Abrir menu principal

Alterações

143 bytes adicionados ,  17h43min de 25 de março de 2018
m
Em 1203, Pedro de Castelnau repreendeu duramente de forma pública a conduta do conde de [[Tolosa (França)|Tolosa]] [[Raimundo VI de Tolosa|Raimundo VI]] {{nwrap||1156|1222}}, que protegia os cátaros e não dava apoio aos missionários e a defesa da fé católica. Alguns dias depois, em 15 de fevereiro, Pedro foi assassinado por um súdito de Raimundo.{{sfn|Llorca|Garcia-Villoslada|Laboa|2009|p=481}} Não se sabe se Raimundo teve participação no crime, porém foi considerado cúmplice na época. Quando Inocêncio soube do assassinato, considerou Pedro um mártir e um santo, depôs Raimundo, desligou seus súditos do juramento de fidelidade, e o excomungou. A morte de Pedro também convenceu Inocêncio que a evangelização era inútil, assim o papa escreveu ao Rei da França Felipe Augusto, bem como aos condes franceses que lutassem contra Raimundo e o depusessem, e encarregou seu legado, Arnaldo Amaury de pregar uma cruzada na França para combater os cátaros. Quem participasse dessa Cruzada receberia os mesmos benefícios, [[indulgência]]s e privilégios dos soldados de uma cruzada rumo a Terra Santa, porém, sem ter que fazer a exaustiva e perigosa viagem rumo ao Oriente Médio. Isso tornou a Cruzada muito atrativa e popular, especialmente no norte da França.{{sfn|White|2013|p=167}}
 
[[imagem:Albigensian Crusade 01.jpg|miniatura|esquerda|340px|Iluminura medieval da [[British Library]] do Papa Inocêncio excomungando os cátaros ou albigenses (à esquerda), e uma batalha contra os albigenses realizada pelos cruzados (à direita). Note-se que o manto do cavalo possui um leão de prata no fundo de [[Gules|goles]], brasão de [[Simão IV de Monforte]], líder dos cruzados]]
 
Assim, Arnaldo reuniu um exército cruzado em [[Lyon]] em 1209, que invadiu as cidades de [[Béziers]], [[Narbona]] e [[Carcassona]]. Quando o nobre [[Simão IV de Monforte]] voltou da Quarta Cruzada, ele foi nomeado pelo exército seu novo líder e suserano dos territórios conquistados.{{sfn|Llorca|Garcia-Villoslada|Laboa|2009|p=482}} Em 1213, Raimundo rendeu-se e entregou-se completamente ao papa Inocêncio, que então concedeu o condado de Tolosa a Simão de Monforte. Nos locais conquistados pelos cruzados, a nobreza local era deposta, os cátaros eram expulsos da região ou convertidos, e aqueles que se recusassem a se converter eram queimados como hereges{{sfn|White|2013|p=167}}. Embora em 1213 a cruzada tenha sido declarada encerrada por Inocêncio, ainda houve uma série de conflitos nessa região entre o rei francês e o descendente de Raimundo, seu filho, [[Raimundo VII de Tolosa|Raimundo VII]], que só foi encerrado pelo [[Tratado de Paris (1229)|Tratado de Paris de 1229]].{{sfn|Llorca|Garcia-Villoslada|Laboa|2009|p=484-485}} Aproximadamente um milhão de pessoas morreram na cruzada albigense.{{sfn|White|2013|p=166}}