Diferenças entre edições de "Tradição judaico-cristã"

12 bytes removidos ,  00h26min de 17 de setembro de 2018
Ajuste
(Ajuste)
O significado atual foi usado pela primeira vez em [[27 de julho]] de [[1939]] pela ''New English Weekly''.<ref>[http://books.google.cz/books?id=7zpSvtOak7AC&pg=PA28&lpg=PA28 See Peter Novick: ''Holocaust in American Life'']</ref>
 
O termo ganhou popularidade mais particularmente na esfera [[política]] a partir das décadas de 1920 e 1930, promovido por grupos [[liberalismo|liberais]], que evoluíram para a Conferência Nacional de cristãos e judeus, aliados na luta contra o [[antissemitismo]] por expressar uma ideia mais abrangente dos [[Estados Unidos da América]] do que a [[retórica]] anteriormente dominante da nação como um país especificamente cristão.<ref name="Silk">Mark Silk (1984), Notes on the Judeo–Christian Tradition in America, ''American Quarterly'' '''36(1)''', 65-85</ref><ref>Sarna, 2004, p.266</ref> Em 1952, o presidente eleito [[Dwight Eisenhower]] falou que o "conceito judaico-cristão" é a [[fé]] sobre a qual "o nosso (...) governo ... é fundado ".<ref>Dwight D. Eisenhower, speech to the Freedoms Foundation in New York. "Our sense of government has no sense unless it is founded in a deeply religious faith, and I don't care what it is. With us of course it is the Judeo–Christian concept, but it must be a religion that all men are created equal." Quoted by Silk (1984).</ref>
 
== Base de um conceito comum das duas religiões ==