Meia-vida: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  29 de abril de 2018
Correção de erros ortográficos.
(Adequação ao livro de estilo da Wikipédia)
(Correção de erros ortográficos.)
A '''meia-vida''' é a quantidade de tempo característica de um [[decaimento exponencial]]. Se a quantidade que decai possui um valor no início do processo, na meia-vida a quantidade terá metade deste valor.
 
Nos processos [[radioatividade|radioativos,]] '''meia-vida''' ou '''período de semi desintegraçãosemidesintegração''' de um [[radioisótopo]] é o tempo necessário para [[Radioatividade|desintegrar]] a metade da massa deste isótopo, que pode ocorrer em segundos ou em bilhões de anos, dependendo do grau de instabilidade do radioisótopo. Ou seja, se tivermos 100 [[kg]] de um material, cuja meia-vida é de 100 anos; depois desses 100 anos, teremos 50 kg deste material. Mais 100 anos e teremos 25 kg, mais 100 anos e teremos 12,5 kg, mais 100 anos 6,25 kg, mais 100 anos 3,125 kg, mais 100 anos 1,5625 kg, mais 100 anos 0,78125 kg e assim sucessivamente.
 
No caso do [[carbono-14]] a meia-vida é de 5.730 anos, ou seja, este é o tempo necessário para uma determinada massa deste isótopo instável decair para a metade da sua massa, transformando-se em [[nitrogênio]]-14 pela emissão de uma [[partícula beta]].
Não confundir com [[vida-média]] de um radioisótopo, que é o tempo médio que um átomo de um radioisótopo leva para decair ou desintegrar.
 
Meia -vida radiológica diz respeito ao tempo de desintegração de um núcleo atômico instável até sua atividade radiológica atingir a metade, não diz respeito a sua massa, que a exceção das [[Emissão alfa|desintegrações do tipo alfa]] emissoras e a [[fissão nuclear]] que perdem [[massa]], as demais transições não alteram significativamente a sua massa.
 
== Ver também ==