Movimento operário: diferenças entre revisões

11 bytes adicionados ,  2 de julho de 2018
'''Movimento Operário''' é um termo que refere-se à organização coletiva de trabalhadores para a defesa de seus próprios interesses, particularmente (mas não apenas) através da implementação de leis específicas para reger as relações de trabalho. Em sentido amplo, abrange o conjunto dos fatos políticos e organizacionais relacionados ao mundo do trabalho e à vida política, social e econômica dos trabalhadores.<ref>BRAVO, Gian Mario. Movimento operário. In: BOBBIO, Norberto. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998, p. 781.</ref>
 
GruposRevoltados grupos de artesãos atacavam as fábricas, quebrando as máquinas. Desse mesmo tipo também foi a reação dos operários jogados na miséria pelas primeiras crises de desemprego. Depois de algum tempo, os operários começaram a perceber que o problema não estava nas [[fábrica]]s, nem nas máquinas em si, mas sim na forma como a burguesia havia organizado os meios de produção. No início do século [[XIX]], na [[Inglaterra]], o movimento dos trabalhadores fez-se sentir por meio de demonstrações de massa, como motins e petições. Foi nesse século que os sindicatos surgiram como uma nova força no cenário político.
 
A primeira luta de caráter político, empreendida pelos operários ingleses, foi a conquista do direito de voto. Nessa luta, o movimento operário contou inicialmente com o apoio da burguesia, uma vez que esta classe não podia enviar seus deputados para a câmara dos Comuns, que estava nas mãos dos latifundiários. A revolução de 1830 na França, acabou dando um grande impulso a esse movimento. Em [[1832]], o Parlamento promulgou uma reforma do sistema eleitoral ''(Reform Act)'', beneficiando a burguesia, mas negando qualquer benefício aos operários.
Utilizador anónimo