Abrir menu principal

Alterações

18 bytes removidos ,  17h47min de 15 de abril de 2018
m
Foram revertidas as edições de 2804:14C:194:81AD:D05B:9BC1:44C0:A1D0 (usando Huggle) (3.3.3)
* [[Hera]]
* [[Atena]]
* [[Posidão|Poseidon]]
* [[Hefesto]]
* [[Tétis (nereida)|Tétis]] (mãe de [[Aquiles]])
[[Imagem:Peter Paul Rubens - Achilles slays Hector.jpg|thumb|upright=1.0|''Aquiles fere Heitor''<br><small>[[Peter Paul Rubens]], 1630-1635</small>]]
 
No décimo ano do cerco a [[Troia]], há um desentendimento entre as forças dos [[aqueus]], comandadas por [[Agamenão|Agamenon]]. Ao dividirem os espólios de uma conquista, o comandante aqueu fica, entre outros prêmios, com uma moça chamada Criseida, enquanto que a [[Aquiles]] cabe outra bela jovem, [[Briseis]] (Briseida). Criseida era filha de Crises, [[sacerdote]] do deus [[Apolo]], e este pede a Agamenão que lhe restitua a filha em troca de um resgate. O chefe aqueu recusa a troca, e o pai ofendido pede ajuda a seu deus. [[Apolo]] passa então a castigar os aqueus com a peste. Quando forçado a devolver [[Criseida]] ao pai para aplacar o castigo divino, Agamenão toma a Aquiles sua Briseis, como forma de compensação e afronta Aquiles. Este, ofendido, se retira da guerra junto com seus valentes [[Mirmidão|mirmidões]]. Aquiles pede então a sua divina mãe que interceda junto a Zeus, rogando-lhe para que favoreça aos troianos, como castigo pela ofensa de Agamenão. Tétis consegue a promessa de Zeus de que ajudará aos troianos, a despeito da preferência de sua esposa, Hera, pelo lado aqueu.
 
Então [[Zeus]] manda a Agamenão, através de [[Oniros]], um sonho incitando-o a atacar Troia sem as forças de Aquiles. Agamenão resolve testar a disposição de seu exército. A tentativa por pouco não termina em revolta generalizada, incitada pelo insolente Tersites. A rebelião só é evitada graças à decisiva intervenção de Odisseu, que fustiga Tersites e lembra a profecia de Calcas de que ''Ílion'' cairia no décimo ano do cerco.
8 932

edições