Diferenças entre edições de "Zoroastrismo"

18 bytes adicionados ,  02h06min de 6 de junho de 2018
sem resumo de edição
(bot: revertidas edições de 2804:D45:417B:2600:38CE:76:8727:957F ( modificação suspeita : -33), para a edição 52259871 de BOT-vinnik)
Os Medos possuíam uma casta ou tribo sacerdotal, conhecida como os [[Magi]], que adoptaram a religião de Zaratustra, não sem introduzir alterações na mensagem original e incorporando antigas concepções religiosas. Os Magi seriam a classe sacerdotal dos três grandes impérios persas. Casavam dentro do seu grupo e expunham os corpos dos mortos às [[Ave de rapina|aves de rapina]], duas práticas que viriam a ser adoptadas pelos zoroastrianos. Os sacerdotes recuperam os antigos sacrifícios e o uso do ''haoma''. Os ''Amesha Spentas'', inicialmente abstractos no pensamento de Zaratustra, foram personalizados e antigas divindades passaram a ser adoradas. Entre essas divindades (''yazatas''), estavam o Sol, a Lua, [[Tishtrya]] (deus da chuva), [[Vayu]] (o vento), [[Anaíta]] (deusa das águas) e [[Mitra]].
 
Foram também erigidos grandes templos e [[altar de fogo|altares de fogo]] ao ar livre. {{lknb|Artaxerxes|II}} {{-nwrap||404|358}} chegou mesmo a ordenar a construção de templos em honra de Anaíta nas principais cidades do império. Durante este período, foi também criado o [[Calendários zoroastrianos|calendário zoroastriano]] e desenvolveu-se o conceito do ''[[Saoshyant]]'', segundo o qual um descendente de Zaratustra, nascido de uma virgem, viria para salvar o mundo.
 
=== A época arsácida e sassânida ===