Luso-tropicalismo: diferenças entre revisões

319 bytes adicionados ,  21 de agosto de 2018
sem resumo de edição
'''Luso-tropicalismo''' ou '''Lusotropicalismo''' é uma “quase-teoria” desenvolvida pelo cientista social brasileiro [[Gilberto Freyre]] sobre a relação de [[Portugal]] com os [[trópicos]].<ref>{{citar web|título=O luso-tropicalismo e o colonialismo português tardio|url=http://www.buala.org/pt/a-ler/o-luso-tropicalismo-e-o-colonialismo-portugues-tardio|acessodata=21/06/2015}}</ref> Em traços gerais, o luso-tropicalismo postula a especial capacidade de adaptação dos portugueses aos trópicos, não por interesse político ou econômico, mas por empatia inata e criadora. A aptidão do português para se relacionar com as terras e gentes tropicais, a sua plasticidade intrínseca, resultaria da sua própria origem étnica híbrida, da sua bi-continentalidade e do longo contacto com mouros e judeus na [[Península Ibérica]], nos primeiros séculos da nacionalidade, e manifesta-se sobretudo através da miscigenação e da interpenetração de culturas.
 
Em vários de seus livros, como em «''O Mundo que o Português Criou''», demonstra o importante papel que os [[portugueses]] tiveram na criação da "''primeira civilização moderna nos trópicos''".
 
Em traços gerais, o luso-tropicalismo postula a especial capacidade de adaptação dos portugueses aos trópicos, não por interesse político ou econômico, mas por [[empatia]] [[inata]] e criadora. A aptidão do português para se relacionar com as terras e gentes tropicais, a sua plasticidade intrínseca, resultaria da sua própria origem étnica híbrida, da sua bi-continentalidade e do longo contacto com [[mouros]] e [[judeus]] na [[Península Ibérica]], nos primeiros séculos da [[nacionalidade portuguesa]], e manifesta-se sobretudo através da [[miscigenação]] e da interpenetração de culturas.
 
== Uso Político ==
 
O [[Estado Novo (Portugal)|Estado Novo português]], nos anos 30 e 40, ignorou ou rejeitou a tese de [[Gilberto Freyre]], devido à importância que conferia à [[mestiçagem]], à interpenetração de culturas, à herança árabe e africana na gênese do povo português e das sociedades criadas pela colonização lusa. As ideias do pensador brasileiro tiveram que esperar pela década dedos anos 195050 para conhecer uma recepção mais favorável no seio do regime salazarista. Nessa altura, o regime adotou uma versão simplificada e nacionalista do luso-tropicalismo como discurso oficial, para ser utilizado na propaganda e na política externa. À mudança de atitude não foi alheia a conjuntura internacional saída da [[Segunda Guerra Mundial]] e a necessidade de o Governo português afirmar a unidade nacional perante as pressões externas favoráveis à autodeterminação das colônias. Paralelamente, assistiu-se à penetração do luso-tropicalismo no meio acadêmico e científico, em particular o ligado à formação dos quadros da administração ultramarina e à chamada ''ocupação científica'' das colônias. Com o início da [[Guerra de Independência de Angola|guerra em Angola]], e a chegada de [[Adriano Moreira]] ao [[Ministério do Ultramar]], foi promulgado um pacote de medidas legislativas inspiradas no luso-tropicalismo. No novo contexto, procurou-se igualmente incutir nos portugueses a ideia da benignidade da colonização lusa ou, de forma mais eufemística, “do modo português de estar no mundo”. A propaganda encarregou-se disso, de forma incansável: era urgente moldar o pensamento para conformar a ação, sobretudo dos colonos e dos agentes do poder colonial no terreno. Desde então, uma versão simplificada do luso-tropicalismo foi entrando no imaginário nacional contribuindo para a consolidação da auto-imagem em que os portugueses melhor se identificam: a de um povo tolerante, [[fraterno]], plástico e de vocação [[ecumênica]].
 
== Ver também ==