Diferenças entre edições de "Ácido pícrico"

93 bytes adicionados ,  21h12min de 18 de agosto de 2018
O Trinitrofenol apresenta desempenho levemente maior do que o Trinitrotolueno, porém é levemente mais sensível do que o mesmo. Não explode sem uso de um detonador, tampouco apenas aquecendo-o. Para de fato detonar (explodir) apenas com o calor, são necessárias pressões absurdas. A uma pressão e temperaturas habituais, é impossível a sua detonação sem o uso de uma onda de choque supersônica. A 300 ºC o Trinitrofenol se decompõe em chamas. É seu ponto de autoignição e decomposição. Fonte: COPAE.
(O Trinitrofenol apresenta desempenho levemente maior do que o Trinitrotolueno, porém é levemente mais sensível do que o mesmo. Não explode sem uso de um detonador, tampouco apenas aquecendo-o. Para de fato detonar (explodir) apenas com o calor, são necessárias pressões absurdas. A uma pressão e temperaturas habituais, é impossível a sua detonação sem o uso de uma onda de choque supersônica. A 300 ºC o Trinitrofenol se decompõe em chamas. É seu ponto de autoignição e decomposição. Fonte: COPAE.)
| Melting_notes =
| BoilingPt = > 300 °C
| Boiling_notes = ExplodeSe decompõe e deflagra
| Solubility = 1.40 g/100 mL
| SolubleOther =
O '''ácido pícrico''' é um [[composto]] altamente explosivo antigamente utilizado na fabricação de [[armamento]]s, principalmente na produção de [[granada (arma)|granadas]] mas também, na produção de fármacos contra queimaduras. Esse [[ácido]] reage com a [[creatinina]] do sangue (a reação produz um tom amarelado). Com isso pode se medir a quantidade de creatinina no sangue.
 
Também conhecido como trinitrofenol, sólido de cor amarela, altamente tóxico e de forte acidez, é levemente mais sensível à fricção e impacto em relação ao choqueTrinitrotolueno, explodedeflagra espontaneamente a 300 °C. Usos: na medicina; na indústria para tingimentos, baterias elétricas, ataque químico a amostras de metais para análise metalográfica.
 
Irritante para a pele, olhos e trato respiratório. A inalação pode causar danos aos pulmões. A exposição crônica pode causar danos hepáticos ou renais.