Abrir menu principal

Alterações

9 bytes removidos, 09h01min de 22 de abril de 2018
sem resumo de edição
== Problemas na Inglaterra e no continente ==
=== Invasões dinamarquesas e rebelião no norte ===
Embora Sueno havia prometido deixar a Inglaterra, voltou na primavera de 1070, invadindo ao longo do ''Humber'' e Ânglia Oriental em direção à [[Ilha de Ely]], onde se juntou a [[Herevardo, o Vigilante]], um ''[[thegntano]]'' (servo) local. As forças de Herevardo atacaram a [[Catedral de Peterborough|Abadia de Peterborough]], a qual capturaram e saquearam. Guilherme foi capaz de garantir a retirada de Sueno e sua frota em 1070,<ref name=Douglas221>Douglas ''William the Conqueror'' pp. 221–222</ref> permitindo-lhe regressar ao continente para lidar com problemas no [[Maine (província)|Maine]], onde a cidade de [[Le Mans]] havia se revoltado no ano anterior. Outra preocupação era a morte do conde [[Balduíno VI da Flandres|Balduíno VI de Flandres]], em julho de 1070, que conduziu a uma crise de sucessão com sua viúva, [[Riquilda de Hainaut|Riquilda]], que governava por seus dois filhos novos, [[Arnulfo III da Flandres|Arnulfo]] e [[Balduíno II de Hainaut|Balduíno]]. No entanto, o seu governo foi contestado por [[Roberto I da Flandres|Roberto]], irmão de Balduíno. A viúva propôs casamento a Guilherme FitzOsbern, que estava na Normandia, e esse aceitou. Mas depois que foi morto em fevereiro de 1071 na [[Batalha de Cassel (1071)|Batalha de Cassel]], Roberto tornou-se conde. Ele se opunha ao poder do rei Guilherme no continente, assim, a Batalha de Cassel não só fez o rei perder um importante aliado, mas também perturbou o equilíbrio de poder no norte da [[Reino da França|França]].<ref name=Douglas223>Douglas ''William the Conqueror'' pp. 223–225</ref>
 
Em 1071, Guilherme derrotou a última rebelião do norte. O conde Eduíno foi traído por seus próprios homens e morto, enquanto o rei construía uma ponte para subjugar a [[Ilha de Ely]], onde Herevardo, o Vigilante e Morcar estavam escondidos. Herevardo escapou, mas Morcar foi capturado, privado de seu condado, e preso. Em 1072 o rei invadiu a [[Reino da Escócia|Escócia]], derrotando Malcolm, que tinha invadido recentemente o norte da Inglaterra. Guilherme e Malcolm concordaram com a paz, ao assinar o [[Tratado de Abernethy]], e o rei escocês provavelmente entregou seu filho [[Duncan II da Escócia|Duncan]] como refém pela paz. É possível que uma outra disposição do Tratado foi a expulsão de Edgar, o Atelingo da corte escocesa.<ref name=Bates107>Bates ''William the Conqueror'' pp. 107–109</ref> Guilherme então voltou sua atenção para o continente, voltando à Normandia no início de 1073 para lidar com a invasão do Maine por [[Fulque IV de Anjou|Fulque le Rechin]], o conde de Anjou. Com uma campanha rápida, Guilherme apreendeu Le Mans das forças de Fulque, completando a investida em 30 de março de 1073. Isso fez com que o seu poder ficasse mais seguro no norte da França, mas o novo conde de Flandres aceitou Edgar, o Atelingo em sua corte. Roberto também casou sua meia-irmã [[Berta da Holanda|Berta]] com o rei da França, [[Filipe I de França|Filipe I, o Amoroso]], que se opunha ao poder normando.<ref name=Douglas228>Douglas ''William the Conqueror'' pp. 228–229</ref>