Abrir menu principal

Alterações

547 bytes adicionados ,  07h04min de 25 de maio de 2018
sem resumo de edição
Ao longo deste paredão encontra-se, ainda no interior do parque, uma formação rochosa conhecida como ''[[Dedo de Deus]]''. Trata-se de um bloco rochoso de {{Fmtn|1692|[[Metro|m]]}} de altura com uma forma que lembra uma mão fechada, com o indicador erguido, a partir do qual, em dias claros, é possível avistar a cidade do Rio de Janeiro. Outros monumentos geológicos importantes pertencentes ao parque são o Garrafão, com {{Fmtn|1980|m}}, a Pedra da Cruz, com {{Fmtn|2130|m}}, São Pedro, com {{Fmtn|2234|m}}, São João, com {{Fmtn|2100|m}}, e Cara de Cão, com {{Fmtn|2180|m}}. O dedo de Deus é o símbolo do montanhismo brasileiro e também do Estado do Rio de Janeiro.{{carece de fontes|data=junho de 2017}}
 
==Hidrografia e clima==
Cortado por notável rede [[Hidrografia|hidrográfica]], representada pelos rios [[Rio Paquequer (Teresópolis)|Paquequer]], Beija-Flor, [[Rio Soberbo|Soberbo]], Iconha, Bananal, Santo Aleixo, Itamarati, Bonfim e Jacó, o solo do Parque deu origem à densa floresta, com diversos ambientes. Na vegetação secundária, predominam as palmeiras, e, em altitudes até {{Fmtn|500|m}}, há a ocorrência de [[palmito]], pindobinhas, xaxim e, particularmente, embaúba. A região da Serra dos Órgãos está inserida no domínio morfo-climático Tropical Atlântico. O clima do Parque é tropical superúmido (com 80 a 90% de umidade relativa do ar), com média anual varia de 13º a 23º C (atingindo valores de 38ºC a 5ºC negativos nas partes mais altas) e variação pluviométrica de 1.700 a 3.600mm, com concentração de chuvas no verão (dezembro a março) e período de seca no inverno (junho a agosto). O Clima, segunda Köppen, é do tipo Cwb - tropical de altitude, com uma curta estação seca.{{carece de fontes|data=junho de 2017}}
 
== Biodiversidade ==
Utilizador anónimo