Diferenças entre edições de "Samuel Wainer"

20 bytes adicionados ,  06h57min de 4 de julho de 2018
m
m (Bot: Substituição automática de afluentes - solicitado em Usuária:Aleth Bot/Substituição de afluentes)
Até o [[Golpe Militar de 1964]], Samuel Wainer havia conseguido estruturar um verdadeiro império jornalístico, com várias edições regionais do seu jornal. Foi o único diário a defender o governo de [[João Goulart]] em 1° de abril de 1964, nas primeiras horas após o [[golpe militar]] que o depôs.<ref name=ditesc>{{Citar livro |autor=[[Elio Gaspari|Gaspari, Elio]]|título=A Ditadura Escancarada |subtítulo= |língua= |formato= |edição= 2|local=Rio de Janeiro |editora= Editora Intrínseca|ano=2014 |página= |páginas=526 |isbn= 978-85-8057-408-1}}</ref> Teves suas sedes do Rio de Janeiro e do Recife invadidas e depredadas.<ref name=ditesc/> Samuel Wainer se exilou no [[Chile]] e lá recebeu proposta de compra do jornal de um grupo de empresários especializados em obras públicas.<ref name=ditesc/> Negociou a venda de seu jornal em [[Paris]], tendo vendido em [[1971]] para a [[Grupo Folha|Empresa Folha da Manhã S/A]] que também era dona do jornal [[Folha de S.Paulo]].<ref name=ditesc/> Wainer ainda voltou ao Brasil com a esperança de recuperar a Última Hora do Rio de Janeiro, tentou conquistar a confiança dos militares sem sucesso, até que o comandante do I Exército pediu que publicasse na primeira página um poema de resposta a canção ''Caminhando'' de [[Geraldo Vandré]].<ref name=ditesc/> Ele publicou o poema, mas decidiu vender o resto de sua participação aos empreiteiros que haviam comprado o [[Correio da Manhã]].<ref name=ditesc/>
 
Em [[1975]], passou a residir em [[São Paulo (estado)|São Paulo]], trabalhando como jornalista assalariado da [[Folha de S.Paulo]], protegido por Frias até sua morte em [[1980]].
 
Deixou um livro de memórias intitulado ''Minha Razão de Viver'', editado postumamente por sua filha, a artista plástica [[Pinky Wainer|Débora ("Pinky") Wainer]].
975 861

edições