Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 00h46min de 12 de julho de 2018
m
sem resumo de edição
A viagem já decorria de forma anormal desde que a composição saiu de Ourense. O chamado sistema de travagem “homem morto”, que é accionado quando o maquinista passa algum tempo sem utilizar nenhum comando, foi activado duas vezes antes do acidente.
 
O comboiotrem de alta velocidade Alvia, ainda antes do acidente, por duas vezes que foi travado de 110 quilómetros por hora para 48 quilómetros através do sistema “homem morto”.
 
O trem saiu da estação de Ourense às 20h05 de dia 24 de Julho e entre as 20h08 e as 20h12, enquanto Francisco José Garzón accionava vários dispositivos técnicos, ficou na cabine com outra pessoa a conversar. Essa outra pessoa era o maquinista que deixou de estar aos comandos em Ourense, Javier Illanes. Nessa altura surgiu um aviso de uma avaria no sistema de ar condicionado e Illanes foi ver o que se passava, não voltando a ter contacto com Garzón até à hora do acidente.
53

edições