Diferenças entre edições de "Mesopotâmia (província romana)"

20 bytes removidos ,  08h30min de 30 de abril de 2018
sem resumo de edição
|capital =[[Nísibis]]
|image_map = Provinciaromana-Mesopotamia-pt.svg
|image_map_caption = Mesopotâmia em 117 d.C.
|life_span = {{dtlink|||116}}–{{dtlink|||118}}
|year_start = 116
 
==A província de Trajano==
Em 113, o imperador Trajano {{nwrap|r.|98|117}} lançou uma guerra contra o inimigo oriental de Roma, o [[Império Parta]]. Em 114 conquistou a [[Reino da Armênia (Antiguidade)|Reino da Armênia]], que foi transformada por um breve período na [[província da Armênia]]. No final de 115 tinha conquistado o norte da Mesopotâmia, que também foi anexada como uma província no início de 116, tendo então sido [[Cunhagem|cunhadas]] [[Moeda (peça)|moedas]] para comemorar o evento.{{HarvRefsfn|Bennett|1997|p=196, 198–199}}
 
Mais tarde, ainda em 116, Trajano marchou para o centro e sul da Mesopotâmia, expandindo e completando a província), e para lá do [[rio Tigre]] até [[Adiabena]], que ele anexou a outra província romana, a [[Assíria (província romana)|Assíria]]. Mas não se ficou por aí. Nos últimos meses de 116, conquistou a grande cidade de [[Susa]] e depôs {{nowrap|{{ilc||Osróes I|Osroes I}}}} da Pártia, substituindo-o por um governante fantoche, [[Partamaspates]] no trono parta. Nunca o Império Romano tinha avançado ou voltaria a avançar tão longe a oriente.{{HarvRefsfn|Bennett|1997|p=201}}
 
Porém, logo após a morte de Trajano, o seu sucessor [[Adriano]] {{nwrap|r.|117|138}} abandonou os territórios conquistados a leste do [[rio Eufrates]], que se tornaria novamente a fronteira oriental do Império Romano.{{HarvRefsfn|Bennett|1997|p=206–207}}{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=72}}
 
==A província de Septímio Severo==
{{Âncora|Dux mesopotamiae|Dux Mesopotamiae|Duque da Mesopotâmia}}
O norte da Mesopotâmia, ou [[Mesopotâmia Superior]] ({{langx|ar|''Al Jazira''}}), incluindo [[Osroena]], voltou novamente ao controlo dos romanos durante a [[guerra romano-parta de 161-166|expedição]] de [[Lúcio Vero]], mas não foi organizado formalmente como província. Em vez disso, o governo da região foi entregue a governantes locais [[Vassalagem|vassalos]] dos romanos, embora fossem mantidas [[Guarnição (força militar)|guarnições]] militares romanas, nomeadamente em [[Nísibis]]. O domínio romano foi ameaçado em 195, durante a [[guerra civil]] entre Septímio Severo {{nwrap|r.|193|211}} e o usurpador [[Pescênio Níger]], quando rebeliões rebentaram na área e Nísibis foi [[cerca]]da. Severo restabeleceu rapidamente a ordem e organizou a Osroena como província.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=77–78}}{{HarvRefsfn|Southern|2001|p=33}}
{{clear}}
{{Info/Subdivisão extinta
|s2=
}}
Septímio iniciou depois uma guerra contra a Pártia, que conclui com vitoriosamente com o [[Batalha de Ctesifonte (198)|saque]] de [[Ctesifonte]], a capital parta. Como Trajano, Severo restabeleceu a província da Mesopotâmia em 198, com Nísibis, elevada ao estatuto de [[Colónia romana|colónia]], como capital.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=78–79}}{{HarvRefsfn|Southern|2001|p=42}} Ao contrário da província de Trajano que incluía toda a Mesopotâmia entre os rios Tigre e Eufrates, a nova província era limitada a sul por Osroena, Tigre e Eufrates a norte e rio Quaboras (atual [[Rio KhaburCabur|KhaburCabur]]) a leste.{{HarvRefsfn|name=Kaz1348|Kazhdan|1991|p=1348}} Durante o resto da sua existência, a província seria um pomo de discórdia entre Romanos e Persas, sofrendo muito nas recorrentes [[guerras romano-persas]].{{HarvRefsfn|name=Sout70|Southern|2001|p=70–71}}
 
No tumulto que se seguiu ao [[ano dos seis imperadores]], em 239–243, {{Lknb|Artaxes|I}} {{nwrap|r.|224|241}}, o fundador do novo [[Império Sassânida]] que substituiu os Partas, atacou e invadiu a área, que no entanto seria [[Batalha de Resena|retomada]] por {{ilc|Timasiteu||Timesitheus|Gaius Furius Sabinius Aquila Timesitheus}} antes da sua morte em 243.<ref name=Sout70 /> Na década de 250, os [[xá sassânida|xá]] {{Lknb|Sapor|I}} {{nwrap|r. ca.|240|270}} atacou a Mesopotâmia romana e combateu com o imperador romano [[Valeriano]] {{nwrap|r.|253|260}}, que [[batalha de Edessa|capturou]] em [[Edessa (Mesopotâmia)|Edessa]] em 260.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=100}} Contudo, no ano seguinte Sapor sofreu uma pesada derrota frente a [[Odenato]], o rei [[Árabes|árabe]] de [[Império de Palmira|Palmira]] e foi expulso da Mesopotâmia.{{Harvy|Momm|Mommsen et. all|2004|p=103–104}}
 
Com as reformas de [[Diocleciano]] {{nwrap|r.|284|305}} e [[Constantino]] {{nwrap|r.|306|337}}. a província passou a fazer parte da [[Diocese do Oriente]], que, por sua vez, estava subordinada à [[prefeitura pretoriana do Oriente]]. Nísibis e [[Singara]], juntamente com o território de Adiabena, conquistado por Diocleciano, foram perdidas depois do fiasco da [[Batalha de Ctesifonte (363)|expedição]] de [[Juliano, o Apóstata|Juliano]], e a capital foi movida para [[Amida (Mesopotâmia)|Amida]], enquanto que a sede do comandante militar, o [[duque (Roma Antiga)|duque]] da Mesopotâmia (''dux Mesopotamiae''), ficou em [[Constantina (Osroena)|Constantina]]. Outras cidades importantes da província eram, por exemplo, [[Martirópolis]] e [[Cefas (cidade)|Cefas]].<ref name=Kaz1348 />