Diferenças entre edições de "Vila Aliança"

2 663 bytes adicionados ,  16h54min de 8 de maio de 2018
sem resumo de edição
(Sobre a extensão da Vila Aliança)
*Mangueiral ou Retiro das Mangueiras, tendo acesso pela Estrada do Taquaral.
*Bairro Araújo, tendo acesso pelo Rua Doutor Augusto Figueiredo e Estrada do Taquaral.
 
== Interversão Militar ==
[[Ficheiro:Forças Armadas fazem operação conjunta em comunidades do Rio (38631154840).jpg|miniaturadaimagem|185x185px|Operação realizada pela Gabinete de Interversão na comunidade de Vila Aliança.]]
A '''[[intervenção federal no Rio de Janeiro em 2018]]''' foi a decisão do [[Governo Federal do Brasil]] de [[Intervenção federal|intervir na autonomia]] do estado do [[Rio de Janeiro]]. Foi a primeira aplicação do art. 34 da [[Constituição Federal de 1988]]. O objetivo é amenizar a situação da segurança interna e a previsão de término, contida no decreto que ordenou a intervenção, é o dia 31 de dezembro de 2018, mas a operação poderá ser prorrogada. A decisão foi instituída por meio do Decreto n.º 9.288, de 16 de fevereiro de 2018, outorgado pelo Presidente da República, com publicação no [[Diário Oficial da União]] no mesmo dia.
 
O [[decreto]] de intervenção restringiu os efeitos à [[segurança pública]] do [[estado do Rio de Janeiro]] e foi assinado pelo Presidente da República, [[Michel Temer]], em 16 de fevereiro de 2018. A assinatura foi antecedida por reunião de emergência no [[Palácio da Alvorada]] com ministros, o presidente da Câmara dos Deputados, [[Rodrigo Maia]], o presidente do Senado Federal, [[Eunício Oliveira]], e o governador do Rio de Janeiro, [[Luiz Fernando Pezão]].
 
Foi nomeado como interventor o [[general de exército]] [[Walter Souza Braga Netto]], comandante do [[Comando Militar do Leste]], que tem seu quartel-general localizado na [[cidade do Rio de Janeiro]]. O general Braga Netto foi um dos responsáveis pela segurança nos [[Jogos Olímpicos de Verão de 2016]], sediado nessa mesma cidade. O general assumiu o comando da [[Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro|Polícia Militar do Rio de Janeiro]], da [[Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro|Polícia Civil]] e do [[Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro|Corpo de Bombeiros]], além de responder diretamente ao Presidente da República.
 
E com isso a comunidade de Vila Aliança foi escolhida entre uma das comunidades que serviriam como modelo para interversão.
 
As Forças Armadas realizaram algumas operações na [[Vila Aliança]]. A ação acontece sob a coordenação do Gabinete de Intervenção Federal.
 
Segundo o Comando Conjunto e a Secretaria de Segurança Pública, foram 900 militares que fazem o cerco, estabilização da área e a desobstrução de vias. Mandados de prisão poderão ser cumpridos pela Polícia Civil. A ação teve ainda apoio de blindados e helicópteros. Algumas ruas foram ser fechadas, e o espaço aéreo, controlado.
 
== Ruas e Localizações ==
Utilizador anónimo