Diferenças entre edições de "Cativeiro Babilónico"

3 bytes adicionados ,  23h48min de 12 de agosto de 2018
m
punto y aparte
m (punto y aparte)
O '''Cativeiro''' {{PEPB|Babilónico|Babilônico}}, também chamado de '''Exílio''' ou '''Cativeiro''' {{PEPB|na Babilónia|na Babilônia}}, é o nome geralmente usado para designar o [[exílio]] dos [[judeus]] do antigo [[Reino de Judá]] para a [[Babilônia|Babilónia]] por [[Nabucodonosor II]]. Este período histórico foi marcado pela atividade dos profetas do [[Antigo Testamento]], [[Jeremias (Bíblia)|Jeremias]], [[Ezequiel]] e [[Daniel (profeta)|Daniel]]. A primeira deportação teve início em {{AC|609|x}}. Em {{AC|598|x}}, [[Jerusalém]] é sitiada e o jovem [[Jeconias de Judá|Joaquim]] ( Jeconias ou Conias) rei de [[Reino de Judá|Judá]], rende-se voluntariamente. O [[Templo de Jerusalém]] é parcialmente saqueado e uma grande parte da nobreza, os oficiais militares e artífices, inclusive o Rei, são levados para o Exílio em Babilónia. [[Zedequias]], tio do Rei Joaquim, é nomeado por Nabucodonosor II como rei [[vassalo]]. Precisamente 11 anos depois, em {{AC|587|x}}, houve uma nova rebelião no [[Reino de Judá]], ocorre a terceira deportação e a consequente destruição de Jerusalém e seu Templo.
 
Governando os poucos judeus remanescentes na terra de Judá - os mais pobres - ficou [[Gedalias]] nomeado por Nabucodonosor II. Dois meses depois, Gedalias é assassinado e os poucos habitantes que restavam fogem ao [[Antigo Egito|Egito]] com medo de represálias, deixando a terra de Judá (ex-Reino de Judá) efectivamente ''sem habitantes'' e suas cidades em ruínas. É certo que o período de cativeiro "em Babilónia" terminou no primeiro ano de reinado de [[Ciro II]] (538/{{AC|537|x}}) após a conquista persa da cidade de Babilónia ({{AC|538|x}}). Em consequência do Decreto de Ciro, os judeus exilados foram autorizados a regressar à terra de Judá, em particular a Jerusalém, para reconstruir o Templo.<ref>[[Flávio Josefo]]. The [[Antiquities of the Jews]], Book 11, Chapter 1 [http://www.ccel.org/j/josephus/works/ant-11.htm].</ref>
 
* Veja também o artigo [[Cilindro de Ciro]].
== Entendimento das Testemunhas de Jeová ==
{{AP|prefixo=Mais informações|Profecia das setenta semanas}}
Do ponto de vista histórico secular, as evidências parecem confirmar a cronologia neo-babilónica que fixa a destruição de Jerusalém em 587 a 586 AEC. No entanto, segundo a perspectiva das Testemunhas e conforme expresso nas suas publicações,<ref>''Venha o Teu Reino'', publicado em [[1981]] pela [[Sociedade Torre de Vigia|Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados]], no Apêndice ao capítulo 14, pág. 186-190,/ A Sentinela 1° de outubro de 2011, pág. 26-31 /A Sentinela 1° de novembro de 2011, pág. 22-27.</ref> existe a possibilidade de que o actual quadro da história babilónica possa ser enganoso ou errado.
 
As Testemunhas de Jeová consideram que ela pode ser usada como medida na avaliação da história e dos conceitos seculares. Além disso, de acordo com as referências citadas (A Sentinela 1° de outubro de 2011, pág. 26-31/A Sentinela 1° de novembro de 2011, pág. 22-27), indicam evidências históricas nesse sentido. As Testemunhas datam a destruição de Jerusalém cerca de vinte anos mais cedo, ou seja, em 607 AEC.
Assim, as Testemunhas, de maneira peculiar, creem que os setenta anos mencionados por Jeremias são a duração do exílio dos judeus em Babilónia, e não da hegemonia neo-babilónica, pois o próprio versículo diz que Deus estava se referindo à disciplina que daria especificamente ao seu povo. Os 70 anos seriam anos literais de desolação da terra de Judá, e em particular, de Jerusalém, que ficaria desabitada e as suas cidades em ruínas. Crêem que, diminuindo 70 anos a 537 AEC, o ano do restabelecimento dos judeus em Jerusalém, teria sido 607 AEC o ano do início do Exílio judaico em Babilónia.
 
Argumentos contrários à posição das Testemunhas, incluindo dados históricos, foram publicados por Carl Olof Jonsson.<ref>''Os Tempos dos Gentios Reconsiderados'' - Atlanta: Commentary Press, 1998, 3ª edição, pág. 283-311.</ref> Segundo o que é relatado na introdução do seu livro, o manuscrito original foi apresentado ao [[Corpo Governante das Testemunhas de Jeová]] em [[1977]].
 
== Outros usos da expressão ==
60

edições