Diferenças entre edições de "Racismo no Brasil"

182 bytes removidos ,  04h53min de 1 de agosto de 2018
[[Imagem:Slaves in coffee farm by marc ferrez 1885.jpg|miniatura|Escravos (incluindo seus filhos) reunidos em uma fazenda de café no Brasil, c. 1885 ([[Marc Ferrez]]).]]
 
Enquanto os escravos eram geralmente [[negros]] ou [[mulatos]] houve registro de raríssimos casos de escravos [[brancos]] — o produto de gerações de relações sexuais interétnicas entre os proprietários e suas escravas mulatas (embora isto fosse muito raro e não fosse aprovado socialmente).{{sfn|Alencastro|1997|pp=87–88}} Os escravos brancos e seus descendentes eram normalmente encontrados em regiões dedicadas à produção de produtos para exportação para mercados estrangeiros.{{sfn|Boxer|2002|pp=185–186}} Os [[canaviais]] na costa leste da [[Região Nordeste do Brasil|região nordeste]] durante os séculos XVI e XVII eram locais típicos de atividades econômicas dependentes de mão de obra escrava.{{sfn|Boxer|2002|p=117}} No norte da província do [[Maranhão]], o trabalho escravo era usado na produção de [[algodão]] e [[arroz]] durante o século XVIII.{{sfn|Boxer|2002|p=206}} Neste período, os escravos também foram explorados na província de Minas Gerais, onde havia a [[Ciclo do ouro|extração de ouro]].{{sfn|Boxer|2002|p=169}} A escravidão também era comum no Rio de Janeiro e em São Paulo durante o século XIX, principalmente para o cultivo do café, que se tornou vital para a economia nacional.{{sfn|Vainfas|2002|pp=238–239}}
 
A maior parte dos escravos trabalhavam como operários de plantação.{{sfn|Vainfas|2002|p=239}} Mas os escravos podiam ser encontrados espalhados por toda a sociedade em outras funções: alguns foram usados ​​como empregados domésticos, agricultores, mineiros, prostitutas, jardineiros e em muitos outros papéis.{{sfn|Olivieri|1999|p=43}} Muitos escravos emancipados passaram a adquirir escravos e houve até mesmo casos de escravos que tinham seus próprios escravos.{{sfn|Barman|1988|p=194}}{{sfn|Carvalho|2007|p=130}} Mesmo os mais severos proprietários de escravos aderiram a uma longa prática de vendê-los juntamente com suas famílias, tomando cuidado para não separá-los.{{sfn|Besouchet|1985|p=170}}
Utilizador anónimo