Abrir menu principal

Alterações

30 bytes adicionados, 23h09min de 3 de agosto de 2018
'''Zaratustra''', também conhecido na versão [[Língua grega|grega]] de seu nome '''Zoroastres''', '''Zoroastro''' ({{lang|grc|Ζωροάστρης}} ''Zōroastrēs''), foi um [[profeta]] e poeta nascido na [[Pérsia]] (atual [[Irão]]), provavelmente em meados do [[século VII a.C.]] Ele foi o fundador do [[Masdeísmo]] ou [[Zoroastrismo]]<ref>[[Grande Enciclopédia Delta Larousse]]. 5ª edição. vol. 14. Rio de janeiro; Editora Delta S. A, 1978. pág. 7160</ref>, a primeira religião [[monoteísmo|monoteísta]] ética da história (existem debates acadêmicos inconclusivos sobre o assunto)<ref>{{citar livro|título=No Other Gods: Emergent Monotheism in Israel|autor=Robert Karl Gnuse|editora=A&C Black|isbn=9781850756576}}</ref><ref>{{citar livro|título=The Origins of Biblical Monotheism: Israel's Polytheistic Background and the Ugaritic Texts|autor=Mark S. Smith|editora=Oxford University Press|isbn=9780195167689}}</ref><ref>{{citar livro|título=A History of Zoroastrianism: The Early Period|autor=Mary Boyce|editora=E. J. Brill|isbn=9789004088474}}</ref>, adotada oficialmente pelos [[Aquemênidas]] ([[558]] – [[330]] a.C.). A denominação grega Ζωροάστρης significa ''contemplador de astros''. É uma corruptela do [[avéstico]] Zarathustra (em [[Língua persa|persa]] moderno: Zartosht ou '''زرتشت'''). O significado do nome é obscuro, ainda que, certamente, contenha a palavra ''ushtra'' ([[camelo]]).
 
== Nascimento e infância de Zaratustra (tradicional) ==
{{sem fontes}}
[[Ficheiro:Stamps of Tajikistan, 002-02.jpg|miniaturadaimagem|zoroastro em selo postal do [[Tadjiquistão]].]]
{{quote|Há muito tempo, nas estepes a perder de vista da [[Ásia Central]], perto do [[Mar de Aral]], havia uma pequena vila de casas de [[adobe]], onde vivia a família Spitama. Um dia, no sexto dia da primavera, um menino nasceu naquela família. A sua mãe e o seu pai decidiram dar-lhe o nome de Zaratustra. Ao nascer, Zaratustra não chorou,; pelo contrário, riu sonoramente. As parteiras, vendo aquilo, admiraram-se, pois nunca tinham visto um bebébebê rir ao nascer.
 
Na vila havia um sacerdote que percebeu que aquele menino viria a ser um revolucionário do pensamento humano e que enfraqueceria o poder dos "donos" das [[Religião|religiões]]. Ele então decidiu tomar providências e procurou Pourushaspa, o pai de Zaratustra, com a seguinte conversa: "Pourushaspa Spitama, vim avisar-lhe. O seu filho é um mau sinal para a nossa vila porque riu ao nascer,. eleEle tem um demônio. Mate-o ou os deuses destruirão os seus cavalos e plantações. Onde já se viu rir ao nascer nesse mundo triste e escuro?! Os deuses estão furiosos!".
 
Pourushaspa não queria ferir o seu filho, mas o sacerdote insistiu e impôs uma prova.
 
Na manhã seguinte Pourushaspa fez uma grande fogueira, e à frente de todos colocou Zaratustra no meio do fogo, mas ele não sofreu dano algum. O sacerdote ficou confuso.
 
Zaratustra foi levado então para um vale estreito e colocado no caminho de uma boiada de mil cabeças de gado, para ser pisoteado. O primeiro boi da boiada percebeu o menino e ficou parado sobre ele, protegendo-o, enquanto o resto passava ao lado e o bebê não sofreu um só arranhão. O sacerdote logo arquitetou outro plano. O menino Zaratustra foi colocado na toca de uma loba que, ao invés de devorá-lo, cuidou dele até que Dugdav, sua mãe, viesse buscá-lo. Diante de tantos prodígios o sacerdote ficou envergonhado e mudou-se da vila.
Ao crescer, Zaratustra peramburalava pelas estepes indagando-se: "Quem fez o sol e as estrelas do céu? Quem criou as águas e as plantas? E quem faz a lua crescer e minguar? Quem implantou nas pessoas a sua natural bondade e justiça?".
 
Um dia Zaratustra estava meditando às margens de um rio quando um ser estranho lhe apareceu. Ele era indescritível, tal a sua beleza e brilho. Zaratustra perguntou-lhe quem era ele, ao que teve como resposta: "Sou [[Vohu Mano]], a Boa Mente. Vim buscá-lo". E tomou-lhe a mão, e o levou para um lugar muito bonito, onde sete outros seres os esperavam.
 
A Boa Mente disse-lhe então: "Zaratustra, se você quiser, pode encontrar em você mesmo todas as respostas que tanto busca, e também questões mais interessantes ainda. [[Aúra-Masda]], [[Deus]]deus que tudo cria e sustenta, assim escolheu partilhar a sua divindade com os seres que cria. Agora, sabendo disso, você pode anunciar essa mensagem libertadora a todas as pessoas."
 
Zaratustra contestou: "Por que eu? Não sou poderoso e nem tenho recursos!". Os outros seres responderam em coro: "Você tem tudo o que precisa, o que todos igualmente têm: Bons pensamentos, boas palavras e boas ações".
Vishtaspa respondeu ao seu apelo com uma recusa: "Por que haveria de crer nesse estranho? Meus deuses são, com certeza, mais poderosos que esse Aúra-Masda!".
 
Após dois anos tentando convencer Vistaspa, e enfrentando a mais cruel oposição, passando, inclusive, um tempo preso, um acidente com o cavalo de Vishtaspa ajudou a resolver a favor de Zaratustra esse impasse. À beira de morte, o cavalo tornou-se o ''pivot''pivô de todas as atenções. Vistaspa chamou sacerdotes, feiticeiros, médicos e sábios para salvar o seu cavalo. Juntos eles tentaram de tudo, inclusive oferecendo aos deuses dezenas de sacrifícios de outros cavalos. Além disso, brigaram entre si, fizeram intrigas, mas nada aconteceu, o cavalo de Vishtaspa só piorava. Zaratustra, que fora criado num ambiente rural, logo percebeu que ele fora envenenado. Procurando Vishtaspa ele sugeriu um remédio muito usado nesses casos em sua terra. Sem alternativas, embora descrente, Vishtaspa aceitou a ideia de Zaratustra e em dois dias seu cavalo estava de pé, sem sinal da doença.
 
Todos ficaram pasmados e acharam que Zaratustra tinha operado um milagre. Ele respondeu que havia apenas usado a sua boa mente e os conhecimentos que tinha adquirido em casa. Vishtaspa e sua família ficaram encantados com a honestidade e simplicidade de Zaratustra, e dispuseram-se a ouvi-lo de novo, dessa vez com coração e mentes desarmados. Em pouco tempo não só Vishtaspa e sua família haviam sido iniciados, como também grande parte de seu povo.
 
Embora Zaratustra pudesse ter usado a ocasião da cura do cavalo de Vishtaspa para arrogar-se poderes sobrenaturais, ele preferiu ser sincero, e foi isso o que de facto mostrou a Vishtaspa a sublime beleza e profundidade da mensagem.}}
 
== Vida de Zaratustra ==
9 295

edições