Inatismo: diferenças entre revisões

12 bytes removidos ,  26 de março de 2018
sem resumo de edição
m (+correções semiautomáticas (v0.57/3.1.41/1.107))
O inatismo opõe-se particularmente ao [[empirismo]] de John Locke, onde em sua obra "Ensaio acerca do Entendimento Humano", afirma que a [[mente]] (''mind'') é uma "[[tabula rasa]]", e toda ideia deriva da [[Experiência (filosofia)|experiência]] [[experiência sensível|sensível]].
 
As teorias inatistas já estão presentes em [[Platão]], mas também nos [[Filosofia moderna|modernos]] - notadamente entre os [[racionalismo|racionalistas]] dos [[século XVII|séculos XVII]] e [[século XVIII|XVIII]], especialmente [[Descartes]], [[Bento de Espinoza|Espinoza]] e [[Gottfried Leibniz|Leibniz]], entre outros.
 
Também na psicologia, uma ideia inata é um conceito ou um item de conhecimento universal, isto é, algo com que todas as pessoas nascem - em oposição àquilo que as pessoas adquirem através da experiência.
 
== Nativismo ==
Nativismo é uma visão moderna enraizadabaseada no inatismo. Os defensores do nativismo são principalmente filósofos que também trabalham no campo da psicologia cognitiva oupsicolingüística: mais notavelmente Noam Chomsky e Jerry Fodor (embora este último tenha adotado uma atitude mais crítica em relação nativismo em seus escritos posteriores). Objeção geral contra o nativista do empirismo ainda é o mesmo que foi levantada pelos racionalistas; a mente humana de uma criança recém-nascida não é uma tabula rasa, mas equipado com uma estrutura inata.
 
== Ver também ==
Utilizador anónimo