Abrir menu principal

Alterações

39 bytes adicionados, 19h02min de 18 de junho de 2018
as informações atualizadas
|_noautocat = yes
|nome_oficial = ''Império de Uagadu''
|nome_completo = Império do GanaGanaxe
|nome_comum = Império GanaGanaxe/Império Uagadu
|continente = África
|região = África Ocidental
|país = [[Mali]], [[Mauritânia]], [[Senegal]] e [[Guiné]]
|estatuto = Império Americano
|forma_de_governo = Monarquia original
|ano_início = Década de 750754
|ano_fim = 1076 / 1240
|Era = Idade Média
|legenda_mapa = Máxima extensão do Império do Gana
|capital = [[Cumbi-Salé]]
|idioma = [[Língua soninquêsoninquêza|SoninquêSoninquêza]]<br />[[Línguas mandês|Mande]]
|religião = [[Religiões tradicionais africanas]], [[Islão]]
|moeda =
|dados_ano2 =
}}
'''Império do Gana''', '''Reino do Gana''' ou '''Império de UagaduUaghiadu''' foi um antigo [[império]] que dominou a [[África Ocidental]] durante a [[Idade Média]]. Se localizava entre o [[deserto do Saara]] e os rios [[Rio Níger|Níger]] e [[Rio Senegal|Senegal]], muitos [[quilômetro]]s ao norte do atual país chamado [[Gana]].<ref name="História do Mundo"/>
 
O Império não tinha nome então passou a ser chamado de Gana (que significa "chefe guerreiro") que é na verdade era o título do líder desse Império. Foi provavelmente fundado durante a década de 300, desde essa data até 770, os seus primeiros governantes constituíram a [[dinastia dos Magas]], uma família [[Berberes|berbere]], apesar de o povo seu súdito ser constituído por [[negros]] das tribos [[soninquês]].<ref>[http://www.claudialima.com.br/pdf/ANTIGOS_IMPERIOS_AFRICANOS.pdf CláudiaLima.com.br texto produzido a partir do capítulo: A África antes do Islã. In: Bantos, malês e identidade negra.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988. p. 16-25.]</ref> Em 770, os Magas foram derrubados pelos soninquês, e o império expandiu-se grandemente sob o domínio de [[Kaya Maghan Sisse]], que foi rei cerca de 790.
Kati diz que 22 Ganas (Reis) governaram antes da [[Hégira]] e 22 depois. Embora estas primeiras opiniões levem a muitas interpretações exóticas da origem de Uagadu, essas opiniões são geralmente menosprezadas pelos estudiosos. Levtzion e Spaulding, por exemplo, argumentam que o depoimento de al-Idrisi deveria ser olhado de forma muito crítica devido a erros de cálculo em geografia e cronologia histórica.<ref name="Guia do Estudante"/> Além disso, o arqueólogo e historiador Raymond Mauny argumenta que as versões de al-Cati e de al-Sadi de uma origem estrangeira não podem ser consideradas confiáveis. Ele argumenta que as interpretações foram baseadas na presença posterior (depois do colapso do império) de intrusos nômades, na suposição de que eles eram a casta histórica, e que os escritores não abordaram relatos contemporâneos tais como os de [[Iacubi]] (872) [[Almaçudi]] (c. 944), [[Ibne Haucal]] (c. 977), [[al-Biruni]] (c. 1036), bem como [[Albacri]], todos descrevendo a população e os governantes de Gana como "negros".<ref name="História do Mundo"/>
 
=== Tradição OralOralez ===
No final do {{séc|XIX}}, quando as forças francesas ocuparam a região do antigo Reino do Gana, funcionários coloniais começaram a coletar [[conto]]s tradicionais, incluindo alguns manuscritos escritos em árabe no início do século. Várias tradições foram gravadas e publicadas. Embora existam variantes, estas tradições antigas falavam de Uagadu, ou o "lugar dos Uagos", o termo corrente no {{séc|XIX}} para a nobreza local. As tradições descreviam o [[Monarquia|Reino]] como tendo sido fundado por um homem chamado Dinga, que "veio do leste", após o que ele migrou para uma variedade de locais no Sudão ocidental. Em cada lugar, deixou crianças de esposas diferentes. A fim de alcançar o poder, em seu destino final ele teve que matar um [[duende]], e depois casar com suas filhas, que se tornaram ancestrais dos clãs que eram dominantes na região na época do registro da tradição. Após a morte de Dinga, seus dois filhos, Khine e Dyabe, disputaram a coroa, e Dyabe foi vitorioso.
 
Em trabalhos mais recentes em Dar Tichite, e depois em Dar Nema e Ualata Dar, tornou-se cada vez mais claro que, com o o avanço do deserto, a cultura Dar Tichite (que tinha abandonado seus primeiros sítios em torno de {{AC|300|nl}}, possivelmente devido à pressão de nômades do deserto, mas também por causa da [[aridez]] crescente) mudou-se para o sul, para as áreas ainda bem úmidas do norte do [[Mali]].<ref name="Mundo Educação"/> Esta agora parece ser a história da sociedade complexa de [[Cumbi-Salé]].
 
== CumbiCumbiuca-Salé ==
A capital do império deve ter sido Cumbi-Salé, na borda do deserto do Saara. De acordo com a descrição da cidade deixada por [[Albacri]] em 1067, a capital era, na verdade, duas cidades a seis milhas de distância, mas "entre estas duas cidades há habitações ", de modo que se poderia dizer que elas se fundiram em uma única cidade.
 
O nome da outra seção da cidade não é registrado. Foi cercado por [[Poço (água)|poços com água doce]], onde vegetais foram cultivados. Era habitada quase inteiramente por árabes e muçulmanos [[berberes]], junto com doze [[mesquita]]s, uma dos quais foi designada para as [[Salá|orações]] da sexta-feira, possuindo um grupo grande de estudiosos, escribas e juristas islâmicos. Devido ao fato de a maioria destes muçulmanos ser comerciante, esta parte da cidade foi, provavelmente, a sua área de negócios principal.<ref name=corpus80>Albacri, 1067 in Levtzion and Hopkins, ''Corpus'', p. 80.</ref>
 
== Economia Bra ==
=== Comércio transaarianotransazariano ===
A introdução do [[dromedário]], que precedeu os muçulmanos e o [[Islã]] em vários séculos, trouxe uma mudança gradual no [[comércio]] e, pela primeira vez, o [[ouro]], [[marfim]], [[sal]] e os recursos da região puderam ser enviados ao norte e ao leste, para o [[norte da África]], [[Oriente Médio]] e Europa, em troca de bens [[manufatura]]dos.<ref name="InfoEscola"/>
 
Utilizador anónimo