Diferenças entre edições de "Museu Imperial"

717 bytes removidos ,  14h39min de 12 de setembro de 2018
+ ajustes gerais
(Desfeita a edição 53082512 de 189.94.67.97)
Etiqueta: Desfazer
(+ ajustes gerais)
{{Mais notas|Este artigo|data=abril de 2018}}
{{geocoordenadas|22_30_29_S_43_10_32_W|22º 30' 29" S 43º 10' 32" W}}
{{Info/Museu/Wikidata}}
O '''Museu Imperial''', popularmente conhecido como '''Palácio Imperial''', é um [[museu]] histórico-temático localizado no centro histórico da cidade de [[Petrópolis]], no estado do [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], no [[Brasil]]. Está instalado no antigo Palácio de Verão do imperador brasileiro [[Pedro II do Brasil|Dom Pedro II]].<ref>[http://oglobo.globo.com/rio/museu-imperial-de-petropolis-comemora-sete-decadas-com-exposicao-sobre-cidade-7857889 Museu Imperial de Petrópolis comemora sete décadas com exposição sobre a cidade]</ref> O acervo do museu é constituído por peças ligadas à [[monarquia brasileira]], incluindo mobiliário, documentos, obras de arte e objetos pessoais de integrantes da família imperial.
|nome = Museu Imperial
|imagem = PetropolisMuseuImperial1-CCBYSA.jpg
|imagesize = 250px
|fundação = {{Dtlink|29|3|1940|idade}}
|localização = [[Petrópolis]], no [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], no <br />{{BRA}}
|tipo = [[Galeria de arte|Museu de arte]] e de história
|visitantes =
|diretor = Maurício Vicente Ferreira Jr.
|curador =
|transporte =
|website = [http://www.museuimperial.gov.br/ www.museuimperial.gov.br]
}}
O '''Museu Imperial''', popularmente conhecido como '''Palácio Imperial''', é um [[museu]] histórico-temático localizado no centro histórico da cidade de [[Petrópolis]], no estado do [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], no [[Brasil]]. Está instalado no antigo Palácio de Verão do imperador brasileiro [[Pedro II do Brasil|Dom Pedro II]].<ref>[http://oglobo.globo.com/rio/museu-imperial-de-petropolis-comemora-sete-decadas-com-exposicao-sobre-cidade-7857889 Museu Imperial de Petrópolis comemora sete décadas com exposição sobre a cidade]</ref>
 
== História ==
[[Ficheiro:Agostinho José da Mota - Palácio Imperial de Petrópolis.JPG|thumb|esquerda|O Palácio Imperial em 1855]]
[[ImagemFicheiro:DomPedroII imperatriz Teresa Cristina.jpg|thumb|200px|leftesquerda|Dom Pedro II e dona Teresa Cristina nos jardins do Palácio Imperial de Petrópolis, c. 1888]]
Em 1822, [[Pedro I do Brasil|Dom Pedro I]] viajando em direção a [[Vila Rica (Minas Gerais)|Vila Rica]], Minas Gerais, para buscar apoio ao movimento da [[Independência do Brasil]], encantou-se com a [[Mata Atlântica]] e o clima ameno da região serrana. Hospedou-se na Fazenda do Padre Correia e chegou a fazer uma oferta para comprá-la. Diante da recusa da proprietária, Dom Pedro comprou a Fazenda do Córrego Seco, em [[1830]], por 20 [[Réis|contos de réis]], pensando em transformá-la um dia no Palácio da Concórdia.
 
Em 1822, [[Pedro I do Brasil|Dom Pedro I]] viajando em direção a [[Vila Rica (Minas Gerais)|Vila Rica]], Minas Gerais, para buscar apoio ao movimento da [[Independência do Brasil]], encantou-se com a [[Mata Atlântica]] e o clima ameno da região serrana. Hospedou-se na Fazenda do Padre Correia e chegou a fazer uma oferta para comprá-la. Diante da recusa da proprietária, Dom Pedro comprou a Fazenda do Córrego Seco, em [[1830]], por 20 [[Réis|contos de réis]], pensando em transformá-la um dia no Palácio da Concórdia.
A crise política sucessória em [[Portugal]] e a insatisfação interna foram determinantes para o seu regresso à terra natal, onde ele viria a morrer sem voltar ao Brasil. A Fazenda do Córrego Seco foi deixada como herança para seu filho, [[Pedro II do Brasil|Dom Pedro II]], que nela construiria sua residência favorita de [[verão]].
 
A crise política sucessória em [[Portugal]] e a insatisfação interna foram determinantes para o seu regresso à terra natal, onde ele viria a morrer sem voltar ao Brasil. A Fazenda do Córrego Seco foi deixada como herança para seu filho, [[Pedro II do Brasil|Dom Pedro II]], que nela construiria sua residência favorita de [[verão]]. A mando de D. Pedro, foi construído o belo prédio [[Neoclassicismo|neoclássico]], onde funciona atualmente o Museu Imperial, teve início em [[1845]] e foi concluída em 1862. Para dar início à construção, Pedro II assinou um decreto em [[16 de março]] de [[1843]], criando [[Petrópolis]]. Uma grande leva de imigrantes europeus, principalmente alemães, sob o comando do engenheiro e superintendente da Fazenda Imperial, major Julius Friedrich Koeler, foi incumbida de levantar a cidade, construir o palácio e colonizar a região.
 
Construído com recursos oriundos da dotação pessoal do imperador, o prédio teve o projeto original elaborado pelo próprio Koeler e, após seu falecimento, foi modificado por Cristóforo Bonini, que acrescentou o pórtico de granito ao corpo central. Para concluir a obra, foram contratados importantes arquitetos ligados à [[Academia Imperial de Belas Artes]]: Joaquim Cândido Guillobel e [[José Maria Jacinto Rebelo]], com a colaboração de [[Manuel de Araújo Porto-Alegre|Manuel de Araújo Porto Alegre]] na decoração.
 
O complexo foi enriquecido, ainda na [[década de 1850]], com o jardim planejado e executado pelo paisagista [[Jean Baptiste Binot|Jean-Baptiste Binot]], sob orientação do jovem imperador. O piso do vestíbulo, em mármore de Carrara e mármore preto originário da [[Bélgica]], foi colocado em 1854, destacando-se também os assoalhos e as esquadrias em madeiras de lei, como o [[jacarandá]], o [[cedro]], o pau-cetim, o [[pau-rosa]] e o vinhático, procedentes das diversas [[Províncias do Império do Brasil|províncias do Império]].
 
Os estuques das salas de jantar, de música, de visitas da [[Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias|imperatriz]], de Estado e do quarto de dormir de suas majestades contribuem para dar graça e beleza aos ambientes do Palácio, um dos mais importantes monumentos arquitetônicos do Brasil. Lançada a pedra fundamental, houve o nivelamento da área, que era conhecida como ''Morro da Santa Cruz'', para se começar as obras, que foram todas financiadas por mordomia da casa imperial, pois dizia [[Pedro II do Brasil|Pedro II]], que por a construção acontecer em sua [[Propriedade privada|propriedade particular]], não se deviria utilizar de dinheiro do estado.
 
Na planta de [[Petrópolis]], feita por Koeler, acha-se indicado o local do palácio num quadrilátero entre a rua do imperador e a rua da imperatriz. Via- se ainda outros edifícios no mesmo terreno, cuja identificação é impossível de ser feita. As obras tiveram inicio na ala direita do palácio,vindo os alicerces vinham de uma pedreira próxima. Foi-se utilizados bois para <nowiki>''Puxar terra, pedra e madeira''</nowiki>. Foi-se continuando as obras da ala esquerda (que no início viu-se que era mais larga que a direita e mais tarde foi-se arrumada) foi ficando pronto o Sobrado, onde estão as entradas principais do palácio, além dos quartos. Todos os cômodos foram decorados e mobiliados com lindos estuques e móveis.
Lançada a pedra fundamental, houve o nivelamento da área, que era conhecida como <nowiki>''Morro da Santa Cruz''</nowiki>, para se começar as obras, que foram todas financiadas por mordomia da casa imperial, pois dizia [[Pedro II do Brasil|Pedro II]], que por a construção acontecer em sua [[Propriedade privada|propriedade particular]], não se deviria utilizar de dinheiro do estado.
 
=== Após 1889 ===
Na planta de [[Petrópolis]], feita por Koeler, acha-se indicado o local do palácio num quadrilátero entre a rua do imperador e a rua da imperatriz. Via- se ainda outros edifícios no mesmo terreno, cuja identificação é impossível de ser feita. As obras tiveram inicio na ala direita do palácio,vindo os alicerces vinham de uma pedreira próxima. Foi-se utilizados bois para <nowiki>''Puxar terra, pedra e madeira''</nowiki>. Foi-se continuando as obras da ala esquerda (que no início viu-se que era mais larga que a direita e mais tarde foi-se arrumada) foi ficando pronto o Sobrado, onde estão as entradas principais do palácio, além dos quartos. Todos os cômodos foram decorados e mobiliados com lindos estuques e móveis.
 
== Os Jardins ==
[[Ficheiro:Placamuseuimperial.JPG|thumb|right|Placa no Museu Imperial.]]
[[Ficheiro:Museu Imperial - Frente.jpg|thumb|right|Museu Imperial visto do jardim]]
[[Ficheiro:O Palácio.jpg|thumb|Museu Imperial à noite]]
[[Ficheiro:Presidente Getúlio Vargas inaugura o Museu Imperial.tif|thumb|Presidente Getúlio Vargas inaugura o Museu Imperial em 16 de março de 1943. Fotografia sob guarda do [[Arquivo Nacional (Brasil)|Arquivo Nacional]]]]
Passear pelos [[Jardim|jardins]] do Museu Imperial é reviver a época do Império e conhecer um pouco mais sobre os gostos de [[Pedro II do Brasil|d. Pedro II]]. Foi sob orientação pessoal do imperador que os jardins que circundam o Palácio foram construídos pelo paisagista parisiense [[Jean Baptiste Binot]] em 1854.
 
Com a [[Proclamação da República do Brasil|proclamação da República]], em [[15 de novembro]] de 1889, houve o banimento da família imperial, que se exilou na Europa. Em dezembro do mesmo ano, a imperatriz Dona [[Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias|Teresa Cristina]] faleceu em Portugal e, dois anos depois, em 1891, Dom Pedro II faleceria em Paris. Entre 1893 e [[1908]], a [[Isabel do Brasil|princesa Isabel]], como única herdeira – sua irmã, a princesa Leopoldina, havia falecido em 1871 –, alugou o Palácio de Petrópolis para o Educandário Notre Dame de Sion.
Com cerca de 100 espécies de árvores e flores, vindas de mais de 15 regiões do mundo ([[México]], [[Japão]], [[Argentina]], [[Índia]], [[Equador]], [[República Popular da China|China]], [[Austrália]], [[Madagáscar|Madagascar]], entre outras) e grama francesa, os jardins conservam até hoje as linhas paisagísticas, tanto em relação aos canteiros como a disposição das espécies vegetais.
 
Em seguida, entre 1909 e [[1939]], o Colégio São Vicente de Paulo funcionou no prédio. Nesse período, grande parte do mobiliário e demais objetos foram vendidos ou [[Desapropriação|desapropriados]]. No São Vicente de Paulo, estudava um apaixonado por História: [[Alcindo de Azevedo Sodré]]. Graças a ele, que sonhava desde criança com a transformação do seu colégio em um museu histórico, o presidente [[Getúlio Vargas]] criou, em 29 de março de [[1940]], pelo Decreto-Lei n° 2.096, o Museu Imperial.
O cinturão verde que envolve o Palácio possui desde árvores exóticas, como as bananeiras de Madagascar e árvores de incenso, a flores como [[camélia]]s, [[Jasmim|jasmins]], [[Manacá-de-jardim|manacás]] e flores do imperador. Como complemento, pedestais de granito onde foram colocados bustos de figuras mitológicas, ganharam também três chafarizes e quatro fontes. Entre elas, a Fonte do Sapo, de onde os moradores retiravam água, na época do [[Império do Brasil|império]], por acreditarem que era de melhor qualidade.
 
A partir de então, uma equipe técnica liderada pelo próprio Sodré, que se tornaria o primeiro diretor do Museu, tratou de estudar a história da edificação e localizar peças pertencentes à família imperial em diferentes palácios, para ilustrar o [[século XIX]] e o dia a dia de membros da [[Dinastia de Bragança|dinastia dos Braganças]]. Importantes colecionadores nacionais juntaram-se ao projeto, doando objetos de interesse histórico e artístico. Como resultado, o Museu Imperial foi inaugurado em 16 de março de [[1943]], com um significativo acervo de peças relativas ao [[Império do Brasil|período imperial brasileiro]]. Ao longo das últimas sete décadas, acumulou expressivos conjuntos documentais, bibliográficos (muitos vindos diretamente do [[Castelo d'Eu|Castelo D'eu]]) e de objetos graças a generosas doações de centenas de cidadãos, totalizando um acervo de quase 300 mil itens. Grande parte da decoração interna ainda se preserva, como os pisos em pedras nobres, os&nbsp;estuques,&nbsp;candelabros&nbsp;e&nbsp;mobília, reconstituindo os ambientes
O primeiro projeto apresentado foi de Glaziou, este paisagista oficial do imperador, que projetou os jardins da [[Quinta da Boa Vista|Quinta da Boa vista]] e diversos outros parques, mas foi recusado. Os jardins foram projetados por Binot, também [[Franceses|francês]]. Ainda podem ser vistos o traçado primitivo dos jardins, desde pandalos da [[África]], palmeiras da [[Austrália]], arvores de incenso, entre outras. Os jardins foram se modificando e diminuindo com o tempo, mas ainda podem ser vistos e apreciados.
 
== Após 1889 ==
Com a [[Proclamação da República do Brasil|proclamação da República]], em [[15 de novembro]] de 1889, houve o banimento da família imperial, que se exilou na Europa. Em dezembro do mesmo ano, a imperatriz Dona [[Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias|Teresa Cristina]] faleceu em Portugal e, dois anos depois, em 1891, Dom Pedro II faleceria em Paris. Entre 1893 e [[1908]], a [[Isabel do Brasil|princesa Isabel]], como única herdeira – sua irmã, a princesa Leopoldina, havia falecido em 1871 –, alugou o Palácio de Petrópolis para o Educandário Notre Dame de Sion.
 
Em seguida, entre 1909 e [[1939]], o Colégio São Vicente de Paulo funcionou no prédio. Nesse período, grande parte do mobiliário e demais objetos foram vendidos ou [[Desapropriação|desapropriados]]. No São Vicente de Paulo, estudava um apaixonado por História: [[Alcindo de Azevedo Sodré]]. Graças a ele, que sonhava desde criança com a transformação do seu colégio em um museu histórico, o presidente [[Getúlio Vargas]] criou, em 29 de março de [[1940]], pelo Decreto-Lei n° 2.096, o Museu Imperial.
 
A partir de então, uma equipe técnica liderada pelo próprio Sodré, que se tornaria o primeiro diretor do Museu, tratou de estudar a história da edificação e localizar peças pertencentes à família imperial em diferentes palácios, para ilustrar o [[século XIX]] e o dia a dia de membros da [[Dinastia de Bragança|dinastia dos Braganças]]. Importantes colecionadores nacionais juntaram-se ao projeto, doando objetos de interesse histórico e artístico. Como resultado, o Museu Imperial foi inaugurado em 16 de março de [[1943]], com um significativo acervo de peças relativas ao [[Império do Brasil|período imperial brasileiro]]. Ao longo das últimas sete décadas, acumulou expressivos conjuntos documentais, bibliográficos (muitos vindos diretamente do [[Castelo d'Eu|Castelo D'eu]]) e de objetos graças a generosas doações de centenas de cidadãos, totalizando um acervo de quase 300 mil itens. Grande parte da decoração interna ainda se preserva, como os pisos em pedras nobres, os&nbsp;estuques,&nbsp;candelabros&nbsp;e&nbsp;mobília, reconstituindo os ambientes
 
== Acervo ==
[[Imagem:DpedroI-brasil-full.jpg|thumb|Último retrato de Dom Pedro I, de Simplício de Sá]]
[[Imagem:Brazilian Imperial Crown2.jpg|thumb|A [[Coroa Imperial do Brasil|Coroa de Dom Pedro II]]]]
[[Imagem:Pedro Américo - D. Pedro II na abertura da Assembléia Geral.jpg|thumb|"A Fala do Trono", de [[Pedro Américo]]]]
[[Imagem:Petropolis-CoachImperialMuseum.jpg|thumb|Carruagem]]
 
== Acervo ==
O acervo do museu é constituído por peças ligadas à [[monarquia]] brasileira]], incluindo mobiliário, documentos, obras de arte e objetos pessoais de integrantes da família imperial. Na coleção de [[pintura]]s, destacam-se a "[[Fala do trono|Fala do Trono]]", de autoria de [[Pedro Américo]], representando dom Pedro II na abertura da Assembleia Geral, e o último retrato de dom Pedro I, pintado por [[Simplício Rodrigues de Sá]].
 
Particularmente importantes são as joias imperiais, com a [[coroa]] de dom Pedro II, criada por [[Carlos Marin]] especialmente para a sagração e coroação do jovem imperador, então com 15 anos de idade, e a coroa de dom Pedro I, além de diversas outras peças raras e preciosas, como o [[cofre]] de bronze dourado e porcelana oferecido pelo rei de [[França]] [[Luís Filipe I de França|Luís Filipe I]] a seu filho [[Francisco Fernando de Orléans]], príncipe de Joinville, por ocasião de seu casamento com a princesa [[Francisca de Bragança|dona Francisca]]; o colar de ouro, esmeraldas e rubis com insígnias do império que pertenceu à imperatriz [[Maria Leopoldina de Áustria|dona Leopoldina]], e o colar de ametistas da [[Marquesa de Santos]], presente de dom Pedro I.
A rica [[biblioteca]] do Museu Imperial preserva um importante acervo bibliográfico com cerca de 50 mil volumes, especializados em [[História]] (principalmente do Brasil no período Imperial), história de Petrópolis e Artes em geral.
 
A seção de Obras Raras conta com itens preciosos como edições dos séculos [[século XVI|XVI]] a [[século XIX|XIX]], [[periódico]]s, [[partitura]]s, [[iluminura]]s, [[manuscrito]]s, ''[[ex-libris]]'', relatórios das Províncias e dos Ministérios e coleção de Leis do Império, totalizando cerca de 8 mil volumes. Destas peças, diversas pertenceram à família imperial e trazem anotações manuscritas, encadernações luxuosas e ilustrações.
 
A seção de livros de viajantes estrangeiros que passaram pelo Brasil nos séculos [[século XVIII|XVIII]] e XIX também é importante, documentando diversos aspectos da vida social e da paisagem natural brasileira de então, com obras de [[Debret]], [[Rugendas]], [[Saint-Hilaire]], [[Maria Graham]], [[Henry Koster (pintor)|Henry Koster]], [[Louis Agassiz]], [[Charles Darwin]], [[Spix]] e [[Carl Friedrich Philipp von Martius|Martius]].
 
=== Arquivo Histórico ===
O museu possui uma coleção de mais de 250 mil documentos originais que datam do [[século XIII]] e vão até o [[século XX]]. Especialmente interessante é a reunião de [[fotografia]]s que documentam a história e a evolução dos aspectos urbanos e paisagísticos do estado do Rio de Janeiro e da cidade de Petrópolis.
[[Imagem:DomPedroII imperatriz Teresa Cristina.jpg|thumb|200px|left|Dom Pedro II e dona Teresa Cristina nos jardins do Palácio Imperial de Petrópolis, c. 1888]]
 
O museu possui uma coleção de mais de 250 mil documentos originais que datam do [[século XIII]] e vão até o [[século XX]]. Especialmente interessante é a reunião de [[fotografia]]s que documentam a história e a evolução dos aspectos urbanos e paisagísticos do estado do Rio de Janeiro e da cidade de Petrópolis.
 
Diversas coleções privadas enriquecem esta seção, como a de [[João Lustosa da Cunha Paranaguá]], 2º [[Marquês de Paranaguá]]; a de [[Ambrósio Leitão da Cunha]], [[Barão de Mamoré]]; a ''Coleção Barral-Monteferrat'', com a correspondência entre D. Pedro II e a [[Luísa Margarida de Barros Portugal|Condessa de Barral]]; o importante ''Arquivo da Casa Imperial Brasileira'',<ref>[http://187.16.250.90:10358/handle/acervo/82 Projeto DAMI.] Arquivo da Casa Imperial do Brasil.</ref> e diversas outras.
 
== Os= Jardins ===
 
Foi sob orientação pessoal do imperador [[Pedro II do Brasil|d. Pedro II]] que os jardins que circundam o Palácio foram construídos pelo paisagista parisiense [[Jean Baptiste Binot]] em 1854. Com cerca de 100 espécies de árvores e flores, vindas de mais de 15 regiões do mundo ([[México]], [[Japão]], [[Argentina]], [[Índia]], [[Equador]], [[República Popular da China|China]], [[Austrália]], [[Madagáscar|Madagascar]], entre outras) e grama francesa, os jardins conservam até hoje as linhas paisagísticas, tanto em relação aos canteiros como a disposição das espécies vegetais.
 
O cinturão verde que envolve o Palácio possui desde árvores exóticas, como as bananeiras de Madagascar e árvores de incenso, a flores como [[camélia]]s, [[Jasmim|jasmins]], [[Manacá-de-jardim|manacás]] e flores do imperador. Como complemento, pedestais de granito onde foram colocados bustos de figuras mitológicas, ganharam também três chafarizes e quatro fontes. Entre elas, a Fonte do Sapo, de onde os moradores retiravam água, na época do [[Império do Brasil|império]], por acreditarem que era de melhor qualidade.
 
O primeiro projeto apresentado foi de Glaziou, este paisagista oficial do imperador, que projetou os jardins da [[Quinta da Boa Vista|Quinta da Boa vista]] e diversos outros parques, mas foi recusado. Os jardins foram projetados por Binot, também [[Franceses|francês]]. Ainda podem ser vistos o traçado primitivo dos jardins, desde pandalos da [[África]], palmeiras da [[Austrália]], arvores de incenso, entre outras. Os jardins foram se modificando e diminuindo com o tempo, mas ainda podem ser vistos e apreciados.
 
== Projetos ==
* Educação Patrimonial, um projeto perene do museu, que objetiva instruir adultos e crianças a respeito da apropriação consciente e valorização crítica de sua herança cultural, fortalecendo o sentido de identidade e [[cidadania]]. Subsidiando este projeto, o museu realiza visitas guiadas, oficinas de [[teatro]] de [[marionete]]s para crianças, recitais de [[música]] do século XIX reconstituindo o espírito dos [[sarau]]s aristocráticos, e outras atividades educativas.
* '''Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial - DAMI'''.<ref>[http://www.museuimperial.gov.br/dami Projeto de digitalização do acervo do Museu Imperial - DAMI.]</ref> Esse trabalho disponibiliza imagens de todo o acervo do Museu Imperial na internet, de forma livre. Livros, documentos e objetos de todos os tipos são digitalizados e têm suas informações exibidas na página do projeto. Já existem milhares de objetos e documentos disponíveis para download.
 
{{referências|Notas}}
 
== Ver também ==
{{Commonscat|Museu Imperial}}
{{Commonscat|Paintings in the Museu Imperial|Pinturas do Museu Imperial}}
* [[Jean Baptiste Binot]] - botânico francês que projetou os jardins do Palácio.
* [[Museu Nacional do Brasil]]
* [[Quinta da Boa Vista]]
* [[Paço Imperial]]
 
{{referências|Notas}}
 
== Ligações externas ==
{{Commonscat|nome = Museu Imperial}}
* [http://www.museuimperial.gov.br/ Museu Imperial, de Petrópolis]
* [http://www.museuimperial.gov.br/dami Projeto DAMI]
{{Tópicos sobre o Império do Brasil}}
{{controle de autoridade}}
{{Portal3|Brasil|História|Rio de Janeiro|Petrópolis}}
 
[[Categoria:Museus de arte do Brasil|Imperial de Petropolis]]
166 363

edições