Abrir menu principal

Alterações

5 bytes removidos, 03h48min de 6 de maio de 2018
sem resumo de edição
 
== Designação em português ==
Há duas variantes para o nome do livro usadas comumente: "Corão" e "Alcorão". Por vezes se afirma que, como o [[prefixo]] ''"al-"'' designa o [[artigo definido]] no [[Língua árabe|árabe]], o seu uso seria desnecessário. No entanto, nas muitas [[lista de palavras portuguesas de origem árabe|palavras portuguesas de origem árabe]] com ''"al-"'' na sua origem, como "[[almanaque]]" ou "[[açúcar]]", a partícula não foi suprimida, e ainda menos em nomes próprios como "[[Almada]]" ou "[[Algarve]]". [[José Pedro Machado]] nota que a palavra ''Alcorão'' surge em documentos portugueses do [[século {{séc|XIII]]}},<ref>[[José Pedro Machado|Machado, J. P.]]; ''[[Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa]], verbete "Alcorão"</ref> ao contrário da forma ''Corão'', recentemente importada. O [[Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa|Dicionário Houaiss]], que alude ao argumento da "desnecessidade" de "al-" por corresponder ao artigo árabe, confirma o surgimento de "Alcorão" no [[século {{séc|XIII]]}} e o seu uso constante nos séculos seguintes. O Houaiss afirma que "Corão" é importação francesa no final do [[século {{séc|XIX]]}}, desde logo criticada pelos puristas. O próprio termo francês terá surgido apenas no [[século {{séc|XVII]]}}. O site português [[Ciberdúvidas da Língua Portuguesa]] considera aceitável apenas a forma "Alcorão", invocando [[Rebelo Gonçalves]] e [[Rodrigo de Sá Nogueira]].<ref>[http://www.ciberduvidas.com/perguntas/get/279008 Ciberdúvidas da Língua Portuguesa &mdash; Alcorão].</ref> Já o site brasileiro ''Sua Língua'', editado pelo [[Cláudio Moreno|Prof. Cláudio Moreno]], não condena o vocábulo "Corão", mas defende a preferência por "Alcorão".<ref>[http://wp.clicrbs.com.br/sualingua/2009/05/08/alcorao-ou-corao/ Alcorao ou corao].</ref> A primeira versão escrita do livro foi encontrada no [[Iêmen]] e destruída pela [[Arábia Saudita]] durante um [[Intervenção militar no Iêmen em 2015|ataque ao país]] em 2015.<ref>[http://www.juancole.com/2015/07/actually-qurans-bombing.html Actually, Oldest Qur’ans are in Sanaa, Yemen & in Danger of Saudi Bombing]</ref>
 
== Estrutura do Alcorão ==
O Alcorão descreve as origens do Universo, o Homem e as suas relações entre si e o Criador. Define leis para a sociedade, moralidade, economia e muitos outros assuntos. Foi escrito com o intuito de ser recitado e memorizado. Os muçulmanos consideram o Alcorão sagrado e inviolável.
 
[[Ficheiroimagem:AndalusQuran.JPG|thumb|right|180px| Alcorão do [[Al-AndalusAlandalus]] (século {{séc|XII}})]]
Para os muçulmanos, o Alcorão é a palavra de Deus, sagrada e imutável, que fornece as respostas acerca das necessidades humanas diárias, tanto espirituais como materiais. Ele discute Deus e os seus nomes e atributos, crentes e suas virtudes, e o destino dos não-crentes (''[[kuffar]]''); até mesmo temas de ciência. Os muçulmanos não seguem apenas as leis do Alcorão, eles também seguem os exemplos do profeta, o que é conhecido como a [[Sunnah]], e a interpretação do Corão contida nos ensinamentos do profeta, conhecida como [[hadith]].
 
Aos muçulmanos é ensinado que Deus lhes enviou outros livros. Para além do Alcorão, os outros são o livro de Abraão (que se perdeu), a lei de [[Moisés]] (a ''[[Torá]]''), os Salmos de [[David]] (o ''Zabûr'') e o evangelho de [[Jesus]] (o ''Injil''). O Alcorão descreve cristãos e Judeus como "[[povos do Livro]]" (''ahl al Kitâb'').
 
Os ensinamentos do Islão englobam muitas das mesmas personagens do [[judaísmo]] e do [[cristianismo]]. Personagens bíblicas bem conhecidas como [[Adão e Eva|Adão]], [[Noé]], [[Abraão]], [[Moisés]], [[Jesus]], [[Maria (mãe de Jesus)|Maria]] (a mãe de Jesus) e [[João BaptistaBatista]] são mencionados no Alcorão como profetas do Islão. No entanto, os muçulmanos frequentemente se referem a eles por nomes em língua árabe, o que pode criar a ilusão de que se trata de pessoas diferentes (exemplos: [[Iblis]] para [[Diabo]], [[IbrahimIbraim (profeta)|Ibraim]] para [[Abraão]], etc).
 
A crença no dia do julgamento (ver: [[escatologia]]) e na vida após a morte (Akhirah) também fazem parte da teologia islâmica.