Isabel de Herédia: diferenças entre revisões

1 110 bytes adicionados ,  16h14min de 16 de maio de 2018
Neutralização.
(Remoção de ligação externa com informação falsa sobre a biografada.)
(Neutralização.)
|cidade_falecimento =
|nome_completo = Isabel Inês de Castro Curvello de Herédia de Bragança
|título = Duquesa de Bragança (consorte)
|período = 13 de maio de 1995 - presente
|ano = [[1910]]
|monarca = [[Manuel II de Portugal]]
|ligação = Sem parentesco directodireto
|casa = [[Casa de Bragança]]<br /><small>(Ramo [[Miguelista]])</small>
|pai = Jorge de Herédia
|mãe = Raquel Leonor Pinheiro Curvello
|successor =
}}
'''Isabel de Herédia''' [[Ordem Real de Santa Isabel|GMSI]] (Isabel Inês de Castro Curvello de Herédia de Bragança, [[Lisboa]], [[22 de novembro]] de [[1966]]) é a [[Cônjuge|esposa]] de [[Duarte Pio de Bragança]], que actualmenteatualmente reivindicase serarroga ocomo pretendente dopelo [[Miguelista|ramo Miguelista]] ao [[Linha de sucessão ao trono português|trono português]], e é uma das atuais pretendentes ao título consorte de [[Duque de Bragança|Duquesa de Bragança]]. Reivindica ainda o título de [[grã-mestre]] da [[Ordem Real de Santa Isabel|Ordem da Rainha Santa Isabel]], embora sem validade por falta de direito próprio.
 
== Família ==
== Casamento ==
{{Artigo principal|Casamento de Duarte Pio de Bragança e Isabel de Herédia}}
Em [[13 de maio]] de [[1995]], casou-se, no [[Mosteiro dos Jerónimos]], com [[Duarte Pio de Bragança]], pretendente ao título de [[duque de Bragança]], prescindindo da sua anterior actividade profissional para atender às suas novas exigências familiares e protocolares. A cerimónia foi presidida pelo [[cardeal-patriarca]] de [[Lisboa]] [[António Ribeiro|Dom António Ribeiro]], já falecido, e foi transmitida pela [[RTP1]].
 
Tendo-se valido do falecimento de D. [[Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança]], ocorrido dias antes (a [[6 de maio]] de [[1995]]), a cerimónia do casamento foi acompanhada de uma estratégia levada a cabo com vista à revitalização das pretensões da família do ramo [[Miguelista]], então excluída da sucessão dinástica em Portugal. Nessa data, foram distribuídas bandeiras e outros símbolos monárquicos junto do público que aguardava a chegada dos noivos ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Contudo, poucos meses depois, as expectativas dessa mesma estratégia ficaram defraudadas com o surgimento de descendentes de D. [[Maria Pia de Bragança]] e cuja existência ensombra, até aos dias de hoje, a nova tentativa dos [[Miguelista]]s serem aceites como pretendentes válidos na sucessão ao extinto trono de Portugal. Do mesmo modo, o ex-deputado do [[Partido Popular Monárquico]] (PPM), [[Nuno da Câmara Pereira]], denunciou os intentos fraudulentos da estratégia da família de Duarte Pio.
 
== Filhos ==