Diferenças entre edições de "Arte degenerada"

178 bytes removidos ,  13h53min de 18 de junho de 2018
m
v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (Link interno escrito como externo)
(Futurismo também foi considerado como Arte degenerada pela a Alemanha apesar das influências desta no fascismo italiano.)
m (v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (Link interno escrito como externo))
Ver também: [[:de:Paul_Ortwin_Rave|Paul Ortwin Rave]] (autor),[[:de:Uwe_M._Schneede|Uwe M. Schneede]] (ed.): Kunstdiktatur im Dritten Reich. Argon Verlag, Berlim 1987, ISBN 3-87024-112-8, S. 124 (reimpressão da edição Berlim 1949).</ref> no pátio do Corpo de Bombeiros principal em [[:de:Berlin-Kreuzberg|Berlin-Kreuzberg]], segundo informações oficiais; algumas obras teriam sido preservadas. 125 obras foram levadas à leilão na [[Suíça]].
 
Uma comissão nomeada por Göring e outros para a exploração dos produtos da “arte degenerada” avaliou os lances mínimos e então escolheu a [[:de:Theodor_Fischer_(Kunsthändler)|''Galerie Fischer'']], em [[Lucerna]], para o leilão, que ocorreu em 30 de junho de 1939 e despertou um grande interesse no mundo todo. No entanto, os resultados para tais obras foram poucos, porque era conhecido que a Alemanha nazista queria melhorar sua situação cambial com as vendas. Muitas obras, mas nem todas, foram vendidas. Outras vendas de obras confiscadas em poder do ''Reich'' foram feitas em grande parte pelos quatro ''marchands'' [[:de:Bernhard_A._Böhmer|Bernhard A. Böhmer]], [[:de:Karl_Buchholz_(Kunsthändler)|Karl Buchholz]], [[:de:Hildebrand_Gurlitt|Hildebrand Gurlitt]] e [[:de:Ferdinand_Möller_(Kunsthändler)|Ferdinand Möller]]<ref>[https://www.welt.de/print/die_welt/kultur/article121747117/Es-koennte-weitere-Depots-geben.html Es könnte weitere Depots geben.] Em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/Die_Welt [Die Welt]], 11 de novembro de 2013.</ref> e, em menor parte, por [[:de:Paul_Graupe|Paul Graupe]], [[:de:Karl_Haberstock|Karl Haberstock]], Hansjoachim Quantmeyer e outros.<ref>Citado de: Franke, Gabriele: Fabeltier oder „Judengeschöpf“. Chronik einer Recherche.Geschichtswerkstatt Bambeck, Hamburgo 1990, pág. 107</ref><ref>Gute Geschäfte, Kunsthandel in Berlin 1933-1945. Catálogo do Aktives Museum Faschismus und Widerstand in Berlin e.V., Berlim 2011</ref><ref>[http://www.ffmhist.de/ffm33-45/portal01/portal01.php?ziel=t_hm_staedelbilder_luzern Frankfurt a. M. 1933–1945]</ref> O casal colecionador Sophie e [[:de:Emanuel_Fohn|Emanuel Fohn]] adquiriram algumas obras de “arte degenerada” ou trocaram algumas por obras de artistas dos séculos XVIII e XIX. Desse modo, ainda durante o período nazista, surgiu a [[:de:Sammlung_Sophie_und_Emanuel_Fohn|Coleção Sophie e Emanuel Fohn]], que foi doada ao Estado da Baviera em 1964.
 
Um acervo de obras de arte não vendidas foi queimado em 20 de março de 1939 pelo Corpo de bombeiros de Berlim durante uma ação chamada de treinamento. Durante essa ação, foram destruídas cinco mil pinturas, esculturas, desenhos, aquarelas e ilustrações.<ref>[https://www.nzz.ch/feuilleton/kunst_architektur/kunstraeuber-stellt-man-sich-nicht-so-gebildet-vor-1.18184127 Kunsträuber stellt man sich nicht so gebildet vor]. Em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/Neue_Z%C3%BCrcher_Zeitung[Neue Zürcher Zeitung|NZZ]], 13 de novembro de 2013</ref><blockquote>“De acordo com o relatório final divulgado por Goebbels a Hitler em 4 de julho de 1939, a maioria das obras de arte foram destruídas ou armazenadas, e 300 pinturas e esculturas e 3 mil ilustrações foram vendidas no exterior.”</blockquote>
 
== Consequências ==
Ver também: [[:de:Schwabinger_Kunstfund|Schwabinger Kunstfund]]
 
Em novembro de 2013 foi anunciada a descoberta de 1285 imagens sem moldura e 121 com moldura, encontradas em fevereiro de 2012 no apartamento do filho de [[:de:Hildebrand_Gurlitt|Hildebrand Gurlitt]] em [[:de:Schwabing|Schwabing]] ([[Munique]]). Gurlitt foi um dos comerciantes de arte contratados para a exploração das obras confiscadas durante o nazismo. De acordo com um relatório da revista [[Focus (revista)|Focus]], trata-se de obras de [[Pablo Picasso]], [[Henri Matisse]], [[Marc Chagall]], [[Emil Nolde]], [[Franz Marc]], [[Max Beckmann]] e [[Max Liebermann]]<ref>[https://www.focus.de/kultur/kunst/nazi-raubkunst-meisterwerke-zwischen-muell-fahnder-entdecken-kunstschatz-in-milliardenhoehe_aid_1147066.html Sensationeller Kunstschatz in München]. Em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/Focus_[Focus (revista) |Focus]].[https://de.wikipedia.org/wiki/Hubert_Burda_Media Hubert Burda Media], 3 de novembro de 2013.</ref>. De acordo com um relatório do [[Süddeutsche Zeitung]], a historiadora cultural [[:de:Meike_Hoffmann|Meike Hoffmann]] foi contratada para pesquisar a origem exata de tais obras.<ref>[http://www.sueddeutsche.de/kultur/depot-mit-nazi-raubkunst-in-muenchen-der-verwerter-und-sein-sohn-1.1809631 Der Verwerter und sein Sohn]. Em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%BCddeutsche_Zeitung [Süddeutsche Zeitung]].3 de novembro de 2013; acesso em 3 de novembro de 2013.</ref> Pelo menos 300 das descobertas devem pertencer à “Arte degenerada”. Há aviso oficial de busca para pelo menos 200 obras.<ref>[http://www.faz.net/aktuell/feuilleton/kunst/der-fall-gurlitt/muenchen-raubkunst-im-wert-von-einer-milliarde-euro-gefunden-12646281.html Der Fall Gurlitt. München: Raubkunst im Wert von einer Milliarde Euro gefunden]. Em: [https://pt.wikipedia.org/wiki/Frankfurter_Allgemeine_Zeitung[Frankfurter Allgemeine Zeitung|FAZ]]. 4 de novembro de 2013; acesso em 10 de novembro de 2017.</ref>
 
== Fontes ==