Diferenças entre edições de "Taxa de licença de televisão"

11 bytes adicionados ,  21h32min de 22 de julho de 2018
No entanto, desde a fusão entre as empresas públicas de rádio e televisão em Portugal, uma fração da taxa de licença de rádio serviu para financiar o canal comercial livre de publicidade [[RTP2]]. A taxa de licença de rádio foi instituída no início da década de 1990 para financiar os canais de rádio públicos que são livres de publicidade e é cobrada através de contas de energia elétrica sob a denominação "[[Contribuição audiovisual|Taxa de Contribuição Audiovisual]]". A taxa de licença de rádio é de aproximadamente € 33 por ano (€ 2,81 por mês).
 
===Países que nunca tiveram uma taxa de licença de televisão===
===Brasil===
No [[Brasil]], não há taxa ou licença de TV. A [[Fundação Padre Anchieta]], que administra a [[TV Cultura]] e as rádios [[Cultura FM]] e [[Rádio Cultura Brasil|Cultura Brasil]], é financiada por repasses do [[Governo do Estado de São Paulo]] e por meio de anúncios e apoios culturais do setor privado. A [[Empresa Brasil de Comunicação]], que administra a [[TV Brasil]] e as rádios públicas ([[Rádio MEC]] e [[Rádio Nacional]]), é financiada pelo Orçamento Geral da União, além de prover licenciamento e produção de programas, propaganda institucional e prestação de serviços a instituições públicas e privadas. Os recursos públicos dedicados à TV Cultura (ou seja, o orçamento bruto da Fundação) foram de R$ 74,7 milhões em 2006, mas desses R$ 36,2 milhões foram doados por parceiros e patrocinadores da iniciativa privada.<ref>http://www.abert.org.br/D_mostra_clipping.cfm?noticia=104178</ref><ref>http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/10/11/materia.2007-10-11.2874503544/view</ref>