Diferenças entre edições de "Modelo poligonal"

147 bytes adicionados ,  22h31min de 15 de abril de 2018
sem resumo de edição
O modelo poligonal foi usado para ensino de bioquímica para alunos de biologia e enfermagem. Em geral, a metodologia foi bem aceita, às vezes facilitando o entendimento dos alunos, como mostraram testes aplicados nos mesmos. <ref name="bonafe" /> O uso dessa ferramenta por estudantes do ensino médio iniciantes no estudo de química orgânica e por estudantes de graduação introduzidos ao metabolismo podem facilitar o processo de aprendizado. Para o professor, o uso rotineiro do modelo poligonal na sala de aula mostrando as mudanças nas estruturas dos intermediários das vias metabólicas facilita a discussão, já que o tempo para representação de cada molécula na lousa pode ser muito mais reduzido, comparando-se com a representação utilizando as projeções de Fischer.
 
Várias vias metabólicas (e processos) podem ser mostrados utilizando o modelo poligonal como representação, como a [[glicólise]], [[ciclo do ácido cítrico]], [[ciclo da ureia]], [[transaminação]], [[desaminação|desaminação oxidativa]], [[ciclo do glioxilato]], [[via das pentoses]] e, [[betaoxidação|beta oxidação]], [[betaoxidação|síntese]] e [[betaoxidação|degradação de corpos cetônicos]] e [[gliconeogênese]] ilustrando como essa linguagem é relativamente acessível e facilmente executada.
 
{{Referências}}
128

edições