Yolande de Polastron, Duquesa de Polignac: diferenças entre revisões

→‎Na Corte: Adição de informação
(Erro)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
(→‎Na Corte: Adição de informação)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
=== Na Corte ===
Gabrielle foi apresentada à Rainha [[Maria Antonieta]] em 1775, durante um baile dado emna casa da irmã do seu marido, Madame Diane de Polignac. A Rainha, encantada com o maravilhoso recital da condessa de Polignac, considera-a, de imediato, sua amiga. Uma vez que os Polignac não possuíam meios económicos a fim de pagar a extravagante vida em Versalhes, Maria Antonieta conceder-lhes-á inúmeras pensões, cargos, títulos e favoritismos: oferece 800 mil libras como dote à filha de Gabrielle; em 1780 os condes de Polignac passam a ser duques de Polignac; em 1782 Gabrielle ocupa o lugar vago de [[Vitória de Rohan|Madame Guéménée]] como Governante dos [Filho da França|Filhos de França]]; em 1786 o agora duque [[Jules de Polignac (1746-1817)|Jules de Polignac]], Escudeiro da Casa da Rainha, receberá o cargo de [[Marechal de França]], o cargo militar mais elevado. Também o dito amante de Gabrielle, o conde Vaudreuil, viria a beneficiar enormemente com a amizade entre a Rainha e a duquesa.
 
A duquesa de Polignac liderava o restrito grupo de amigos da Rainha, o que causava inveja por parte dos membros das grandes famílias como as Noailles, Rohan, Gontaut e os Coigny. Tanto os cortesãos como o povo, acusava Maria Antonieta de favorecer a sumptuosa Polignac em detrimento da simples [[Maria Luísa, Princesa de Lamballe|Princesa de Lamballe]]. Cartazes que apelidavam Gabrielle de Messalina ou de Popeia, circulavam por todo o país, acabando por denegrir toda a imagem de Versalhes.
Com os perturbantes levantamentos populares no início de 1789, os Polignac acabaram por deixar, inicialmente a pedido e depois ordenado pela Rainha, Versalhes. São uns dos primeiros aristocratas a emigrar, e com eles encontram-se o irmão do Rei e amigo dos Polignac, o conde de Artois, os príncipes de Condé, o conde de Vaudreuil, Besenval, Guines...
 
Gabrielle desenvolveu uma doença terminal enquanto vivia na [[Suíça]], embora ela estivesse com problemas de saúde há vários anos. A duquesa morreu na [[Áustria]] em dezembro de [[1793]], aos quarenta e quatro anos, pouco depois de saber da execução de Maria Antonieta. Sua família simplesmente anunciou que ela havia morrido como resultado de desgosto e sofrimento, mas a maioria dos historiadores concluiu que ela morreu de câncer.<ref> ''Wikipedia língua inglesa'' [https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Yolande_Martine_Gabrielle_de_Polastron Yolande de Polastron] </ref>
Gabrielle acabaria por morrer em Viena em 1793, de cancro, após saber que a sua amiga e confidente Maria Antonieta acabava de ser guilhotinada.
 
Para trás, a duquesa de Polignac deixou uma família que se acabaria por ligar aos Grimaldi, aos Davydov, à Guerra da Sucessão e à Restauração.
| título = Governante dos Filhos de França
| anos = [[1782]] — [[1789]]
| antes = [[VictoireVitória de Rohan| Madame Guéménée]]
| depois = [[Louise-Élisabeth de Croÿ de Tourzel|Marquesa de Tourzel]]
}}
4 616

edições