Abrir menu principal

Alterações

21 bytes adicionados, 18h05min de 23 de junho de 2018
sem resumo de edição
Tiradentes nasceu na Fazenda do Pombal, próximo ao arraial de Santa Rita do Rio Abaixo, à época território disputado entre as vilas de [[São João del-Rei]] e [[Tiradentes (Minas Gerais)|São José del-Rei]], na [[Capitania de Minas Gerais]].<ref>A vila de São José del-Rei foi criada em 1718, compondo-se de todo território pertencente à Vila de São João del-Rei que se localizava à margem direita do Rio das Mortes. Porém a Vila de São João del-Rei contestou essa perda territorial e a questão só foi resolvida em 1755.</ref>
 
Joaquim José da Silva Xavier era filho do [[Portugueses|português]] Domingos da Silva Xavier, [[Propriedade rural|proprietário rural]], e da [[Portugueses|luso]]-[[Estado do Brasil|brasileira]] nascida em [[Reino de Portugal|colônia portuguesa]], Maria Paula da Encarnação Xavier (prima em segundo grau de [[Antônio Joaquim Pereira de Magalhães]]), tendo sido o quarto dos nove filhos.
 
Em 1755, após a morte de sua mãe, segue junto a seu pai e irmãos para a sede da Vila de São José; dois anos depois, já com onze anos, morre seu pai. Com a morte prematura dos pais, logo sua família perde as propriedades por dívidas. Não fez estudos regulares e ficou sob a tutela de seu tio e padrinho Sebastião Ferreira Leitão, que era cirurgião dentista.<ref>"Tiradentes ficou aos cuidados do seu tio e padrinho, Sebastião Ferreira Leitão, cirurgião-dentista registrado e que possuía lavras de mineração." [http://www.sjdr.com.br/historia/celebridades/tiradentes.html Joaquim José da Silva Xavier - Tiradentes] no São João del Rei On-Line</ref> Trabalhou como mascate e minerador, tornou-se sócio de uma botica de assistência à pobreza na ponte do Rosário, em [[Vila Rica (Minas Gerais)|Vila Rica]], e se dedicou também às práticas farmacêuticas e ao exercício da profissão de dentista, o que lhe valeu o apelido (alcunha) de ''Tiradentes''.<ref name="SJDR" /> Segundo frei [[Raimundo de Penaforte]], Tiradentes "ornava a boca de novos dentes, feitos por ele mesmo, que pareciam naturais".<ref>CHIAVENATO, Júlio José. ''Inconfidência Mineira - As Várias Faces''. São Paulo: Contexto, 2000. pág. 25.</ref>
1 213

edições