Servo Astral: diferenças entre revisões

8 872 bytes adicionados ,  17h43min de 8 de maio de 2018
Adicionadas Categorias
m (Foram revertidas as edições de Gabriel_RoYaL por adição de informação suspeita sem fontes (usando Huggle) (3.3.3))
Etiquetas: Huggle Novo redirecionamento Reversão
(Adicionadas Categorias)
Etiqueta: Redirecionamento removido
Na magia, '''Servidor''' é uma entidade construída por um ou mais magistas com objetivo específico, e que pode ser usada por um ou mais magistas que desejem este objetivo. Muitas vezes, a criação de servidores é baseada em contratos escritos, mas existem métodos de criação que utilizam apenas a canalização das energias desejadas. Em termos de funcionalidade, de fato, os servidores se assemelham muito a outros tipos de entidades (como um [[deus]], [[espírito]], [[demônio]], [[santo]]), porém existem diferenças importantes, como o fato de serem criados, e não somente atraídos pelos magistas, e as limitações em sua atuação, por possuírem objetivo muito específico<ref>https://medium.com/@projetoxaoz/servidores-5fb6865d045a</ref>.
#REDIRECIONAMENTO [[Trabalhador]]
 
[[Imagem:Homunculus_Faust.jpg|thumb|Alquimista criando um homúnculo.]]
 
==Elementais Artificiais na Golden Dawn==
 
Na [[Golden Dawn]], cada um dos membros se aperfeiçoou em um conjunto de sistemas mágicos, e neste contexto, por volta de 1910, a magista Dion Fortune desenvolveu, com base em diversos sistemas mágicos antigos, dentre eles a Alquimia, seu método de criação de elementais artificiais. Os elementais surgiam como uma [[Forma-pensamento]], mediante forte intenção e propósito, sendo moldados pelas forças psíquicas do magista e realizando atividades pré-determinadas.
 
Estes seres construtos possuíam um caráter similar ao de várias classes de entidades, como as que foram descritas anteriormente, e as formas utilizadas para sua criação eram próximas às da Teosofia e às da Magia Tibetana. Fortune alegava, no caso, ter criado um elemental artificial na forma de um lobo ou [[lobisomem]], que dormia aos pés de sua cama<ref>Tracking the Tulpa: Exploring the Oriental Origins of a Contemporary Paranormal Idea — MIKLES, Natasha L. e LAYCOCK, Joseph P.</ref>.
 
[[Imagem:Music_of_Gounod_-_Annie_Besant_Thought_Form_-_Project_Gutenberg_eText_16269.jpg|thumb|Forma-pensamento.]]
 
==Servidores na Magia do Caos==
 
A partir da ideia de elementais artificiais, os círculos de [[Magia do Caos]] aperfeiçoaram as metodologias para criação de servidores que realizassem ações para o magista. Entre outras definições, a criação de servidores pode ser entendida como o ato de plasmar, no mundo externo, uma porção da psiquê do magista, na forma de uma entidade separada. Phil Hine comenta que "ao deliberadamente germinar porções de nossa psiquê e identificá-las por meio de um nome, traço, símbolo, nós podemos trabalhar com elas (e entender como elas nos afetam) a nível consciente"<ref>User’s Guide to Servitors — Phil Hine</ref>.
 
Sendo assim, a atuação dos servidores é, por um lado, similar à de um [[Sigilo (magia)]] (uma vez que há intuitos e objetivos específicos embasando sua criação), e por outro lado mais independente (pois os servidores podem se movimentar pelo astral para realizar estes serviços de forma mais direta, também se comunicando de forma mais direta com o magista). De forma geral, os servidores podem ser relacionados a um sigilo, ou a um objeto, que servirão como sua morada ou simples ponto de ancoramento, e possuem algumas características essenciais — na definição típica Caoísta:
 
• Criação Consciente: os servidores são criados conscientemente, de forma deliberada, por um magista, e não possuem previamente uma existência própria como um aspecto mental, natural ou espiritual.
 
• Especificidade: os servidores são criados com características e objetivos específicos, incluindo limitações, traços de personalidade, fontes específicas de alimentação e formas específicas de evocação/destruição. Para especificar tais aspectos, pode ser feito um contrato por escrito.
 
• Movimentação: diferente de sigilos, fetiches ou outros elementos mágicos inanimados e imóveis, geralmente se considera que os servidores podem fluir pelo astral, e podem realizar atividades em diferentes lugares, assim como seguir o magista, dependendo do objetivo para o qual foram criados.
 
• Hierarquia: crê-se que os servidores estão dentro de uma grande cadeia contínua de entidades que se manifestam no astral, que em uma visão física equivalem às faixas vibracionais e às diferentes frequências. Os servidores estariam em um grau vibracional abaixo do nosso nível mental, nessa cadeia, sendo subordinados à nossa vontade e dependentes da nossa energia.
 
• Desenvolvimento: existe também a ideia de que o servidor pode se desenvolver com o tempo e mudar de nível hierárquico. Por medo, culpa, ou por algum tipo de paranoia que transforme o servidor em um inimigo do magista (pedidos não cumpridos, ou extraviados, insatisfação do criador quanto à atuação do servidor), ele poderia ganhar uma energização excessiva e se alimentar do medo que ele percebe estar gerando no usuário de sua energia. Por outro lado, haveria a possibilidade do servidor ganhar reverência, ser recompensado, ser colocado acima de seus usuários como se fosse um deus, ou se tornar conhecido por muitas pessoas e por mais de uma geração humana, e então sua energização hiperbólica o transformaria em algo superior, independente.
 
[[Imagem:The_Pantheon_-_or,_fabulous_history_of_the_heathen_gods,_goddesses,_heroes,_%26c,_explained_in_a_manner_entirely_new;_with_an_appendix_by_William_Cooke_(1809)_(14777555454).jpg|thumb|Diversos Deuses Gregos.]]
 
Cabe ressaltar que servidores podem ser construídos com base em entidades já existentes, mas neste caso eles não serão aquela entidade propriamente dita, apenas compartilharão aspectos com a mesma<ref>https://www.adventuresinwoowoo.com/thefortyservants/</ref>. O mesmo se aplica a servidores criados a partir de personagens fictícios ou pessoas que existem ou existiram. O ato de um magista se conectar à energia destas entidades, personagens ou pessoas (e à sua [[egrégora]]) seria vetorialmente diferente da criação de um servidor relacionado a elas.
 
==Criação de Servidores==
 
A criação de servidores pode ser realizada por diversos métodos, incluindo adaptações de métodos milenares, ou métodos próprios. Vários fóruns de Magia do Caos descrevem métodos para a criação, incluindo modelos de contratos que permitem limitar a atuação do servidor para os objetivos específicos. Pode ser utilizado, por exemplo, um método análogo aos de [[Sigilação (Sigilo)]] (como os descritos por Carroll<ref>Carroll, Peter J. (2016). ''Liber Null e Psiconauta'', p. 176. São Paulo: Editora Penumbra. {{ISBN|9788569871019}}.</ref>), inclusive atrelando o servidor a um sigilo que tenha sido criado anteriormente.
 
Após a definição da forma que o servidor irá tomar, este deve ser mentalizado, preferencialmente com foco no sigilo ou no objeto físico (se houver) que irá ancorar a entidade. Outra técnica possível é imaginar o servidor andando ao lado do magista, até que esta imaginação se torne tão natural que ocorra automaticamente, sem necessidade de esforço mental — automaticamente, será entendido que o servidor está acompanhando o magista.
 
==Alimentação Energética==
 
A definição da fonte de energia que alimentará o servidor é importante, pois permite seu fortalecimento, e sua obtenção de recursos para realizar as atividades propostas pelo magista. Esta fonte pode ser definida no contrato (se houver), ou pode ser, de forma simples, a própria força de vontade, intenção, ou energia psíquica do magista que criou o servidor. Alternativamente, a fonte energética pode ser a visualização do sigilo por qualquer pessoa, o agradecimento público após a realização dos objetivos, o uso de velas e incensos, oferendas em geral, ou mesmo energia elétrica, no caso de cybermorfos.
 
==Visualização e Contato==
 
Como mencionado anteriormente, é interessante que a primeira visualização e o primeiro contato com o servidor se deem no momento da criação, para que sua forma seja moldada e seus objetivos fiquem bem definidos. Após este momento, o servidor pode ser enviado para sua morada, ou banido temporariamente, retornando quando for solicitado. Sendo assim, a visualização e o contato se darão por meditação, imaginação ativa, viagem astral, ou outro método à escolha do magista, sempre que o servidor for convocado para um diálogo, ou para realizar nova atividade.
 
==Destruição==
 
Quando um servidor não for mais desejado, pode ser banido permanentemente, ou destruído. Neste caso, o método de destruição também pode ser definido a priori no contrato, mas de forma geral a destruição da morada física ou sigilo, ou ainda a reabsorção pela psiquê do magista, bastariam para sua finalização.
 
== {{ver também}} ==
* Site dos 40 Servidores, por Tommie Kelly: [https://www.adventuresinwoowoo.com/thefortyservants/]
 
[[Categoria:Magia do caos]]
[[Categoria:Símbolos]]
34

edições