Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  23h04min de 7 de julho de 2018
 
== Cultura ==
[[Ficheiro:Boom Festival.jpg|thumb|Boom Festival, um dos maiores festivais do mundo]]O movimento do Trance PsicadélicoPsicodélico gira à volta de uma ligação estreita à cultura oriental e às religiões budista e hinduísta. Tal não é de estranhar, visto que já no seu gênese esta contracultura deriva da migração do movimento “hippie” para o Oriente.
É natural também que, por se relacionar com rituais xamânicos, o ambiente criado à volta das festas e festivais leve os participantes a iniciar-se em experiências com substâncias alucinogêneas, algo que “ajuda” a viagem ambicionada e fundada nas bases de Goa. Toda a decoração das festas e as próprias roupas de grande parte dos indivíduos que nelas participam têm como principal objectivo promover a experiência psicadélica, potenciá-la além do som na pista de dança. Normalmente, as festas estruturam-se da seguinte forma: o som começa ao anoitecer, iniciando-se com um “Full On Hi-Tech” e passando rapidamente para o noturno. Atualmente e cada vez mais, as festas tendem a “chamar” mais projetos de “Dark Trance”, pois a noite é parte fulcral de toda a experiência e essa sonoridade é a que demonstra maior potencialidade para a experiência psicadélica. Ao amanhecer, as sonoridades variam entre o “Full On Nocturno” e o “Hi-Tech”, passando rapidamente para o “Morning” e, caso a festa tenha uma maior duração, o Trance Progressivo ao entardecer. Paralelamente a tudo isto, é usual encontrar-se um palco onde a música ambiente ou “Chill Out” “acolhe” as pessoas mais cansadas ou que necessitam de uma pausa da “viagem” da noite. Caso seja um festival e não uma festa com a duração de um dia, existem, comummente, outros palcos com sonoridades alternativas, que variam desde o “Techno Minimal” ao “Breakbeat”, passando por sonoridades mais Tribais e por vezes, até ligadas ao Dub e à música mais diversificada e específica do país da banda em questão. Quanto à sua localização, tendem a ser maioritariamente ao ar livre, muitas delas transmitidas por sítios na internet ou mesmo via oral. Esta escolha no local é muito importante, visto que um melhor local é, em si, uma maior ligação à natureza transmite um misticismo à experiência. Claro que, as organizações com menos posses econômicas ou nos países em que as legislação assim o obriga, organizam festas em bares, nunca esquecendo a decoração com cores fluorescentes e um espetáculo de luzes que pode variar entre algumas luzes negras a um conjunto enorme de iluminação, com lasers e luzes estroboscópicas. O que começou por ser um fenômeno local, transformou-se lentamente num movimento global, cada vez maior, de países que organizam festivais anualmente, muitas vezes dois ou mais em simultâneo, conferindo uma opção nos cartazes de artistas de apresentam.<ref>{{Citar web|url=http://www.arge.pt/marcosilva/trance/?cat=historia}}</ref>