Abrir menu principal

Alterações

9 bytes adicionados, 15h43min de 25 de abril de 2018
m
Foram revertidas as edições de 187.18.119.133 para a última revisão de Xutzão, de 17h47min de 15 de abril de 2018 (UTC)
[[Imagem:Akhilleus Patroklos Antikensammlung Berlin F2278.jpg|upright=1.0|thumb|esquerda|''Aquiles cura Pátroclo''<br><small>Detalhe de vaso em técnica de cerâmica vermelha {{AC|500|x}}</small>]]
 
A ''Ilíada'' é constituída por {{fmtn|15693}} versos em [[hexâmetro dactílico|hexâmetro datílico]], a forma tradicional da poesia épica grega. Foi composta por uma mistura de dialetos, resultando numa língua literária artificial, nunca de fotofato falada na Grécia.
 
Com origem na tradição oral da época micênica ou seja, teria sido cantada pelos [[aedo]]s (artistas que cantavam epopeias), e só muito mais tarde os versos foram compilados numa versão escrita, no {{AC|século VI|x}} em [[Atenas Antiga|Atenas]]. O poema foi então posteriormente dividido em 24 cantos, divisão que persiste até hoje. Onde cada canto corresponde a uma letra do alfabeto grego - divisão atribuída aos estudiosos da [[biblioteca de Alexandria]].
[[Imagem:Peter Paul Rubens - Achilles slays Hector.jpg|thumb|upright=1.0|''Aquiles fere Heitor''<br><small>[[Peter Paul Rubens]], 1630-1635</small>]]
 
No décimo ano do cerco a [[Troia]], há um desentendimento entre as forças dos [[aqueus]], comandadas por [[Agamenão]]. Ao dividirem os espólios de uma conquista, o comandante aqueu fica, entre outros prêmios, com uma moça chamada Criseida, enquanto que a [[Aquiles]] cabe outra bela jovem, [[Briseis]] (Briseida). Criseida era filha de Crises, [[sacerdote]] do deus [[Apolo]], e este pede a Agamenão que lhe restitua a filha em troca de um resgate. O chefe aqueu recusa a troca, e o pai ofendido pede ajuda a seu deus. [[Apolo]] passa então a castigar os aqueus com a peste. Quando forçado a devolver [[Criseida]] ao pai para aplacar o castigo divino, Agamenão toma a Aquiles sua Briseis, como forma de compensação e afronta Aquiles. Este, ofendido, se retira da guerra junto com seus valentes [[Mirmidão|mirmidões]]. Aquiles pede então a sua divina mãe que interceda junto a Zeus, rogando-lhe para que favoreça aos troianos, como castigo pela ofensa de Agamenão. Tétis consegue a promessa de Zeus de que ajudará aos troianos, a despeito da preferência de sua esposa, Hera, pelo lado aqueu.
 
Então [[Zeus]] manda a Agamenão, através de [[Oniros]], um sonho incitando-o a atacar Troia sem as forças de Aquiles. Agamenão resolve testar a disposição de seu exército. A tentativa por pouco não termina em revolta generalizada, incitada pelo insolente Tersites. A rebelião só é evitada graças à decisiva intervenção de Odisseu, que fustiga Tersites e lembra a profecia de Calcas de que ''Ílion'' cairia no décimo ano do cerco.
109 624

edições