Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  05h19min de 9 de abril de 2018
m
→‎Biografia: correção em erro de ortografia.
Em [[2012]], Ana retorna ao estúdio e lança o disco ''[[Volta (álbum de Ana Cañas)|Volta]]''<ref>{{citar web|url=http://www.territoriodamusica.com/resenhas/?c=4330|título=Ana Cañas: Volta|publicado=Território da Música|data=16 de julho de 2012|acessodata=6 de agosto de 2015}}</ref> (o primeiro pela gravadora Som Livre). O álbum contém versões para "Rock And Roll" do [[Led Zeppelin]] e as músicas autorais "Será Que Você me Ama?" e "Urubu Rei", entre outras. Posteriormente, o disco "Volta" transformou-se no show "Coração Inevitável" e contou com a direção e iluminação de [[Ney Matogrosso]]. O show foi registrado e lançado em DVD em 2013.
 
Em [[2015]] Ana Cañas lança seu quarto álbum de estúdio e o primeiro totalmente autoral, "''[[Tô na Vida]]''" e no dia 6 de julho de 2015 foi lançado o single homônimo do disco<ref>{{citar web|url=http://rollingstone.uol.com.br/noticia/exclusivo-ana-canas-divulga-clipe-para-balada-to-na-vida/#imagem0|título=Exclusivo: Ana Cañas divulga clipe para a balada “Tô Na Vida”|publicado=[[Rolling Stone Brasil]]|data=7 de junho de 2015|acessodata=8 de junho de 2015}}</ref> e ganhou clipe dirigido pela própria Ana em parceria com Philippe Noguchi. Em entrevista, Ana revelou que o disco ''"Tô na Vida"'' nasceu do desejo de equiparar o som do disco com a energia dos shows e das performances ao vivo. É um disco mais roqueiro, gravado ao vivo, de maneira orgânciaorgânica e foi mixado por Mario Caldato.
 
Em [[2016]] a cantora faz a sua estréia nacional nos cinemas, ao participar do longametragem "''Amores Urbanos"'' da diretora Vera Egito (com quem Ana já havia trabalhado anteriormente no clipe de "Urubu Rei" e no DVD "Coração Inevitável"). No filme, Ana interpreta a homossexual Duda, que têm problemas de assumir publicamente o relacionamento com a namorada<ref>{{citar web|primeiro=Maria|último=Fortuna|url=http://blogs.oglobo.globo.com/gente-boa/post/ana-canas-sobre-drama-de-novo-papel-se-eu-fosse-gay-assumiria-numa-boa.html|título=Ana Cañas, sobre drama de novo papel: 'Se eu fosse gay, assumiria numa boa'|publicado=[[O Globo]]|data=13 de março de 2016|acessodata=15 de março de 2016}}</ref>. O filme foi exibido em diversos festivais internacionais e ganhou elogios da imprensa especializada.
18

edições