Diferenças entre edições de "Alberto Seixas Santos"

8 bytes removidos ,  11h56min de 11 de junho de 2018
m
v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (en dash ou em dash)
m (v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (en dash ou em dash))
Frequentou o Curso de Ciências Histórico-Filosóficas na [[Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa|Faculdade de Letras]] da [[Universidade de Lisboa]]. A partir de 1958 trabalhou como crítico de cinema em diversas publicações. Em 1962 estudou em [[Paris]], frequentando o [[Institut d'Hautes Études Cinématographiques]] e, no ano seguinte, a [[London Film School]].
 
Pertencente à geração de cineastas portugueses formada nos cineclubes de [[Lisboa]] — foi dirigente do ABC - Cineclube de Lisboa —, Seixas Santos, cineasta do movimento do [[Novo Cinema]], começou por filmar documentários - ''A Arte e o Ofício de Ourives'' e ''Indústria Cervejeira em Portugal'' (1968). Foi, em 1970, um dos fundadores do [[Centro Português de Cinema]], entidade apoiada pela [[Fundação Calouste Gulbenkian]], ao tempo presidida por [[José de Azeredo Perdigão]], que permitiu aos cineastas do [[Cinema Novo Português]] iniciar a sua atividade na realização cinematográfica.
 
''Brandos Costumes'' é a primeira longa-metragem de Seixas Santos, tendo sido rodada entre 1972 e 1975 e escrita em parceria com [[Luiza Neto Jorge]] e [[Nuno Júdice]]. O argumento consiste numa narrativa paralela entre o quotidiano de uma família da média burguesia e o trajeto do regime emanado do golpe militar de [[28 de maio de 1926]], que precedeu a institucionalização do [[Estado Novo]]. Este filme foi seleccionado, em competição, para o [[Festival de Berlim|Festival de Cinema de Berlim]].