Abrir menu principal

Alterações

1 644 bytes adicionados ,  00h54min de 19 de maio de 2018
m
Processo em andamento de formatação e de adição de Referências.
{{Info/Biografia/Wikidata}}
{{Judaísmo}}
'''Moisés bn Maimon; o''' {{PBPE2|'''Maimônides'''|'''Maimónides'''}}Moxé Filho de Maimon Filho de Ovayd;<ref>E em [[Língua hebraica|Hebraico]] ({{transl2|he||משה בן מיימון||Moses Ben Maimon}}) e em [[Língua árabe|Árabe]] ({{transl2|ar||أبو عمران موسى بن ميمون بن عبيد الله القرطبي||Abū ʿImran Mūsā ibn Maymūn ibn ʿUbayd Allāh Al-Qurtubi}}) e em [[Língua grega|Grego]] {{transl2|gr||Μωυσής Μαϊμονίδης||Moysēs Maimonídēs}}.</ref> também conhecido pelo [[acrônimo]] '''Rambam''',<ref>{{transl2|he|הרמב"ם|oRabMoxéBenMaimôm}}</ref> foi um Talmid (Estudante) d-[[Talmud]], [[filósofo|questões mixnaicas]], [[jurista|questões alakicas]], [[Medicina|questões probabilísticas]] ([[Midrash Halacá|M. Al.]]), [[Astronomia|questões misticas pseudo-científicas]] ([[Midrash|M. Ag.]]).<ref>a Tradição (falada) da Compreensão (escrita) dos Pais acerca da Lei dada por [[Torá|YHWH]] para a [[Israel|Humanidade]] nesse [[Olam HaZeh|Mundo]].</ref> Maimonides foi a figura central intelectual pós [[judaísmo]] [[Idade Média|medieval]] e hoje é à 2ª autoridade no que diz respeito à [[Torá|Lei dada a Moisés no Sinai]]. Nascido em [[Córdova (Espanha)|CórdovaCórdoba]], no [[Império Almorávida|Império Almorávida—]](atual [[Espanha]]; antes sob o domínio do [[califado]] sobre o comando do califa [[Abderramão III|'Abd ar-Raḥmān III]] ([[912]]-[[61]]); [[Al-Andalus]], o [[Sefardita]]-Rambam recebeu sua influência na 30era de marçoouro do [[Literatura árabe|mundo intelectual árabe.]])—na véspera da [[Pessach|Páscoa]] de 1135 (outros; morreuaprox. 1136-1138, dão como data de seu nascimento), exerceu as funções de [[rabino]], [[médico]] e [[filósofo]] [[Marrocos|marroquino]] no [[CairoEgito]] 13onde morreu em 12 de dezembro de 1204 e seu corpo foi movido à [[Galileia|Galiléia]], sendo sepultado em [[Tiberíades]].<ref>[[Gedaliah ibn Yahya ben Joseph]], [http://www.hebrewbooks.org/6618 ''Shalshelet Ha-Kabbalah''] Jerusalem 1962, p. ק; but in PDF p. 109 (Hebrew)</ref> eComo tambémprincipal conhecidoLíder pelono rabinato moderno (da [[acrônimohistória judaica]]) '''Rambam'''sua profícua obra é [[Yesod]] [[Cabala|Cabalá]] ({{langpedra fundamental na tradição judaica). Sua [[Mishné Torá|heMixné Torá]] (Recapitulação da Lei) de quatorze volumes ainda carrega significativa autoridade ([[Cânone (desambiguação)|הרמב"ם}}canônica]]), foicomo umuma [[rabinoMagnum opus|Grande obra]] de [[Halacá|decodificação]] de [[Talmude|talmudistalei mixnaica-talmúdica]],. Ele é conhecido por alguns; como ''A Grande Águia'' (''ha-nesher ha-gadol'') em reconhecimento por seu excepcional expoente fidedigno no que diz respeito à [[filósofoTorá oral]] e leis judaicas em geral. Além de ser reverenciado pelos historiadores judeus, Maimônides é também uma figura muito proeminentemente na história das ciências islâmicas e arábica (Veja: [[juristaJudeus do Iêmen|Yudim al-Yaman]]), sendo mencionado extensivamente em estudos acadêmicos. Influenciado por [[médicoAl-Farabi]], [[astrônomoAvicena]] e aseus principalcontemporâneos figura[[Averróis]], intelectualdentre dooutros proeminentes filósofos e cientistas árabes e muçulmanos. Maimônides tornou-se um proeminente [[judaísmofilósofo]] e [[Idade Média|medievalpolímata]] tanto na tradição judaica quanto na islâmica.<ref>{{Citarcite periódicobook|titulotitle=MosesThe Cambridge Companion to Maimonides|editor=Joel {{!}}L. JewishKramer, philosopherKenneth Seeskin, scholarNorthwestern University, andIllinois. physicianPublicado por: Cambridge University Press. pp. 10-57.|date=Setembro de 2005|isbn=9780521525787|ultimo=|primeiro=|editora=|ano=|local=|páginas=|acessodata=|url=https://www.britannicacambridge.comorg/biographycore/Mosesbooks/cambridge-Maimonides|jornal=Encyclopedia Britannicacompanion-to-maimonides/moses-maimonides-an-intellectual-portrait/14646B6E8401BE21E15065D741A1BD76|lingua=en}} p. 47 note 1.</ref><ref>{{Citar webperiódico|titulo=Moses Maimonides {{!}} Jewish philosopher, scholar, and physician|url=httphttps://www.jewishencyclopediabritannica.com/articlesbiography/11124Moses-moses-ben-maimonMaimonides|titulojornal=MOSESEncyclopedia BEN MAIMON|data=|acessodata=2018-05-15|obra=Jewish Encyclopedia|publicado=www.jewishencyclopedia.com|ultimo=|primeiro=|outros=MAIMUNIBritannica|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|url=https://www.encyclopedia.com/people/philosophy-and-religion/judaism-biographies/rabbi-moses-ben-maimon-maimonides|titulo=Rabbi Moses Ben Maimon Maimonides facts, information, pictures {{!}} Encyclopedia.com articles about Rabbi Moses Ben Maimon Maimonides|acessodata=2018-05-15|obra=www.encyclopedia.com|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/11124-moses-ben-maimon|titulo=MOSES BEN MAIMON|data=|acessodata=2018-05-15|obra=Jewish Encyclopedia|publicado=www.jewishencyclopedia.com|ultimo=|primeiro=|outros=MAIMUNI|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar periódico|titulo=Rabbi Moses Ben Maimon|url=https://www.thefreedictionary.com/Rabbi+Moses+Ben+Maimon|jornal=TheFreeDictionary.com}}</ref><ref>{{Citar periódico|data=2017-01-13|titulo=Rabi Moshe Ben Maimon, o ”Maimônides”|url=http://portaljudaico.com.br/rabi-moshe-ben-maimon-o-maimonides/|jornal=Portal Judaico|lingua=pt-BR}}</ref> Nascido em [[Córdoba]], no [[Império Almorávida]] (atual Espanha) na véspera da Páscoa de 1135 ou 1138,<ref>Davidson,{{Citar ppweb|url=http://www. 6–9, 18judaismo-iberico.org/an02.htm|titulo=Conexão If- theQuem traditionalé birth date of 14 Nisan is not correct, then a date in 1136 or 1137 is also possibleMaimonides?|data=|acessodata=2018-05-18|obra=www.judaismo-iberico.org|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=pt-br}}</ref><ref>Joel{{Citar|texto=O E.artigo Kramer,daqui "Mosesem Maimonides:diante Ané Intellectualelaborado Portrait,"por p.Jewish 47Encyclopedia noteFull 1.Text In- {{citeagora bookem |title=Thedomínio Cambridge(.com) Companione topúblico, Maimonidestexto |editor=Kennetheste Seeskinelaborado |date=Septemberpor 2005sérios |isbn=9780521525787}}</ref>estudiosos eleacadêmicos, trabalhou como [[rabino]]logo, [[médico]]fundamentado epor [[filósofo]]Referências emaceitáveis [[Marrocos]] e no [[Egito]]academicamente. ElePara morreuaqueles noque Egitodesejam emse 12aprofundar demais dezembrono deassunto 1204.(ou Seupossuam corpoalguma foidúvida); levadoserá paradisponibilizado ano Baixafinal Galiléiado eartigo foitítulos sepultadodos emquais [[Tiberíades]].<ref>[[Gedaliahpodem ibnbuscar Yahyaa benveracidade Joseph]],das [http://www.hebrewbooks.org/6618palavras ''Shalsheletaqui Ha-Kabbalah''] Jerusalem 1962apresentadas, p.por ק;si but in PDF p. 109 (Hebrew)}}</ref>
 
==== Sua Vida ====
Durante sua vida, a maioria dos judeus reconheceu os escritos de Maimônides sobre a lei e ética judaica com aclamação e gratidão, mesmo em lugares tão distantes quanto o Iraque e o Iêmen. No entanto, quando Maimônides tornou-se um líder da comunidade judaica no Egito, seus escritos também atraíram críticos vorazes, sobretudo na Espanha. Não obstante, ele foi postumamente reconhecido como um dos principais filósofos rabínicos da história judaica, e sua profícua obra é uma pedra fundamental da tradição judaica. Sua [[Mishné Torá]] de quatorze volumes ainda carrega significativa autoridade canônica como uma codificação da [[Talmude|lei talmúdica]]. Ele é também conhecido como ''ha Nesher ha Gadol'' (a grande águia) em reconhecimento de seu status excepcional como um expoente fidedigno da [[Torá oral]].
{{Quote|texto=A história do "segundo Moisés", como Maimônides veio a ser chamada, é revestida de fábula. De acordo com alguns de seus biógrafos, ele evidenciou na infância uma acentuada falta de inclinação ao estudo. Isso, no entanto, é altamente improvável, pois as obras produzidas por ele em sua juventude mostram que seu autor não havia passado sua juventude na ociosidade. (Jewish Encyclopedia - Texto na Integra.(1906))}}
Rambam;<ref>{{Citar web|url=http://www.sacred-texts.com/jud/gfp/gfp004.htm|titulo=Guide for the Perplexed: The Life of Moses Maimonides|data=1904|acessodata=2018-05-15|obra=www.sacred-texts.com|publicado=|ultimo=|primeiro=Sagrado.|autor=Moses Maimonides bn Mammon|outros=Keneset á-midrax We R. Natã_"Um dia, quando o rabino Nathan estava expondo o Talmud e não pôde dar uma explicação satisfatória da passagem em discussão, o rabino Moisés, filho de Maimon... nasceu em Córdoba, no dia 14 de nisã, 4895 (30 de março de 1135).}}</ref> recebeu sua instrução rabínica nas mãos de seu pai, Maimon, ele mesmo um erudito de alto mérito, foi colocado em tenra idade sob a orientação dos mais distintos eruditos árabes, estes o iniciaram em todos os ramos da Sabedoria daquele tempo. Moisés tinha apenas treze anos quando Córdoba caiu nas mãos dos fanáticos [[Califado Almóada|Almóada]], Maimon e todos os seus correligionários foram obrigados a escolher entre o [[Islão]] e o [[Exílio]].<ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/10299-maimon-maimun-ben-joseph|titulo=MAIMON (MAIMUN) BEN JOSEPH|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref> Maimon e sua família escolheram o último curso, e por doze anos levaram uma vida nômade, vagando de um lado para o outro na [[Al-Andalus|Espanha]] e possivelmente ao pé da [[Cordilheira do Atlas|cordilheira Atlas]] do outro lado do [[Mar Mediterrâneo|Mediterrâneo]].
 
Em 1160 elesos seMaimonides estabeleceram-se em [[Fez]], onde, eram desconhecidos das autoridades, eles esperavam assim se passar comopor muçulmanos. Essa vida dupla, no entanto, tornou-se cada vez mais perigosa. A reputação de Maimônides (Rambam da família Maimonides) estava em constante crescimento, e as autoridades começaram a indagar sobre a disposição religiosa desse jovem altamente qualificado. Ele foi até mesmo acusado porde umcometer informante doo crime de ter recaído do Islão, mas, pelapor intercessão de um amigo muçulmano, o poeta e teólogo Abu al-'Arab alMual-Mu'ishah, elese não fosse assim teria compartilhado odo mesmo destino de seu amigo Judá. ibn Shoshan, que pouco antes havia sido executado por uma acusação semelhante. Essas circunstâncias fizeram com que os membros da família de Maimônides deixassemdeixasse [[Fez]].
Além de ser reverenciado pelos historiadores judeus, Maimônides é também uma figura muito proeminentemente na história das ciências islâmicas e árabes, sendo mencionado extensivamente em estudos academicos. Influenciado por [[Al-Farabi]], [[Avicena]] e seus contemporâneos [[Averróis]], ele influenciou outros proeminentes filósofos e cientistas árabes e muçulmanos. Maimônides tornou-se um proeminente [[filósofo]] e [[polímata]] tanto na tradição judaica quanto na islâmica.
 
Em 1165 eles embarcaram e foram para [[Acre (Israel)|Acre]] depois [[Jerusalém]] e por fim de [[Fostate|Fostat]] ([[Cairo]]), onde se estabeleceram; durante os primeiros anos de sua residência no [[Egiptologia|Egito]] Maimônides experimentou muitos infortúnios. Com a morte de Maimon, o irmão de Moisés, Davi, herdou a cabeça da família os sustentado-os trocando pedras preciosas[[Império Almorávida|—]]<nowiki/>quando David pereceu no mar, com ele não só a sua própria fortuna, mas, também grandes somas que lhe haviam sido confiadas por outros comerciantes. Todos esses eventos afetaram a saúde de Maimônides e ele passou por um longo tempo enfermo[[Império Almorávida|—]]Compelido agora a trabalhar Maimonides considerando ser um pecado ganhar a vida com assuntos religiosos, adotou a profissão de médico. Depois de vários anos na prática médica, a sua autoridade no assunto e que foi firmemente estabelecida o que o levou a ser nomeado médico particular do vizir al-Ḳaḍi al-Faḍil al-Baisami de [[Saladino]], que o recomendou à família real e estes lhe concederam muitas distinções. Segundo o historiador árabe Al-Ḳiṭti, Maimônides recusou uma posição semelhante oferecida a ele ''pelo rei dos francos em [[Ascalão|Ascalon]]'' ([[Ricardo I de Inglaterra|Richard I. da Inglaterra]]).
==== Sua Vida ====
Rambam; recebeu sua instrução rabínica nas mãos de seu pai, Maimon, ele mesmo um erudito de alto mérito, e foi colocado em tenra idade sob a orientação dos mais distintos senhores árabes, que o iniciaram em todos os ramos da aprendizagem daquele tempo. Moisés tinha apenas treze anos quando Córdoba caiu nas mãos dos fanáticos [[Califado Almóada|Almohades]], e Maimon e todos os seus correligionários foram obrigados a escolher entre o [[Islão]] e o [[Exílio]]. Maimon e sua família escolheram o último curso, e por doze anos levaram uma vida nômade, vagando de um lado para o outro na [[Al-Andalus|Espanha]].
 
Seja quem for seus professores, é evidente que ele estava bem preparado para sua futura missão. Aos vinte e três anos, ele iniciou sua carreira literária com um tratado sobre o [[calendário judaico]]. Não se sabe onde este trabalho foi composto, seja na [[Al-Andalus|Espanha]] ou na [[Cordilheira do Atlas|África]]. ''O autor apenas afirma que ele escreveu a pedido de um amigo, a quem, no entanto, deixa sem nome.'' O assunto foi geralmente considerado muito obscuro, e envolvido num profundo conhecimento da matemática. Maimonides deve, portanto, mesmo neste período inicial, ter sido considerado como um profundo estudioso por aqueles que o conheciam. O tratado é de caráter elementar. - Foielementar—Foi provavelmente na mesmanesta época que ele escreveu, em árabe, uma explicação dos termos lógicos, ''Millot higgayon'' que ''[[:en:Moses_ibn_Tibbon|Moisés Ibn Tibbon]]'' traduziu posteriormente para o [[Língua hebraica|hebraico]]''.''<ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/11141-moses-ibn-tibbon|titulo=IBN TIBBON - JewishEncyclopedia.com|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar periódico|titulo=Millot ha-Higgayon {{!}} work by Maimonides|url=https://www.britannica.com/topic/Millot-ha-Higgayon|jornal=Encyclopedia Britannica|lingua=en}}</ref>
Em 1160 eles se estabeleceram em [[Fez]], onde, desconhecidos das autoridades, eles esperavam passar como muçulmanos. Essa vida dupla, no entanto, tornou-se cada vez mais perigosa. A reputação de Maimônides estava em constante crescimento, e as autoridades começaram a indagar sobre a disposição religiosa desse jovem altamente qualificado. Ele foi até acusado por um informante do crime de ter recaído do Islão, mas pela intercessão de um amigo muçulmano, o poeta e teólogo Abu al-'Arab alMu'ishah, ele teria compartilhado o destino de seu amigo Judá. ibn Shoshan, que pouco antes havia sido executado por uma acusação semelhante. Essas circunstâncias fizeram com que os membros da família de Maimônides deixassem Fez.
 
Em outra carta, endereçada a Samuel ibn Tibbon, ele descreve seus árduos deveres profissionais, que o ocupam o dia todo e, muitas vezes, uma grande parte da noite. Não obstante, o gênio poderoso e a incansável indústria; indústria incansável permitiu a ''Maimônides'', em meio a inúmeras ocupações, produzir obras monumentais, responder a centenas de perguntas sobre vários assuntos que lhe foram dirigidas de várias partes do mundo e ainda administrar os assuntos da comunidade do Cairo, logo após sua chegada, ele assumiu um papel de liderança, aparentemente se tornando seu chefe oficial reconhecido em 1177.<ref>{{Citar periódico|data=2016-09-19|titulo=Samuel ibn Tibbon|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Samuel_ibn_Tibbon&oldid=740132960|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/8026-ibn-tibbon|titulo=IBN TIBBON - JewishEncyclopedia.com|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref>
Em 1165 eles embarcaram, foram para [[Acre (Israel)|Acre]], para [[Jerusalém]] e depois para [[Fostate|Fostat]] ([[Cairo]]), onde se estabeleceram. Durante os primeiros anos de sua residência no [[Egiptologia|Egito]], Maimônides experimentou muitos infortúnios. Após a morte de Maimon,<ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/10299-maimon-maimun-ben-joseph|titulo=MAIMON (MAIMUN) BEN JOSEPH|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref> o irmão de Moisés, Davi, apoiou a família trocando pedras preciosas. David pereceu no mar, e com ele foi perdido não só a sua própria fortuna, mas grandes somas que lhe haviam sido confiadas por outros comerciantes.
 
<small><nowiki/></small><small><nowiki/></small>Os últimos anos da vida de Maimônides foram marcados pelo aumento de doenças físicas; ele morreu em seu septuagésimo ano, lamentado por muitas congregações em várias partes do mundo. Em [[1177]], Maimônides era reconhecidoum comoreconhecido líder e, entre suas ocupações, somavam-se a de juiz e a de Administradoradministrador. <small>'''R'''ab'''M'''sha'''B'''n'''M'''aimôm</small>Rambam tornou-se médico e conselheiro do [[vizir]] [[al-Fadil]], a quem [[Saladino]] deixou o cargo quando conquistou o [[Egito]], tendoTendo sua reputação ganho reconhecimento internacional. em Comunidades judaicas de várias partes do mundo lheque lhes escreviam em busca de sua opinião acerca da lei judaica. Maimônides escreveu ''dez trabalhos de medicina em árabe e vários trabalhos de teor religioso, onde reflete sua visão filosófica sobre o judaísmo. C''odificador Codificador dos treze princípios fundamentais do judaísmo. Morreu em 1204; no [[Cairo]] e foi enterrado em [[Tiberíades]], em [[Israel]].<ref name="WDL1">{{citar web|url=http://www.wdl.org/pt/item/3963/|título=O Guia para os Perplexos|data=1200-1400|acessodata=15 de maio de 2018|obra=Livraria do Congresso|publicado=World Digital Library|ultimo=Mamônides|primeiro=Moisés|outros=ArabYudimYemenita|lingua=ar|titulo-translit=דלאלה אל חאירין}}</ref> Reconhecimento póstumo:
Esses eventos afetaram a saúde de Maimônides e ele passou por uma longa doença. Compelido agora a trabalhar para ganhar a vida e considerando-o um pecado para ganhar a vida com a religião, ele adotou a profissão médica.
 
Depois de vários anos de prática, a autoridade de Maimônides em assuntos médicos foi firmemente estabelecida e ele foi nomeado médico particular do vizir al-Ḳaḍi al-Faḍil al-Baisami de [[Saladino]], que o recomendou à família real e concedeu-lhe muitas distinções.<ref>{{Citar web|url=http://www.sacred-texts.com/jud/gfp/gfp004.htm|titulo=Guide for the Perplexed: The Life of Moses Maimonides|data=1904|acessodata=2018-05-15|obra=www.sacred-texts.com|primeiro=Sagrado.|autor=Moses Maimonides bn Mammon|outros=Keneset á-midrax We R. Natã_"Um dia, quando o rabino Nathan estava expondo o Talmud e não pôde dar uma explicação satisfatória da passagem em discussão, o rabino Moisés, filho de Maimon, nasceu em Córdoba, no dia 14 de nisã, 4895 (30 de março de 1135).}}</ref> Segundo o historiador árabe Al-Ḳiṭti, Maimônides recusou uma posição semelhante oferecida a ele ''pelo rei dos francos em [[Ascalão|Ascalon]]'' ([[Ricardo I de Inglaterra|Richard I. da Inglaterra]]).
 
==== Ética médica ====
O método adotado por Maimonides em suana prática profissional era de começar com um tratamento simples, procurando curarcuras compor umameio dietade dietas prescritaprescritas antes de administrar drogas. Falando de sua carreira médica em uma carta dirigida a seu aluno Joseph ibn 'Ainin, Maimônides diz: <blockquote>''Você sabe o quão difícil é essa profissão para alguém que é consciencioso e exato, que declara apenas aquilo que ele pode apoiar por; argumentação ou autoridade.'' </blockquote>
==== Sua morte ====
 
Os últimos anos da vida de Maimônides foram marcados pelo aumento de doenças físicas; ele morreu em seu septuagésimo ano, fato esse lamentado por muitas congregações em várias partes do mundo. Reconhecimento póstumo:
Falando de sua carreira médica em uma carta dirigida a seu aluno Joseph ibn 'Ainin, Maimônides diz: <blockquote>''Você sabe o quão difícil é essa profissão para alguém que é consciencioso e exato, e que declara apenas aquilo que ele pode apoiar por argumentação ou autoridade.'' </blockquote>Em outra carta, endereçada a Samuel ibn Tibbon,<ref>{{Citar periódico|data=2016-09-19|titulo=Samuel ibn Tibbon|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Samuel_ibn_Tibbon&oldid=740132960|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/8026-ibn-tibbon|titulo=IBN TIBBON - JewishEncyclopedia.com|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref> ele descreve seus árduos deveres profissionais, que o ocupam o dia todo e, muitas vezes, uma grande parte da noite. Não obstante, o gênio poderoso e a incansável indústria; indústria incansável permitiu-lhe ''de Maimônides'', em meio a suas numerosas ocupações, produzir obras monumentais, responder a centenas de perguntas sobre vários assuntos que lhe são dirigidos de várias partes do mundo e administrar os assuntos da comunidade do Cairo que,<ref group="n:">Não é mencionado em nenhum de seus escritos que eram seus professores; seu pai, ao que parece, era seu principal guia e instrutor em muitos ramos do conhecimento. David Conforte, em seu trabalho histórico, Ḳore ha-dorot, afirma que Maimônides foi aluno de dois eminentes homens, a saber, o rabino Joseph Ibn Migash e Ibn Roshd (Averroes); que pelo primeiro foi instruído no Talmude, e pelo segundo na filosofia. Essa afirmação parece errônea, já que Maimônides era apenas uma criança na época em que o rabino Joseph morreu, e já avançou muito nos anos em que se familiarizou com os escritos de Ibn Roshd. A origem desse erro, no que diz respeito ao rabino Joseph, pode ser facilmente rastreada. Maimonides, em seu Mishneh Tora , emprega, em referência a R. Isaac Alfasi e R. Joseph, a expressão "meus professores" ( rabbotai ), e essa expressão, pela qual ele meramente descreve sua dívida com seus escritos, foi tomada em sua significado literal.</ref> logo após sua chegada, ele assumiu um papel de liderança, aparentemente se tornando seu chefe oficial reconhecido em 1177.
 
Quem quer que seus professores tenham sido, é evidente que ele estava bem preparado para sua futura missão. Aos vinte e três anos, ele iniciou sua carreira literária com um tratado sobre o [[calendário judaico]]. Não se sabe onde este trabalho foi composto, seja na [[Al-Andalus|Espanha]] ou na [[Cordilheira do Atlas|África]]. ''O autor apenas afirma que ele escreveu a pedido de um amigo, a quem, no entanto, deixa sem nome.'' O assunto foi geralmente considerado muito obscuro, e envolver um profundo conhecimento da matemática.
 
Maimonides deve, portanto, mesmo neste período inicial, ter sido considerado como um profundo estudioso por aqueles que o conheciam. O tratado é de caráter elementar. - Foi provavelmente na mesma época que ele escreveu, em árabe, uma explicação dos termos lógicos, ''Millot higgayon'' que ''[[:en:Moses_ibn_Tibbon|Moisés Ibn Tibbon]]'' traduziu para o [[Língua hebraica|hebraico]]''.''<ref>{{Citar web|url=http://www.jewishencyclopedia.com/articles/11141-moses-ibn-tibbon|titulo=IBN TIBBON - JewishEncyclopedia.com|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.jewishencyclopedia.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar periódico|titulo=Millot ha-Higgayon {{!}} work by Maimonides|url=https://www.britannica.com/topic/Millot-ha-Higgayon|jornal=Encyclopedia Britannica|lingua=en}}</ref>
 
==== Sua morte ====
<small><nowiki/></small><small><nowiki/></small>Os últimos anos da vida de Maimônides foram marcados pelo aumento de doenças físicas; ele morreu em seu septuagésimo ano, lamentado por muitas congregações em várias partes do mundo. Em [[1177]], Maimônides era reconhecido como líder e, entre suas ocupações, somavam-se a de juiz e a de Administrador. <small>'''R'''ab'''M'''sha'''B'''n'''M'''aimôm</small> tornou-se médico e conselheiro do [[vizir]] [[al-Fadil]], a quem [[Saladino]] deixou o cargo quando conquistou o [[Egito]], tendo sua reputação ganho reconhecimento internacional. Comunidades judaicas de várias partes do mundo lhe escreviam em busca de sua opinião acerca da lei judaica. Maimônides escreveu ''dez trabalhos de medicina em árabe e vários trabalhos de teor religioso, onde reflete sua visão filosófica sobre o judaísmo. C''odificador dos treze princípios fundamentais do judaísmo. Morreu em 1204; no [[Cairo]] e foi enterrado em [[Tiberíades]], em [[Israel]].<ref name="WDL1">{{citar web|url=http://www.wdl.org/pt/item/3963/|título=O Guia para os Perplexos|data=1200-1400|acessodata=15 de maio de 2018|obra=Livraria do Congresso|publicado=World Digital Library|ultimo=Mamônides|primeiro=Moisés|outros=ArabYudimYemenita|lingua=ar|titulo-translit=דלאלה אל חאירין}}</ref> Reconhecimento póstumo:
 
* Em [[Fostate|Fostat]], judeus e maometanos observaram o luto público por três dias.
* Em Jerusalém, um jejum geral foi designado; uma porção da TokaḥahTokaḥá (= reprovação.) foi lida, e a história da captura da [[Arca da Aliança]] pelos [[filisteus]]. Seu corpo foi levado para [[Tiberíades]] e sua tumba tornou-se um local de peregrinação.
* Com a morte de Maimônides, o monte ''More'' tornou-se a ocasião para uma longa e amarga luta entre judeus conservadores e liberais na [[França]] e na [[Espanha]]. Tão amarga, de fato, era a disputa que; ferozes insultos eram rapidamente seguidos por anátemas e contra-anátemas, emitidos de ambos os lados.
* Finalmente, por volta de 1234, a disputa foi encaminhada às [[Autoridades cristãs|''autoridades cristãs'']], que ordenaram que as obras de Maimônides fossem queimadas. No entanto, apesar da árdua oposição dos ortodoxos, talvez por causa dessa oposição, o [[Guia dos Perplexos|''More'']] tornou-se o ''[[Guia dos Perplexos|guia]]'' dos judeus esclarecidos por muitas gerações, e seu estudo produziu filósofos como [[Baruch Espinoza|Spinoza]], [[Salomon Maimon|Solomon Maimon]] e [[Moisés Mendelssohn|Moses Mendelssohn]]. Tampouco sua fama estava confinada ao estreito pálido do judaísmo; já no [[século XIII]], partes dela foram traduzidas para o [[latim]], e muitos [[Escolástica|escolásticos]] cristãos, como [[Alberto Magno|Albertus Magnus]], [[João Duns Escoto|Duns Scotus]], [[Alexandre de Hales]], etc., extraíam-se desse inesgotável poço de aprendizado.<ref>{{Citar periódico|ultimo=Congresso|primeiro=Livraria|data=1200|outros=Manuscrito|titulo=O Guia para os Perplexos|url=https://www.wdl.org/pt/item/3963/|jornal=O Guia para os Perplexos|lingua=pt|acessodata=15 de maio de 2018}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.sacred-texts.com/jud/gfp/|titulo=Guide for the Perplexed Index|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.sacred-texts.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref>
 
== Controvérsia ==
Incluiu cada lado proclamandoproclamado [[Hérem|herem]] doo outro, a profanação do túmulo de Rambam, a queima de suas obras (no Ocidente). As principais questões: a autoridade do G`onim A criação de um código que não cita fontes_A adoção da [[Filosofia greco-romana|''filosofia grega'']] Racionalismo versus literalismo_o milagroso realmente aconteceu?
 
# A autoridade do [[Gueonim|G`onim]]
A mais duradoura das questões filosóficas.
# A criação de um código que não cita fontes
# A adoção da [[Filosofia greco-romana|''filosofia grega'']] (Racionalismo versus Literalismo)
# O milagroso realmente aconteceu? ([[Torá|A entrega da Torá por parte de YHWH'eloim à Moisés no monte Sinai]])
<blockquote>''As# palavrasE dea Sheshetmais b.duradoura Isaacdas dequestões Zaragozafilosóficas; (do'''A lado Maimoneano)ressurreição''':<ref>{{Citar periódico|data=2018-03-13|titulo=Isaac ben Sheshet|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Isaac_ben_Sheshet&oldid=830286175|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref> Eu peço a este tolo que sustenta que as almas retornarão aos cadáveres mortos e que elas estão destinadas a retornar ao solo de Israel. Em que corpo a alma retornará? Se é para o corpo do qual ele partiu, [então isto] já terá retornado a seus elementos milhares de anos antes; [agora é] terra, poeira e vermes. Onde foi enterrado, uma casa foi construída, um vinhedo foi plantado, ou algumas outras plantas criaram raízes e você não consegue encontrar a terra, o pó ou os vermes nos quais o corpo se transformou. Se, no entanto, esta alma quiser retornar a outro corpo, o qual Deus criará, então será outro homem que será criado em seu próprio tempo e não estará morto; como, então, você pode dizer que ele está sendo ressuscitado e que Deus o recompensa, pois ele ainda não conseguiu nada? Mas - seria errado concluir que o próprio Rambam negou o conceito de ressurreição, seria melhor perguntar o que ele provavelmente acreditava ser a sua forma.''<sub><small><ref group="n:">Bibliografia Maimonides, Moses (Autor), Abraham Halkin (Autor), David Hartman (Autor): Epistles of Maimonides: Crise e Liderança, 978-0827604308 Maimonides (autor), Lampel, Zvi: Introdução de Maimonides ao Talmud: Uma Tradução de Maimonides Introdução ao seu Comentário sobre a Mixna com texto hebraico original completo Maimonides, Moisés (autor), Julius Guttmann (Introdução), Daniel H. Frank (Introdução), Hayim Rabin (Tradutor): O Guia do Perplexos [abreviado], ISBN -13: 978-0872203242 Nuland, Sherwin: Maimônides, ISBN-13: 978-0805242003 Shapiro, Marc: Os Limites da Teologia Ortodoxa: Os Treze Princípios de Maimônides Reappraised, ISBN-13: 978-1874774907 Este é o texto principal para o 6 sessões na primavera (2008) Twersky, Isidore: A Maimonides Reader, ISBN-13: 978-0874412062 Este é o texto principal para esta classe, é $ 22,50 na Amazon.com. 1. 2. 3. 4. 5. a. b. Twersky, Isidore: Introdução ao Código de Maimônides, ISBN-13: 978-0300028461 Enciclopédia Judaica Artigos (todos os s.v.)</ref></sub></blockquote><small><nowiki/sub></small><small><nowiki/></small>
 
<blockquote>''As palavras de Sheshet b. Isaac de Zaragoza (do lado Maimoneano): Eu peço a este tolo que sustenta que as almas retornarão aos cadáveres mortos e que elas estão destinadas a retornar ao solo de Israel. Em que corpo a alma retornará? Se é para o corpo do qual ele partiu, [então isto] já terá retornado a seus elementos milhares de anos antes; [agora é] terra, poeira e vermes. Onde foi enterrado, uma casa foi construída, um vinhedo foi plantado, ou algumas outras plantas criaram raízes e você não consegue encontrar a terra, o pó ou os vermes nos quais o corpo se transformou. Se, no entanto, esta alma quiser retornar a outro corpo, o qual Deus criará, então será outro homem que será criado em seu próprio tempo e não estará morto; como, então, você pode dizer que ele está sendo ressuscitado e que Deus o recompensa, pois ele ainda não conseguiu nada? Mas—seria errado concluir que o próprio Rambam negou o conceito de ressurreição, seria melhor perguntar o que ele provavelmente acreditava ser a sua forma.''</blockquote><small><nowiki/></small><small><nowiki/></small>
=== A ressurreição: ===
<blockquote>''As palavras de Sheshet b. Isaac de Zaragoza (do lado Maimoneano):<ref>{{Citar periódico|data=2018-03-13|titulo=Isaac ben Sheshet|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Isaac_ben_Sheshet&oldid=830286175|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref> Eu peço a este tolo que sustenta que as almas retornarão aos cadáveres mortos e que elas estão destinadas a retornar ao solo de Israel. Em que corpo a alma retornará? Se é para o corpo do qual ele partiu, [então isto] já terá retornado a seus elementos milhares de anos antes; [agora é] terra, poeira e vermes. Onde foi enterrado, uma casa foi construída, um vinhedo foi plantado, ou algumas outras plantas criaram raízes e você não consegue encontrar a terra, o pó ou os vermes nos quais o corpo se transformou. Se, no entanto, esta alma quiser retornar a outro corpo, o qual Deus criará, então será outro homem que será criado em seu próprio tempo e não estará morto; como, então, você pode dizer que ele está sendo ressuscitado e que Deus o recompensa, pois ele ainda não conseguiu nada? Mas - seria errado concluir que o próprio Rambam negou o conceito de ressurreição, seria melhor perguntar o que ele provavelmente acreditava ser a sua forma.''<sub><ref group="n:">Bibliografia Maimonides, Moses (Autor), Abraham Halkin (Autor), David Hartman (Autor): Epistles of Maimonides: Crise e Liderança, 978-0827604308 Maimonides (autor), Lampel, Zvi: Introdução de Maimonides ao Talmud: Uma Tradução de Maimonides Introdução ao seu Comentário sobre a Mixna com texto hebraico original completo Maimonides, Moisés (autor), Julius Guttmann (Introdução), Daniel H. Frank (Introdução), Hayim Rabin (Tradutor): O Guia do Perplexos [abreviado], ISBN -13: 978-0872203242 Nuland, Sherwin: Maimônides, ISBN-13: 978-0805242003 Shapiro, Marc: Os Limites da Teologia Ortodoxa: Os Treze Princípios de Maimônides Reappraised, ISBN-13: 978-1874774907 Este é o texto principal para o 6 sessões na primavera (2008) Twersky, Isidore: A Maimonides Reader, ISBN-13: 978-0874412062 Este é o texto principal para esta classe, é $ 22,50 na Amazon.com. 1. 2. 3. 4. 5. a. b. Twersky, Isidore: Introdução ao Código de Maimônides, ISBN-13: 978-0300028461 Enciclopédia Judaica Artigos (todos os s.v.)</ref></sub></blockquote><small><nowiki/></small><small><nowiki/></small>
== Obra ==
 
=== Obras Filosóficas ===
Entre os anos 1158 e 1190 Maimonides produziu, além de vários escritos menores (veja a lista de obras abaixo):
Entre os anos 1158 e 1190 Maimonides produziu, além de vários escritos menores (veja a lista de obras abaixo), um comentário sobre a Mixná intitulado ''Kitab al-Siraj'', um livro sobre os preceitos, ''Kitab al-Fara'iḍ'' o código [[Mishné Torá|Mixné Torá]] (chamado pelos admiradores de Maimônides ''Yad ha-Ḥazaḳah'')<ref>{{Citar livro|url=http://archive.org/details/sefermishnehtora038800|título=Sefer Mishneh Torah : hu ha-yad ha-hazakah|ultimo=880-01 Maimonides|primeiro=Moses|data=1900|editora=Ṿilna : Bi-defus ṿe-hotsaʾat Rozenḳrants u-Shrifṭzeṭtser}}</ref> e o trabalho filosófico ''Dalalat al-'a'irin'' (''Moreh Nebukim'').<ref>{{Citar periódico|data=2018-04-18|titulo=The Guide for the Perplexed|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=The_Guide_for_the_Perplexed&oldid=837109262|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref> As três primeiras obras são a principal preocupação do artigo complementar seguinte, enquanto aqui é delineado o sistema filosófico exposto nas introduções à ''Mishnah de Pirḳe Abot'' e de ''Ḥeleḳ'', no primeiro livro do ''Yad ha-Ḥazaḳah'', intitulado ''Sefer ha-Madda'', e especialmente no ''Dalalat al-Ḥa'irin'', que se tornou de extraordinária importância, não só para o desenvolvimento racional do judaísmo, mas para a história da filosofia na Idade Média.
 
# Um ''comentário sobre a Mixná'' intitulado ''Kitab al-Siraj'',(''Pirush Hamishnayot'')<ref>{{Citar periódico|data=2018-05-14|titulo=Pirush Hamishnayot|url=https://it.wikipedia.org/w/index.php?title=Pirush_Hamishnayot&oldid=97082396|jornal=Wikipedia|lingua=it}}</ref>
O objeto do trabalho mencionado por último é explicado por Maimônides nos seguintes termos:<blockquote>''Eu compus este trabalho nem para as pessoas comuns, nem para os iniciantes, nem para aqueles que se ocupam apenas com a Lei como ela é transmitida sem se preocupar com os seus princípios. O design deste trabalho é um pouco para promover a verdadeira compreensão do verdadeiro espírito da Lei, para guiar aquelas pessoas religiosas que, aderindo à Torá, estudaram filosofia e estão constrangidas pelas contradições entre os ensinamentos da filosofia e o sentido literal da Torá.''</blockquote>
# Um livro sobre os preceitos, ''Kitab al-Fara'iḍ'' (''Sefer ha-Mitzvot'')<ref>{{Citar periódico|data=2018-02-09|titulo=Sefer Hamitzvot|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Sefer_Hamitzvot&oldid=824808148|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref>
# O código [[Mishné Torá|Mixné Torá]] (chamado pelos admiradores de Maimônides ''Yad ha-Ḥazaḳah'')<ref>{{Citar web|url=http://www.judaismo-iberico.org/mtp/prefacio/pref.htm|titulo=Prefácio ao Michnê Torá|acessodata=2018-05-18|obra=www.judaismo-iberico.org|lingua=pt-br}}</ref>
 
O trabalho filosófico ''Dalalat al-Ḥa'irin'' (''Moreh Nebukim''). As três primeiras obras são a principal preocupação do artigo complementar seguinte, enquanto aqui é delineado o sistema filosófico exposto nas introduções à ''Mishnah'' de ''Pirḳe Abot'' e de ''Ḥeleḳ'', no primeiro livro do ''Yad ha-Ḥazaḳah'', intitulado ''Sefer ha-Madda'' (Livro de pensamento e leis sobre reis e suas guerras) e especialmente no ''Dalalat al-Ḥa'irin'', que se tornou de extraordinária importância, não só para o desenvolvimento racional do judaísmo, mas para a história da filosofia na Idade Média. O objeto do trabalho mencionado por último é explicado por Maimônides nos seguintes termos:<ref>{{Citar periódico|data=2018-04-18|titulo=The Guide for the Perplexed|url=https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=The_Guide_for_the_Perplexed&oldid=837109262|jornal=Wikipedia|lingua=en}}</ref><ref>{{Citar web|url=http://www.sacred-texts.com/jud/gfp/|titulo=Guide for the Perplexed Index|data=|acessodata=2018-05-15|obra=www.sacred-texts.com|publicado=|ultimo=|primeiro=|lingua=en}}</ref> <blockquote>''Eu compus este trabalho nem para as pessoas comuns, nem para os iniciantes, nem para aqueles que se ocupam apenas com a Lei como ela é transmitida sem se preocupar com os seus princípios. O design deste trabalho é um pouco para promover a verdadeira compreensão do verdadeiro espírito da Lei, para guiar aquelas pessoas religiosas que, aderindo à Torá, estudaram filosofia e estão constrangidas pelas contradições entre os ensinamentos da filosofia e o sentido literal da Torá.''</blockquote>
 
=== Filosofia e Religião ===
De acordo com Maimônides, não há contradição entre as verdades que Deus revelou e as verdades que a mente humana, um poder derivado de Deus, descobriu. De fato, com poucas exceções, todos os princípios da metafísica (e estes são, para ele, os de [[Aristóteles]], conforme proposto pelos peripatéticos árabes [[Al-Farabi]] e [[Avicena|Ibn Sina]]) são incorporados na [[Tanakh|Bíblia]] e no [[Talmude|Talmud]].
 
EleRambam estáestava firmemente convencido de que, além da revelação escrita, os grandes profetas receberam revelações orais de um caráter filosófico, que foram transmitidos pela tradição à posteridade, mas que foram perdidos em conseqüência dos longos períodos de sofrimento e perseguição que os judeus experimentaram. O suposto conflito entre [[religião]] e [[filosofia]] originou-se em uma má interpretação dos [[Antropomorfismo|antropomorfismos]] e das leituras superficiais das Escrituras, que para ele são as interpretações internas ou alegóricas o que a prata é ao ouro.
De fato, com poucas exceções, todos os princípios da metafísica (e estes são, para ele, os de [[Aristóteles]], conforme proposto pelos peripatéticos árabes [[Al-Farabi]] e [[Avicena|Ibn Sina]]) são incorporados na Bíblia e no Talmude.
 
Os antecessores de Maimônides, [[Saadia Gaon|Saadia]], [[Bahya ibn Paquda|Baḥya]] e [[Yehudah Halevi|Judá ha-Levi]], no tratamento do antropomorfismo, contentaram-se com a afirmação de que qualquer termo sob consideração deve ser considerado uma metáfora. Maimonides, no entanto, estabeleceu a incorporeidade de Deus como um dogma, e colocou qualquer pessoa que negasse essa doutrina em um nível com um idólatra; Ele dedicou grande parte da primeira parte do ''Moreh Nebukim'' à interpretação dos antropomorfismos bíblicos, procurando definir o significado de cada um e identificá-lo com alguma expressão metafísica transcendental.
Ele está firmemente convencido de que, além da revelação escrita, os grandes profetas receberam revelações orais de um caráter filosófico, que foram transmitidos pela tradição à posteridade, mas que foram perdidos em conseqüência dos longos períodos de sofrimento e perseguição que os judeus experimentaram.
 
Maimonides, no entanto, estabeleceu a incorporeidade de Deus como dogma, e colocou qualquer pessoa que negasse essa doutrina em um nível de idólatra; Ele dedicou grande parte da primeira parte do ''Moreh Nebukim'' à interpretação dos antropomorfismos bíblicos, procurando definir o significado de cada um e identificá-lo com alguma expressão metafísica transcendental. Alguns deles são explicados por ele como [[Homónimo|homônimos]] perfeitos, denotando duas ou mais coisas absolutamente distintas; outros, como homônimos imperfeitos, empregados em alguns casos figurativamente e em outros, de forma homônima.
O suposto conflito entre religião e filosofia originou-se em uma má interpretação dos [[Antropomorfismo|antropomorfismos]] e nas [[Agadá|leituras superficiais das Escrituras]], quais são as interpretações internas ou alegóricas que a prata é ao ouro.
 
Os antecessores de Maimônides, [[Saadia Gaon|Saadia]], [[Bahya ibn Paquda|Baḥya]] e [[Yehudah Halevi|Judá ha-Levi]], no tratamento do antropomorfismo, contentaram-se com a afirmação de que qualquer termo sob consideração deve ser considerado uma metáfora. Maimonides, no entanto, estabeleceu a incorporeidade de Deus como um dogma, e colocou qualquer pessoa que negasse essa doutrina em um nível com um idólatra; Ele dedicou grande parte da primeira parte do ''Moreh Nebukim'' à interpretação dos antropomorfismos bíblicos, procurando definir o significado de cada um e identificá-lo com alguma expressão metafísica transcendental.
 
Alguns deles são explicados por ele como [[Homónimo|homônimos]] perfeitos, denotando duas ou mais coisas absolutamente distintas; outros, como homônimos imperfeitos, empregados em alguns casos figurativamente e em outros, de forma homônima.
 
=== Os Atributos Divinos ===
Dos antropomorfismos; Maimonides passa à questão muito discutida dos atributos divinos. Como no caso dos antropomorfismos, foi, segundo ele, a interpretação errônea de certas passagens bíblicas que levaram alguns a admitir atributos divinos. Contra essa admissão, Moisés argumenta:
 
# Que um atributo expressa alguma qualidade ou propriedade que não é inerente ao objeto descrito, neste caso, sendo um ''acidente'';
Maimonides divide todos os atributos positivos em cinco classes:
 
# Aquelesª_Aqueles que incluem todas as propriedades essenciais de um objeto. Esta classe de atributos não pode ser aplicada a Deus, porque, como todos os filósofos concordam, Deus não pode ser definido, na medida em que a definição só pode ser estabelecida dando gênero e diferenciação.
# Aquelesª_Aqueles que incluem apenas uma parte das propriedades essenciais. Nem esses atributos podem ser aplicados a Deus, que, sendo incorpóreo, não tem partes.
# Aquelesª_Aqueles que indicam uma qualidade. Estes também são inaplicáveis ​​a Deus, que, não tendo alma, não está sujeito à análise psíquica.
# Aquelesª_Aqueles que indicam a relação de um objeto para outro. A princípio, parece que esta classe de atributos pode ser empregada em referência a Deus, porque, não tendo nenhuma conexão com Sua essência, eles não implicam qualquer multiplicidade ou variedade nEle; mas, num exame mais detalhado, sua inadmissibilidade se torna evidente. ''Uma relação pode ser imaginada apenas entre duas coisas da mesma espécie, mas não entre duas coisas de espécies diferentes, embora possam pertencer à mesma classe.'' Por exemplo, entre sabedoria e doçura, mansidão e amargura, não pode haver relação, embora em sua significação geral estejam sob a cabeça da "qualidade". ''Como, então, poderia haver alguma relação entre Deus e Suas criaturas, considerando a grande diferença entre elas''? a criatura tendo apenas uma existência possível, enquanto Sua existência é absoluta.
# Aquelesª_Aqueles que se referem às ações do objeto descrito. Atributos desse tipo, na medida em que são distintos da essência da coisa e não implicam que elementos diferentes devam estar contidos na substância do agente, são mais apropriados à descrição do Criador. ''De fato, com exceção do Tetragrama, todos os nomes divinos são explicados por Maimonides como descritivos de suas ações''. Quanto à sua essência, a única maneira de descrevê-lo é negativamente. ''Por exemplo, Ele não é inexistente, nem eterno, nem impotente, etc.'' Essas asserções não envolvem quaisquer noções incorretas ou assumem qualquer deficiência, enquanto se atributos essenciais positivos são admitidos, pode-se supor que outras coisas coexistiram com Ele. da eternidade.
 
Maimonides completa seu estudo dos atributos demonstrando que o princípio filosófico de que Deus é o <span lang="la" dir="ltr">intellectus</span> (אלעקל), o ens <span lang="la" dir="ltr">intelligensens</span> (אלעקל אלפאעל) e o <span lang="la" dir="ltr">ens intelligibile</span> (אלמעקול) não implicam uma pluralidade em Sua essência, porque em matéria de intelecto, os ''agens'' (Que atuam na formação das noções), a ação e o objeto da ação são idênticos. De fato, seguindo a teoria de [[Alexandre de Afrodísias|Alexandre de Afrodisias]], Maimônides considera que o intelecto é uma mera disposição, recebendo noções por impulso externo, e que conseqüentemente as idéias são ao mesmo tempo sujeito, ação e objeto.
 
=== Motekallamin ===
A segunda parte do ''Moreh'' abre com a enumeração das vinte e seis proposições através das quais são provadas a existência, a unidade e a incorporeidade da Causa Primária. Para a existência da Causa Primária, há quatro provas:
 
# Nenhumaª_Nenhuma moção pode ocorrer sem que um agente a produza, e a série de causas que levam a um certo movimento é finita;
# Umaª_Uma vez que algumas coisas recebem euma comunicamtransmissão para o movimento, enquanto outras coisas são postas em movimento sem transmiti-lo, deve existir um ser que transmita movimento sem ser ele próprio colocado em movimento;
# Comoª_Como os seres existentes são parcialmente permanentes e parcialmente transitórios, deve haver um ser cuja existência seja permanente;
# Nadaª_Nada pode passar de um estado de potencialidade para o de realidade sem a intervenção de um agente; esse agente requer, para sua própria transição da potencialidade para a atualidade, a ajuda de outro agente e o segundo, de outro; e assim por diante, até que se chegue a um agente que é constante e não admite nenhuma potencialidade.
 
A unidade de Deus é provada pelos seguintes argumentos:
 
# Doisº_Dois deuses não podem ser assumidos, pois teriam necessariamente um elemento em comum em virtude do qual seriam deuses e outro elemento pelo qual seriam distinguidos um do outro; além disso, nenhum deles poderia ter uma existência independente, mas ambos teriam que ser criados.
# Todoº_Todo o mundo existente é ''um'' corpo orgânico, cujas partes são interdependentes. O mundo sublunar é dependente das forças provenientes das esferas, de modo que todo o universo é um [[macrocosmo]] e, portanto, o efeito deve ser devido a uma [[causa]]. A incorporeidade de Deus pode ser provada pelos argumentos precedentes e pelo princípio de que todo objeto corpóreo consiste em [[matéria]] e [[forma]], e que todo composto requer que um [[Agente (desambiguação)|agente]] efetue sua [[combinação]].
 
=== Princípios aristotélicos ===
 
=== A Negação ===
Além disso, o próprio Aristóteles estava bem ciente de que não havia provado sua tese. Os adeptos da doutrina da eternidade do universo baseiam-se nos seguintes sete argumentos, parcialmente fundados nas propriedades da natureza e parcialmente naqueles da Causa Primária:
 
Os adeptos da doutrina da eternidade do universo baseiam-se nos seguintes sete argumentos, parcialmente fundados nas propriedades da natureza e parcialmente naqueles da Causa Primária:
 
# Oº_O movimento é eterno, pois se tivesse um começo, deveria haver Foi movimento quando surgiu, porque a transição da não-existência para a existência—isto é, da potencialidade para a realidade— sempre implica em movimento.
# Aº_A primeira substância subjacente aos quatro elementos deve ser eterna. ''Tornar-se'' implica assumir a forma; mas primeira substância significa uma substância sem forma; portanto, nunca ''se tornou''.
# Comoº_Como as esferas são indestrutíveis porque não contêm elementos opostos, o que é evidenciado pelo seu movimento circular, elas devem ser sem um começo.
# Suponhaº_Suponha que o universo teve um começo; então, sua criação era possível, ou necessária, ou sua existência anterior era impossível; mas se fosse necessário, nunca poderia ter sido inexistente; se impossível, nunca poderia ter surgido; e se possível, então deve ter havido um assunto com atributos envolvendo a [[Probabilidade|possibilidade]].
# Aº_A suposição de que Deus produziu uma coisa em um determinado tempo fixo implicaria que Ele mudou da condição de um potencial criador para o de um criador real.
# Aº_A suposição de que o mundo foi criado significaria que a vontade de Deus havia sofrido uma mudança, ou que Ele deveria ser imperfeito, pois ou Deus não criaria o mundo anteriormente, ou, se Ele o fizesse, Ele não teria o poder.
# Sendoº_Sendo o universo o resultado da sabedoria de Deus, ele deve, como o último, ser eterno.
 
Contra esses argumentos, Maimônides argumenta que, embora as propriedades da natureza estejam, no presente, quando o universo está em existência real e plenamente desenvolvido, não se segue que as coisas as possuíam no momento em que foram produzidas; é ainda mais do que provável que essas próprias propriedades tenham surgido da absoluta inexistência.
 
=== Obs. acerca da profecia ===
Com a doutrina da profecia ''creatio ex nihilo'' tornatornando-se possível; mas, quais são os requisitos da profecia? Maimônides cita três opiniões diferentes sobre o assunto:
 
# Aª_A opinião daqueles que acreditam que qualquer homem, seja sábio ou estúpido, jovem ou velho, desde que ele seja até certo ponto moralmente bom, pode ser inspirado por Deus com o espírito de profecia. e encarregado de uma missão;
# Aª_A opinião dos filósofos que, considerando a profecia a mais alta expressão do desenvolvimento mental, afirmam que ela pode ser alcançada apenas pelo estudo;
# Suaª_Sua própria opinião, que ele considera ser a visão da Escritura. Ele concorda com os filósofos em considerar a faculdade profética como natural para o homem e de acordo com as leis da natureza; sustentando que qualquer homem cujas faculdades físicas, mentais e morais estejam em perfeitas condições pode se tornar um profeta; mas ele também afirma que, com todas essas qualificações, o homem pode ainda, por interferência divina e miraculosa, ser impedido de profetizar.
 
Os últimos capítulos da segunda parte do trabalho são dedicados à explicação das profecias e visões bíblicas, mostrando a parte que é tomada pela imaginação, que é, de acordo com Maimônides, um elemento essencial na profecia.
744

edições