Abrir menu principal

Alterações

687 bytes adicionados ,  20h06min de 17 de março de 2018
sem resumo de edição
|assinatura =
}}
'''Caio Plínio Segundo''' ({{lang-la|''Gaius Plinius Secundus''}}; [[Como]], {{dtlink|lang=br|||23}} — [[Estábia]], {{dtlink|lang=br|||79}}), conhecido também como '''Plínio, o Velho''', foi um [[naturalista]] [[Império Romano|romano]].<ref name=pomp>Harris Robert; “Pompei”; pp. 53-80-273 a 275 -293; Arnoldo Mondatori Edit.; Milano; (2003); ISBN:88-04-53362-5.</ref> Era tio de [[Plínio, o Jovem]].
 
== Biografia ==
Escritor, historiador, gramático, administrador e oficial romano. Era filho de um [[ordem equestre|equestre]], cavaleiro [[Roma antiga|romano]], e da filha do [[senado romano|senador]] [[Caio Cecílio]] de "''Novum Comum''" nascido em Cosme na Cisalpina. Plínio estudou em Roma e ingressou na carreira militar, servindo primeiramente na África e depois assumindo como oficial o comando de uma tropa de cavalaria na Germânia, aos 23 anos. Retornou a Roma para dedicar-se a escrever e estudar Direito. Executou importantes cargos públicos sendo nomeado procurador na Espanha quando Nero ainda era imperador, logo após, no norte da África e na Gália. Para algunsEra oum dos maiormais eruditoferozes críticos da históriaextravagância, imperialem romanatudo, edesde quemesas deixoude uma obraperna considerável eaté fundamentalusar paravários oanéis "''no saber científico''"mesmo subsequentededo.
 
De todas as suas obras, a única que sobreviveu foi um tratado denominado ''[[História Natural (Plínio)|História Natural]]'', uma imensa compilação composta de 37 volumes, que contém algumas passagens originais sobre o destino do homem na natureza e oferece um excelente panorama da geografia, zoologia e botânica na Antiguidade. Para alguns o maior erudito da história imperial romana e que deixou uma obra considerável e fundamental para o "'' saber científico''" subsequente.
 
===Obra===
 
A nuvem prosseguiu em direção a Estábia. Os moradores perceberam-na atravessando a baía e tentaram fugir, sem sucesso: os gases vulcânicos fizeram centenas de vítimas, entre elas Plínio, o Velho.<ref name=pomp/> O que se sabe de sua vida provém de referências de seu sobrinho [[Plínio, o Moço]]. Em carta a Tácito, por exemplo, seu sobrinho salientou o caráter heroico da morte do tio, que quando para lá acorreu como comandante da frota em Messina, seu último cargo público, na tentativa de ajudar os sobreviventes de [[Pompeia]], [[Herculano]] e [[Estábia]] e, ao mesmo tempo, estudar o fenômeno. Seu trabalho foi, a maior fonte de informações sobre a pintura grega, pois em todas as outras escolas artísticas, as descrições são avaliadas pelas pinturas que chegaram até os dias de hoje, opostamente ao que ocorreu com a grega. Exatamente conhecido como o Velho para diferenciá-lo do seu sobrinho de mesmo nome, chamado de o Moço ou o Jovem.
 
== Bibliografia ==
* {{Citar livro|sobrenome=Beard|nome=Mary Ritter|ano=2015|local=São Paulo |editora=Planeta |titulo=Spqr - Uma História da Roma Antiga|isbn=978-1631492228 |ref=harv}}
 
{{Referências}}
527

edições