Diferenças entre edições de "Filme"

17 bytes removidos ,  13h25min de 2 de abril de 2018
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 186.239.235.53, com Reversão e avisos
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 186.239.235.53, com Reversão e avisos)
Com o surgimento da [[televisão]] e principalmente das [[videoteipe|fitas de vídeo]], que a partir dos anos 1950 se tornaram um novo suporte físico para imagens com impressão de movimento, a palavra ''filme'' passou a designar especificamente os [[produto audiovisual|produtos audiovisuais]] realizados em película (suporte fotográfico), em oposição aos ''videofonogramas'', ou simplesmente ''vídeos'', produzidos em suporte eletrônico.
 
Mas os desenvolvimentos [[tecnologia|tecnológicos]] posteriores foram aos poucos relativizando esta divisão. Ainda nos anos 1950 surgiram os primeiros [[telecine]]s, aparelhos utilizados para converter filmes cinematográficos em fitas de vídeo, facilitando a exibição destes filmes na televisãbj l,gbhkgkhkgkhgotelevisão e mais tarde a circulação de cópias dos mesmos no mercado doméstico <ref>KONIGSBERG, Ira: "The Complete Film Dictionary", Meridian Books, 1987, p. 373</ref>. Em [[1981]], "Il Mistero di Oberwald", dirigido pelo cineasta italiano [[Michelangelo Antonioni]], tornou-se a primeira obra realizada totalmente em vídeo a ter lançamento comercial nos [[sala de cinema|cinemas]] do mundo inteiro <ref>{{citar web | titulo= Resenha de "Il Mistero di Oberwald" por Jeffrey M. Anderson| url=http://www.combustiblecelluloid.com/antonioni.shtml| acessodata=26/05/2009}}</ref>.
 
A partir dos [[anos 1990]], com a crescente utilização da [[tecnologia digital]], tanto no cinema quanto na televisão e no vídeo, a palavra ''filme'' passou a ser usada, cada vez mais, como sinônimo de [[produto audiovisual]], independentemente do suporte de captação ou de finalização. O [[Dicionário Houaiss]] (2001) já define 'filme' como "obra cinematográfica registrada em filme", mas também como "obra cinematográfica registrada em qualquer suporte". <ref>HOUAISS, Antônio: "Dicionário da língua portuguesa", ed. Objetiva, 2001, p. 1343</ref>