo-leninismo|marxistas-leninistas]] pelas próprias pessoas que os haviam fundado,<ref name=eric>Sven-Eric Holmstrom (2012):[http://dx.doi.org/10.1080/08854300.2012.686278 Khrushchev Lied], ''Socialism and Democracy'', 26:2, 120.</ref> demitiram-se em protesto dos partidos comunistas ocidentais. Estes desistentes foram, por vezes, acusado de "revisionismo" pelos comunistas que permaneceram nestes partidos, apesar de alguns destes mesmos legalistas também abandonar os mesmos partidos comunistas na década de 1960 para se tornar a "[[nova esquerda]]" "anti-revisionista". A maioria dos que saíram nos anos sessenta começou a alinhar-se em colaboração com [[Mao Zedong]], em oposição à União Soviética, sendo o teórico marxista e historiador [[Edward Palmer Thompson]] um exemplo.<ref>[http://www.jstor.org/discover/10.2307/27509210?uid=3738032&uid=2129&uid=2&uid=70&uid=4&sid=21101224504991 Andrew Milner, "E. P. Thompson 1924-1993", ''Labour History'', No. 65 (November 1993), pp. 216-218.]</ref>
* No início de 1960, [[Mao Zedong]] e o [[Partido Comunista da China]] reviveram o termo revisionismo para atacar [[Nikita Khrushchev]] e a União Soviética sobre várias questões ideológicas e políticas, como parte da [[ruptura sino-soviética]]. Os chineses rotineiramente descritos os soviéticos como "revisionistas modernos"<ref name=eric/> até os anos 1960. Esse uso foi copiado pelos vários grupos [[maoísmo|maoistas]] que dividiam os partidos comunistas de todo o mundo.
 
213 848

edições